O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Cinema e Arquitetura: "Filhos da Esperança"

Cinema e Arquitetura: "Filhos da Esperança"

Cinema e Arquitetura: "Filhos da Esperança"
Cinema e Arquitetura: "Filhos da Esperança", © Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Artigo por Rafael Altamirano, arquiteto.

O futuro para  humanidade não existe. De todos os cenários possíveis, é talvez este o mais desolador e deprimente. Perdemos a capacidade para reproduzir e com ele, nossa missão biológica e social de transmitir tudo o que somos à seguinte geração. Nossas grandes obras, nossas cidades, nossa arte, não têm sentido. Em menos de cem anos não existirá ninguém que lembre quem fomos nem nada que fizemos.

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Para representar esta tragédia, o filme, dirigida com maestria pelo mexicano Alfonso Cuarón, nos mostra as consequências à médio prazo de tal situação. Nos transporta à cidade de Londres, uma das últimas cidades que resiste ao caos. Antiga cidade cosmopolita e de sociedade pós-moderna é representada agora como se fosse uma cidade de terceiro mundo, suja, desorganizada, congestionada, contaminada e vigilada em todos os cantos pela força militar.

Nela podemos encontrar uma clara mensagem que a situação da Europa atual, cuja vitalidade está diminuindo graças à cada vez menor porcentagem de jovens e aos baixos índices de natalidade. É evidente que o diretor quer nos mostrar a estagnação da sociedade ocidental, enquanto que olha para os países de terceiro mundo em sua "fome" de melhores condições de vida.

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Cuarón soube eleger pontualmente e com maestria os cenários de conflito de nossa atual sociedade humana. Para nos mostrar o futuro, não teve que recorrer a cenários futuristas e de altíssima tecnologia, mas escolheu cenários cotidianos potencializando suas problemáticas. É um futuro de grande realismo e bastante palpável, "orgânico" porque já somos parte dele.

O filme nos mostra uma cidade que se encontra super povoada, funcionando como uma urbe murada separada militarmente do exterior. Seus espaços públicos estão cheios de grafiti, repletos de mensagens de desespero, de pedidos que não podem ser escutados... por que ninguém mais se importa com o que dizem os outros.

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Todos os cenários do filme foram filmados com luz natural ou com fontes de luz fixas. Foi rodado em sua maioria durante o amanhecer e entardecer de dias nublados, o que dá a sensação que o tempo está parado e não existem as horas.

As locações internas foram especialmente escolhidas com um caráter predominante de luz natural e em sua maioria, pertencentes à arquitetura Art Deco e ao movimento modernista. Esses lugares simbolizam de certo modo, o fracasso e o obsoleto desenvolvimento humano, já que a maioria das sedes alguma vez já foram símbolos da modernidade e do desenvolvimento, mas que caíram em ruínas e foram abandonados. Exemplo disto temos as centrais elétricas de Battersea e Barkside, o antigo estaleiro de Chatham e os grandes conjuntos de habitação multi-familiar.

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Estes últimos ressaltam sua utilização por parte do diretor para nos mostrar a decadência da cidade moderna, o fracasso dos urbanistas para dar uma vida digna à população, criando pequenas e estreitas jaulas de concreto como residência. Em comparação com o resto da população, a elite vive em espaços amplos, limpos e exibindo grandes obras de arte entre suas posessões. Portanto, neste cenário, a cultura e uma vida confortável apenas está nas mãos de quem pode pagar.

Em suma, é uma imagem que aumenta os problemas atuais da nossa sociedade, uma imagem crua e, acima de tudo realista de um futuro que embora esteja longe, é também muito palpável porque está dentro do coração de nossas próprias cidades

CENAS CHAVE

1. A estagnação da Europa

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Theo caminha pelas ruas de Londres, que congestionadas de veículos e pessoas, que parecem mais um cartão postal de uma cidade do terceiro mundo do que uma cidade cosmopolita.

2. A Contradição da Modernidade

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Amanhece, e pela janela se pode ver a cidade decadente, enquanto que pela televisão os meios oferecem uma "vida" com conforto. 

3. O Fracaso dos Grandes Conjuntos Multi-familiares

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

A aglomeração de pessoas pela superpopulação atual foi enfatizada aqui diante do confinamento de um grande número de pessoas dentro da cidade cercada pelos militares.

4. Royal Horticultural Halls

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Antigo salão de exibições de horticultura pertencente ao Art Deco, construído em abóbadas de concreto armado. Iluminado por uma luz natural graças à ao grande pé-direito.

5. Great Scotland Yard

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

A antiga e mais famosa rua de Londres aparece aqui como uma estrada estreita onde veículos, animais, comércios e pedestres lutam pelo pouco espaço para seu próprio desenvolvimento.

6. Jaulas de Concreto para uma Cidade Moderna

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Dentro do filme, a maioria da população, apesar de contar com bons trabalhos, não podem ter acesso à nada além de pequenos apartamentos em grandes conjuntos habitacionais. 

7. Chatam Historic Dock

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Antigo estaleiro naval agora convertido em Museu Naval. O que podemos ver é uma grande sala resultado de um mezanino dentro do grande estaleiro, iluminado por luz natural zenital.

8. Central Elétrica de Battersea

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Construída pelo Arq. Theo J. Holliday e em estilo Art Deco deixou de funcionar nos anos 70. Atualmente há um novo projeto de resgate urbanístico de residências e escritórios.

9. Tate Modern / Turbine Hall

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Antiga central elétrica de Barkside convertida no Museu Nacional Britânico de Arte Moderna. Iluminada por luz natural graças à claraboia que está presente em toda a sua cobertura.

10. A "Amplitude" como sinal da Opulência

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Em contraste com a superlotação do resto da população, a "elite" vive dentro de amplos espaços puros, cercados pelo pouco da arte que sobrevive à barbárie.

11. Pink Floyd e a "Rebelião na Granja"

© Children Of Men (2006)
© Children Of Men (2006)

Assim como o álbum "Animals", do lado de fora da janela aparece um balão em forma de porco, que por sua vez é uma homenagem ao livro que George Orwell escreveu.

PERFIL DO DIRETOR

Alfonso Cuarón é um diretor, produtor e roteirista de origem mexicana nascido na Cidade do México em 1961, em 28 de novembro. Começou seu amor pelo cinema aos 12 anos quando recebeu de presente sua primeira câmera filmadora.

Estudou no Centro Universitário de Estudos Cinematográficos mas abandonou em favor de poder comercializar seu trabalho. Depois de vários trabalhos dentro de seu país de origem, se mudou para Hollywood onde obteve boas críticas por seu desempenho como diretor.

Se destaca por ter dirigido uma ampla variedade de filmes de diversos gêneros, que vão de fantasia, drama, comédia e ficção científica, dentre eles Y Tu Mama También (2001) e Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban (2004). Atua também como produtor e roteirista de Hollywood, com grandes filmes em sua carreira, tendo sido indicado a seis Prêmios Oscar. Possui um estilo visual caracterizado por fortes contrastes de luz e cor, assim como de tomadas panorâmicas prolongadas e amplas. Destaca-se sobretudo pelo uso de "planos sequência".

A ADAPTAÇÃO

O filme, cujo título original é “The Children of Men”, é um romance distópico publicado em 1992 pelo escritor P.D. James, autora de inúmeras e célebres histórias policiais. A obra narra a história de um grupo de resistência, que não compartilham a desilusão catastrófica da população em geral com a perda de fertilidade das mulheres.

A narração se alterna em terceira e primeira pessoa, através de um diário escrito por Theo Faron.

O ambiente no romance é dito muito mais depressivo, tirânico e extremista que em sua adaptação para o cinema. Os imigrantes são explorados como força de trabalho e os idosos são vistos como um fardo para a sociedade, sendo obrigados a participar nos "Quietus", suicídios em massa patrocinados pelo governo.

A última geração nascida é conhecida como "Omegas", que paradoxalmente a sua incapacidade de procriar, são seres de grande beleza e perfeição física.

A maior diferença talvez, é que dentro no livro não é uma imigrante que acaba por estar grávida, mas o personagem vivido por Julian Moore, líder da resistência. Ao tomar conhecimento de seu estado, o governo decide se apoderar dela e de seu bebe, iniciando um conflito, onde ela morre e Theo (personagem de Clive Owen) acaba por se tornar o novo líder do governo.

FICHA TÉCNICA

Data de Estreia: 24 de Novembro de 2006
Duração: 109 min.
Gênero: Drama / Suspense / Ficção Científica
Diretor: Alfonso Cuarón
Roteiro: Thimothy J. Sexton
Adaptação: “The Children of men” da escritora P.D. James
Trilha Sonora: John Tavener

SINOPSE

No ano de 2027 a humanidade perdeu sua capacidade de procriar. Todas as nações caíram no caos e apenas a Grã Bretanha persiste como um governo audoritário no qual confina os imigrantes à cidades miseráveis.

Dentro deste contexto vive Theo Faron, um ex ativista convertido em burocrata que não parece se importar muito com a vida, até que reencontra com uma antiga paixão, agora líder de uma organização rebelde, que é incluída no translado de uma garota imigrante.

Cita: Altamirano, Rafael. "Cinema e Arquitetura: "Filhos da Esperança"" [Cine y Arquitectura: "Children Of Men"] 28 Fev 2014. ArchDaily Brasil. (Trad. Santiago Pedrotti, Gabriel) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/179114/cinema-e-arquitetura-filhos-da-esperanca> ISSN 0719-8906