Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Redshift

Redshift: O mais recente de arquitetura e notícia

Zaha Hadid: a mente criativa do século XXI

Este artigo foi originalmente publicado pela Autodesk Redshift como "Respect: Architect Zaha Hadid, Queen of the Curve."

Em março de 2016, uma avassaladora notícia surpreendeu e chocou arquitetos ao redor do mundo. Em um hospital de Miami, Zaha Hadid - uma das personalidades mais importantes e reconhecidas do mundo da arquitetura - havia falecido vítima de um ataque cardíaco fulminante.

A renomada arquiteta britânica - nascida no dia 31 de outubro de 1950 no Iraque, educada em Beirute e reconhecida como a "Rainha das Curvas" - transformou-se em uma lenda da nossa época. Suas elegantes e complexas formas arquitetônicas foram construídas nos quatro cantos do mundo, uma carreira meteórica e inspiradora que lhe rendeu o Prêmio Pritzker em 2004, tornando-se a primeira mulher a receber tal honraria, além da medalha de ouro do Royal Institute of British Architects em 2016. Zaha Hadid transcendeu as restrições da velha guarda de nossa profissão, um campo quase que exclusivamente dominado por figuras masculinas.

© MIR KAPSARC (King Abdullah Petroleum Studies and Research Centre) / Zaha Hadid Architects . Imagem © Hufton + Crow Cortesia de Zaha Hadid Architects 520 West 28th / Zaha Hadid Architects . Imagem © Hufton + Crow + 18

Usando a arquitetura para criar um novo movimento cívico: entrevista com Chris Sharples, do SHoP Architects

Este artigo foi publicado originalmente pela Redshift, da Autodesk, como "SHoP's Chris Sharples on Urban Architecture, Digital Fabrication, and the Public Realm."

Os irmãos gêmeos Chris e Bill Sharples são dois dos sócios fundadores da SHoP Architects, uma empresa sediada em Nova York, criada há 20 anos para reunir conhecimentos diversos em projetos de edifícios e ambientes que melhoram a qualidade de vida pública.

O estilo da empresa é difícil de definir, mas um denominador comum no portfólio da SHoP é uma filosofia de projeto baseada em restrições. Dos modelos digitais às técnicas de fabricação e entrega sempre à frente de seu tempo, a tecnologia está no centro do movimento da empresa em direção a uma abordagem iterativa que, como diz Chris Sharples, "está começando a obscurecer a linha entre arquitetura e manufatura".

Cortesia de SHoP Architects © SHoP Architects and West8 © Bruce Damonte Cortesia de SHoP Architects + 8

Minimizando a perda de dados entre o SIG e o BIM

Um fato infeliz da indústria AEC (arquitetura, engenharia e construção) é que, dentre todos os estágios do processo - do planejamento e projeto à construção e operações - dados críticos acabam sendo perdidos.

A realidade é que, quando você move dados entre fases, digamos, do ciclo de vida útil de uma ponte, você acaba levando esses dados entre sistemas de software que reconhecem apenas seus próprios conjuntos de dados. No minuto em que você traduz esses dados, você reduz sua riqueza e valor. Quando uma parte interessada do projeto precisa de dados de uma fase anterior do processo, arquitetos, planejadores e engenheiros geralmente precisam recriar manualmente essas informações, resultando em retrabalho desnecessário.

Por que estádios em madeira podem ser a próxima grande inovação na arquitetura esportiva

Este artigo foi originalmente publicado pela Autodesk como parte da série Redshift com o título "Could Modular Wood Stadium Construction Be a Game Changer?"

Imagine um estádio de futebol com uma estrutura que pudesse ser ampliada e reduzida de acordo com a variação do número de sócios e dos investimentos feitos a cada temporada, ou que pudesse ser transportada e adaptada ao campo de outro clube em apenas algumas semanas.

Historicamente, os donos das principais equipes esportivas profissionais nem sempre se importaram muito com seus torcedores. Construir estruturas móveis para seus estádios não acarretaria, a princípio, grandes avanços dentro e fora de campo, mas com certeza, resultaria em um avanço inegável para a tecnologia da construção de arenas esportivas. Modular, expansível e de baixo impacto ambiental, este sistema construtivo de baixa emissão de carbono concebido pelo fabricante de estruturas de madeira Rubner Holzbau, muito em breve poderá ser construído ao redor de qualquer campo de futebol.

Coabitação, casas sob medida e economia criativa: é esse o futuro das habitações de alta densidade?

Este artigo foi originalmente publicado na revista Redshift da Autodesk como "Comunidades personalizáveis podem ser a chave para o futuro da moradia urbana".

Londres tem uma fascinante história de urbanização que remonta ao assentamento romano em 43 d.C.. Durante a Revolução Industrial e a Era Vitoriana, a população da cidade atingiu seu pico, assim como seus problemas relacionados à densidade populacional. O ar estava cheio de fuligem e fumaça, cortiços abarrotados eram a regra no centro da cidade, e a cólera e outras epidemias se espalhavam rapidamente devido a um saneamento inadequado.

Essas condições deram origem ao planejamento urbano moderno e à política de saúde pública, que agora define qual seria uma “boa densidade” no futuro da habitação urbana. A ONU prevê que em 2050, 66% da população mundial viverá em áreas metropolitanas, em comparação com os 54% de hoje.

Como Sou Fujimoto promove o espírito de comunidade ao unir elementos aparentemente opostos

Este artigo foi originalmente publicado pela Redshift como "Architect Sou Fujimoto Has Radical Ideas for Familiar Communal Spaces."

A destruição de Ishinomaki pelo Grande Terremoto e Tsunami no Leste do Japão em 2011 danificou o centro cívico e o centro cultural da cidade de forma irreparável. Para reconstruí-los, a cidade de Ishinomaki queria criar um marco combinando esses dois equipamentos em um novo complexo — que seria como uma cidade em si, servindo a comunidade.

Em 2016, as propostas de projeto foram selecionadas em um processo que incluía apresentações públicas, com participação de muitos moradores locais. No final, Sou Fujimoto, um líder entre a próxima geração de arquitetos do Japão, foi selecionado por seu projeto inovador.

Equipamento de "visão raio-x" permite que arquitetos vejam através das paredes de uma obra

Este artigo foi publicado originalmente no Autodesk's Redshift como "Augmented Reality in Construction Lets You See Through Walls."

Imagine que você faz parte de uma equipe construindo um novo edifício comercial: no meio do processo, você está no local inspecionando a instalação de sistemas de climatização. Você colocou um capacete de aparência engraçada e saiu do elevador de serviço. À medida que você olha para cima há um teto sendo instalado, mas você quer saber o que está acontecendo por trás dele.

Através da viseira em seu capacete você acessa o Building Information Model (BIM), que é instantaneamente projetado em seu campo de visão. Existem canos de aquecimento, canos de água e caixas elétricas se movendo e se deslocando juntamente com seu ponto de vista enquanto você anda pelos corredores. Apague as camadas do modelo para ver a estrutura de aço do edifício, o isolamento e os acabamentos. É como ter uma visão de raio-X como nas histórias em quadrinhos e, em breve, pode ser a realidade em uma obra perto de você.

Como o Starbucks utiliza BIM e VR para trazer aspectos locais aos seus estabelecimentos no Japão

Este artigo foi originalmente postado na publicação da Redshift da Autodesk como "Starbucks Japan Pursues a Local Flair Through Design in BIM and VR."

Já faz mais de 20 anos desde que o Japão inaugurou seu primeiro Starbucks, trazendo um novo paradigma para a cultura do café daquele país - e criando uma terceira opção entre o binômio casa-trabalho/escola.

Notavelmente, quase todas as 1.245 lojas espalhadas em 47 cidades são diretamente administradas pela empresa. E como tal, são planejadas por projetistas que ao invés de estabelecerem projetos padronizados para todas as locações, trabalharam com dedicação para incorporar características que expressam contextos regionais, históricos e estilos de vida dos locais - em resumo, para atrair especificamente o mercado japonês.

Por que as cidades antigas ainda podem nos ensinar sobre planejamento urbano

No século 20, o planejamento urbano passou por algumas grandes mudanças, criando grande parte de nosso ambiente urbano atual em um molde que agora é amplamente visto como anti-humano. Felizmente, nas últimas décadas o planejamento urbano mudou novamente - em parte revisando e em parte revertendo teorias adotadas durante o século XX. Neste artigo, originalmente publicado em Redshift da Autodesk como "What the Future of Cities Can Learn From Ancient Cities" (O que o Futuro das Cidades Pode Aprender das Cidades Antigas), James A Moore analisa por que os velhos modelos de criação de cidades provaram ser tão atemporais e o papel que desempenharão na criação das cidades do século XXI.

Como diz a lenda, ao deixar Carnegie Hall após um ensaio insatisfatório, o violinista Mischa Elman encontrou dois turistas à procura da entrada do edifício. Eles perguntaram: "Como você chega ao Carnegie Hall?"

Sem pestanejar, Elman respondeu, "Praticando".

É uma piada antiga e simples, mas aponta para uma importante razão pela qual as pessoas são atraídas para as cidades. Por que algumas pessoas se mudam para Hollywood? Elas querem estar nos filmes. Por que se mudam para Wall Street? Elas querem estar no mercado das finanças. Nos melhores casos, as cidades permitem aos cidadãos seguirem suas aspirações.

7 Dicas para atingir a neutralidade em carbono na construção civil até 2030

Este artigo foi originalmente publicado em Autodesk's Redshift como "7 Tactics for Meeting the Architecture 2030 Challenge and Beyond."

À medida que o impacto das mudanças climáticas aumenta, escritórios de arquitetura com pensamento de vanguarda se comprometeram a ser parte da solução. Cada vez mais as empresas estão participando do Desafio 2030 e da iniciativa do Instituto Americano de Arquitetos (AIA em sua sigla em inglês), a chamada AIA 2030 Commitment, que proporciona uma abordagem de redução da dependência de combustíveis fósseis e visa tornar todos os edifícios, empreendimentos e grandes renovações neutros em carbono até 2030.

O Desafio 2030 foi adotado por 8 das 10 maiores e 65% das 20 maiores empresas de planejamento, engenharia e arquitetura dos Estados Unidos, assim como muitas agências governamentais locais e estaduais. Entre estas está a Eskew+Dumez+Ripple (EDR), uma empresa de arquitetura e planejamento de New Orleans; HOK, uma empresa global de design, arquitetura, engenharia e planejamento; CTA Architects Engineers, uma empresa que integra design, arquitetura e engenharia com escritórios espalhados pelo Oeste dos Estados Unidos e Canadá. Aqui, cinco profissionais da EDR, HOK e CTA compartilharam sete táticas que vêm utilizando para alcançar o objetivo até 2030 - e um futuro sustentável deste planeta.

KieranTimberlake está usando realidade virtual para projetar uma casa em Marte

Este artigo foi originalmente publicado por Autodesk's Redshift como "Life on Mars? Architects Lead the Way to Designing for Mars With Virtual Reality."

Se um escritório de arquitetura tiver sorte, ele pode atingir dois coelhos numa cajadada só em um único projeto - por exemplo, priorizando tanto a preservação histórica como a eficiência energética. Mas uma equipe da KieranTimberlake, com sede na Filadélfia, está buscando quatro objetivos ambiciosos com seu projeto Mars City Facility Ops Challenge.

Os arquitetos Fátima Olivieri, Efrie Friedlander e Rolando Lopez fizeram uma parceria com o Instituto Nacional de Ciências da Construção (NIBS), a NASA e o Total Learning Research Institute (TLRI) para criar uma cidade operária virtual em Marte - uma proposta que pode gerar recompensas múltiplas.

Uma nova etapa na carreira de Toyo Ito: projetos comunitários de pequena escala

Este artigo foi publicado originalmente no site Redshift da Autodesk como "A próxima conquista arquitetônica de Toyo Ito: Revitalização da ilha de Omishima no Japão."

No ano passado, enquanto a construção do seu projeto para a Opera Nacional de Taichung, em Taiwan, estava chegando ao fim, Toyo Ito se encontrou numa encruzilhada.

Um projeto de 10 anos de duração, um gigantesco ícone cultural feito de paredes de concreto curvadas biomorficamente que se enrolam como um nó de artérias, criando uma experiência sobrenatural para os padrões das artes, é o projeto emblemático que se esperaria do Prêmio Pritzker de 2013, mas sua finalização desencadeou uma pergunta vital: para onde ir a partir daqui?

De espaços mortos a espaços públicos: Como os becos podem melhorar nossas cidades

Esse artigo foi publicado originalmente por Redshift, da Autodesk, como "Reincarnated Architecture: Through Green Alleys, Dead Space Can Live Anew."

Quatro dicas para começar a usar realidade virtual na arquitetura

Este artigo foi publicado originalmente no site da Autodesk .

Você está caminhando por uma elegante residência, admirando as grandes janelas da sala, as pinturas na parede e a cozinha espaçosa. Luminárias pendentes moldam um brilho suave, o piso de pedra brilha sob seus pés, os móveis são convidativos. Então, você tira os óculos de realidade virtual e retoma sua reunião.

Esse cenário está se tornando cada vez mais comum à medida que mais arquitetos incorporam a realidade virtual (VR) em suas atividades. Junto com seus primos - realidade aumentada (AR) e realidade mista (MR) - a realidade virtual permite que os projetistas aumentem as possibilidades de visualização, dando a colegas e clientes novas maneiras de experimentar e entender um edifício ou um espaço muito antes dele realmente ser construído. Com a VR, os arquitetos podem transmitir não apenas como um edifício será, mas também como ele será experenciado.

Paisagens arquitetônicas fornecem terapia para crianças com autismo

© Sean Ahlquist, Universidade de Michigan
© Sean Ahlquist, Universidade de Michigan

Esse artigo foi publicado originalmente em Redshift, como "Architecture for Autism Could Be a Breakthrough for Kids With ASD."

Os bons arquitetos sempre projetaram com sensações táteis em mente, do grão da madeira em um corrimão, ao tapete grosso e peludo, em uma creche. É uma maneira eficaz de envolver todos os sentidos, conectando os olhos, a mão e a mente de maneiras a criar ambientes mais interessantes.

Mas um professor de arquitetura da Universidade de Michigan em Ann Arbor está trabalhando em um ambiente de arquitetura tátil para autistas que faz muito mais do que oferecer aos visitantes uma experiência háptica agradável e diversificada: É uma forma de terapia para crianças como sua filha Ara, de 7 anos de idade, que tem Transtorno do Espectro Autista (TEA).