O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Reactor Films / Brooks + Scarpa Architects

Reactor Films / Brooks + Scarpa Architects

Reactor Films / Brooks + Scarpa Architects
Reactor Films / Brooks + Scarpa Architects, © Marvin Rand
© Marvin Rand

Programa: Restaurar uma Galeria de Arte Deco dos anos 1930, um edifício de alvenaria, em um ambiente de trabalho para a produção de comerciais de televisão e videoclipes.

© Marvin Rand

Solução: Reactor apresentou um desafio único de satisfazer o desejo do cliente de se mudar para um ambiente concluído em menos de catorze semanas a partir do início do projeto. A fim de atender a esta demanda, uma estratégia sistemática de trabalho foi desenvolvida para aproveitar destas limitações enquanto cultiva a atmosfera de trabalho dinâmica e inventiva na qual o cliente, o empreiteiro e o arquiteto colaboram com uma sinergia sem precedentes.

© Marvin Rand

O programa foi estrategicamente divido em áreas distintas e separadas que podem ser desenvolvidas e detalhadas em fases diversas com o planejamento de construção: cada elemento ou área programáticos foram explorados e detalhados a fundo, apresentados ao cliente e então dimensionados e emitidos para o empreiteiro. As decisões de projeto foram tomadas com o auxílio do empreiteiro e de diversos fabricantes, cuja experiência foi fundamental. Um conjunto complexo de questões e relações envolvendo tempo, custo, desenho, construção e fabricação criaram um contexto no qual o processo de elaboração e a arte da construção se intensificaram em importância e se tornaram os aspectos centrais para o projeto.

© Marvin Rand

A construção começou durante a primeira semana do projeto e as permissões foram emitidas pela Prefeitura no começo da segunda semana. Todos os desenhos produzidos para o projeto serviram tanto como documento de apresentação para o cliente como para a construção. Para facilitar este processo e permitir a comunicação rápida por fax entre os participantes, todos os desenhos foram concluídos à mão livre em papel vegetal A3. O imediatismo do trabalho neste contexto de “tomada única” ou de “transmissão ao vivo” resultou em uma arquitetura que, em essência, evoluiu como um desenho em escala total.

© Marvin Rand

Espacialmente, o projeto se desenvolve em torno de uma sala de conferência central posicionada com o intuito de “ocupar” a via pública. Esta sala, localizada no hall da “rua”, reutiliza um contêiner que pertenceu ao pátio de expedição de Long Beach, O clima econômico no momento do projeto permitiu o reuso criativo deste objeto banal. Devido ao desequilíbrio comercial com o Japão, o contêiner já utilizado estava disponível a um custo baixíssimo.

© Marvin Rand

Robert Venturi disse uma vez: “Algo familiar visto em um contexto não familiar pode se tornar perpetuamente novo ao mesmo tempo em que velho.” (Complexidade e Contradição na Arquitetura) Assim como o edifício dos anos 1930 que este projeto ocupa, o contêiner reciclado é transformado e perceptivamente reposicionado para capitalizar sobre sua inerente história.

© Marvin Rand

Em essência, exibe uma biografia espacial, suas superfícies e seus vazios carregados de fragmentos de memória gravados ao longo do tempo. O espaço interior foi concebido como uma superfície que se envolve assimetricamente ao redor do centro do contêiner. Este invólucro alternadamente se aproxima e se afasta das paredes e da estrutura do edifício existente. Esta estratégia formal de ir e vir ou de esconder e revelar sugere uma relação dinâmica entre o novo e o velho ao passo que indica uma atitude projetual que respeita a integridade do existente e mantém um compromisso com a criação de algo novo criativo e pensado.

© Marvin Rand

Enquanto a superfície se mantém plano e ortogonal, conscientemente uma expressividade escultural é explorada. Moldados pelo invólucro de dimensões amplas, os vazios criados se tornam tanto importantes quanto às superfícies que os formam. Paredes, salas e janelas criam experiências singulares ainda que em equilíbrio com a tensão em uma composição coesa. Por fim, Reactor é uma tentativa de simular uma experiência significante em arquitetura através do processo de produção. Torna-se então uma questão de “como” ao invés de “o que”.

© Marvin Rand

 

Ficha técnica:

Equipe:

  1. Arquitetos: Brooks + Scarpa Architects
  2. Coordenador de projeto: Lawrence Scarpa
  3. Equipe de projeto: Angela Brooks, Jackson Butler, Adam Davis, Mike Ferguson, John Jennings, Gwynne Pugh, Lawrence Scarpa


Informação Complementar:

  1. Projeto de interiores e mobiliário: Mike Ferguson, John Jennings e Lawrence Scarpa (com Dave Scott)
  2. Fabricação do mobiliário e estruturas metálicas: Dave Scott do DESU
  3. Equipe de construção: Brian Crommie e Tom Hinerfeld da BT Builders
  1. Cliente/Proprietário: Stoney Road Productions e Reactor Films
  2. Custo: 350.000 dólares (50 dólares por metro quadrado), incluindo as atualizações das fachadas


Sobre este escritório
Cita: Fernanda Britto. "Reactor Films / Brooks + Scarpa Architects" 23 Mai 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/50148/reactor-films-brooks-mais-scarpa-architects> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.