Cinema e Arquitetura: Modern Tide - Midcentury Architecture on Long Island

A relação entre a dinâmica social e arquitetura sempre foi íntima. É um diálogo constante entre normas sociais e políticas, tendências estilísticas e escolhas estéticas, preferências individuais e do bem coletivo. O período modernista foi um tempo em que a arquitetura assumiu o desafio de muitos problemas sociais. Em todas as artes – arquitetura, design, música e cinema – o período foi altamente politizado e as escolhas muitas vezes deu lugar a um ideal utilitarista que era um híbrido de eficiência, simplicidade e conforto.

O novo filme de Jake Gorst Modern Tide: Midcentury Architecture on Long Island, apoiado por Design Onscreen, é uma mensagem de preservação que nos leva através da história do boom imobiliário modernista, que teve lugar em Long Island, Noa York, no período entre a Grande Depressão e a década de 1970.

Em 14 de agosto passado, Cook + Fox   Architects organizou uma sessão de cinema privada em seu escritório na 641 Ave of the Americas, apresentando os tesouros ao longo da costa da ilha que caíram entre as fendas da história. O filme olha para obras de Albert Frey, Wallace Harrison, Frank Lloyd Wright, Marcel Breuer, Philip Johnson, Charles Gwathmey, Barbara e Julian Neski e muitos outros.

Casa Reese / Andrew Geller (1955); © 2010 Andrew M Geller

Long Island é frequentemente associada aos Hamptons, resorts exclusivos para os ricos, mansões particulares que guardam a costa, e, claro, Levittown – o desenvolvimento que traz à mente a expansividade dos subúrbios de hoje. Mas este não foi sempre o caso. Os Estados Unidos foram apresentados ao período modernista no início do século 20 com o trabalho de Louis Sullivan e Frank Lloyd Wright, embora as raízes da arquitetura modernista sejam variadas e generalizadas. Modernidade foi dominada pelas necessidades sociais da época; é interessante observar as escolhas éticas dos arquitetos na hora de chegar a uma solução para enfrentar os problemas.

© Modern Tide: Midcentury Architecture em Long Island

O boom imobiliário no período do pós-II Guerra Mundial em toda a América não foi um acidente. Com a Grande Depressão e do desvio de muitos recursos para o esforço de guerra, a indústria da construção civil teve muito pouca atividade. A atmosfera geral da época era de austeridade e simplicidade, e enquanto a guerra ajudou os EUA ressurgir da depressão, os efeitos não foram imediatos. Soldados voltaram para um país com um déficit habitacional desesperador e conforme o setor da construção foi sendo reavivado, uma gama de soluções foram surgindo. Levittown – a base para os futuros subúrbios da América – foi um deles. Casas foram construídas a uma taxa de 15 por dia e foram vendidas mais rapidamente do que elas poderiam ser concluídas. O que permitiu Levittown a crescer tão rapidamente foram as mesmas ferramentas que os arquitetos modernistas utilizaram para desenvolver uma estética que abraçou a simplicidade que a nova tecnologia oferecida. Estas ferramentas significavam que a habitação poderia ser construída de forma mais econômica e em um ritmo muito maior.

Casa Aluminaire / Louis Kotcher (1932); © jenosale

A II Guerra Mundial criou muitos avanços materiais que mudaram a forma como os edifícios eram construídos. Plásticos, metais e borracha foram sendo adaptados às casas. A casa experimental, A Casa Aluminaire, era uma tal investigação na simplicidade de uma casa construída a partir de uma estrutura de aço, colunas de alumínio tubular, e revestimento de alumínio. Projetado por Albert Frey e Louis Kotcher para a exposição “Allied Arts and Building Products “ (Artes Aliadas e Produtos de Construção), a casa exemplificava novos materiais, novos métodos de construção e a possibilidade de construir econômica e eficientemente.

© Modern Tide: Midcentury Architecture em Long Island

Foi Le Corbusier que escreveu: “a casa é uma máquina de morar” em Por uma Arquitetura (1923) e isso foi totalmente adotado pelos arquitetos modernistas. A onda de projetos que se seguiu adotou simplicidade, autenticidade e eficiência. Estas casas todas projetaram o espírito do estilo de vida bangalô. Elas eram pequenas, muitas vezes construídas perto da costa e sob constante ameaça das marés e furacões. Elas abraçaram a paisagem natural, foram autorizadas a resistir aos ventos, chuva e areia. Elas foram construídas nas dunas ao longo da faixa de areia dentro dos vários microclimas presentes na ilha. Muitas das casas compartilharam a mesma inclinação para tornar os espaços privados os menores possíveis e dedicar mais espaço para áreas comuns, como a cozinha, sala de jantar e sala de estar. O acesso ao ar livre era inerente ao projeto, através de enormes lâminas de janelas de vidro, como na casa  Frank (1958) de Andrew Geller, ou através de varandas e alpendres, como na Casa Reese, também de Andrew Geller.

© Modern Tide: Midcentury Architecture em Long Island

Numerosos exemplos dessas residências são discutidas no filme de Gorst.  A residência Reese de Andrew Geller (1955), que virou  a casa de madeira “A”  em  procuradas pelo design, e a casa  Pearlroth “Double Diamond” (1959), que se destacou “como uma nave espacial nas dunas” são dois projetos notáveis que permanecem e requerem preservação. Outras residências não tiveram tanta sorte: A Sandbox (1933) de Lansing Holden, a Residência Bunshaft (1963) de Gordon Bunshaft e a Canvas House (1930) de Albert Frey, todas tiveram como destino da demolição, algumas tão recentes quanto 2005.

Casa Pearlroth / Andrew Geller (1958); © 2010 Andrew M Geller

O filme explica a razão para o declínio no interesse da preservação dessas pequenas residências que eram tão parte integrante da paisagem de Long Island. A recessão da década de 1970 criou uma distância maior entre ricos e pobres. Estas residências foram construídas para a eficiência, para a classe média, e rejeitou ostentação e expressões luxuosas de riqueza em troca de austeridade e simplicidade. Conforme o valor da terra exclusiva em Long Island cresceu o valor destas casas caiu, apesar de seu valor para a história da arquitetura. Aquelas que foram mal conservadas foram compradas e demolidas para dar espaço para as mansões que agora dominam grande parte da paisagem de Long Island. Estas casas anunciam riqueza e são construídas em estilos ultrapassados que são um esforço para recordar realeza.

Casa Frank / Andrew Geller (1958); © 2010 Andrew M Geller

A Casa Frank foi poupada de demolição e adotou novos proprietários dispostos a restaurá-lo ao seu estado anterior. Esse tipo de compromisso é um desafio, como o novo proprietário admite no filme: ele deve aprender a viver com a casa como ela foi concebida para ser vivida sem fazer nenhuma alteração. O período modernista definiu um estilo de vida tanto quanto ele definiu uma estética. Ele rejeitou os estilos prepotentes de gerações anteriores e adotou uma estética da máquina que estava mais preocupada com a função e autenticidade dos materiais e forma. Com suas escolhas estilísticas carregou uma intenção de dar acessibilidade à classe média à habitação de qualidade, uma noção que não existia em seu sentido moderno até depois da Segunda Guerra Mundial.

Visite Newsday para uma breve lista de casas demolidas e preservadas em Long Island, a partir do período modernista.

Veja o trailer do filme abaixo:

Modern Tide: Midcentury Architecture on Long Island from Design Onscreen on Vimeo.

Imagens cortesia de usuário do Flickr: jenosale, licensed via Creative Commons.
Imagens cortesia de Andrew Geller Architectural Archive Preservation Project.

 

 

 

Cita:Paula Garcia Monteiro. " Cinema e Arquitetura: Modern Tide - Midcentury Architecture on Long Island" 15 May 2013. ArchDaily. Accessed . <http://www.archdaily.com.br/br/01-68123/cinema-e-arquitetura-modern-tide-midcentury-architecture-on-long-island>
comments powered by Disqus