1. ArchDaily
  2. Nacho Marti

Nacho Marti: O mais recente de arquitetura e notícia

Arquitetura Flutuante na Amazônia: Folies Tropicales

Cortesia de Architectural Association Visiting School Amazon Cortesia de Architectural Association Visiting School Amazon Cortesia de Architectural Association Visiting School Amazon Cortesia de Architectural Association Visiting School Amazon + 22

Flutuar é uma das formas de viver e se locomover mais antigas da humanidade. Esta prática ancestral hoje em dia é de grande interesse devido às mais frequentes inundações devidas ao Câmbio Climático.

Os povos ribeirinhos da floresta Amazônica flutuam há séculos com diferentes estratégias. Estudando as soluções arquitetônicas das comunidades locais e com o uso de tecnologia de materiais contemporâneos, os co-diretores da Architectural Association Visiting School Amazon o arquiteto Marko Brajovic e designer Nacho Martí organizaram um workshop internacional para experimentar com o tema da arquitetura flutuante.

"Resilience and Adaptation Workshop" Architectural Association Visiting School Amazon 2018

Após o sucesso do workshop realizado no 2017 onde os estudantes conceberam o Amazon Climate Change Learning Center - um dos 15 projetos finalistas selecionados entre 384 propostas no Climate Change Chalenge do WDCD - a edição do workshop da AA Visiting School Amazon desse ano é justamente: mão na massa!

O obetivo é projetar e construir um pequeno protótipo de um arquitetura flutuante experimental no meio do lago Mamori na Amazônia. Um modelo que será construído com a colaboração da comunidade local, parceria com a Ecofloat e com a direção dos professores da AA Visiting School Amazon: Nacho Martí e Marko Brajovic.

Precisamos pensar em arquiteturas flutuantes?

Muito se fala sobre os avanços arquitetônicos nos quesitos social, político, técnico-construtivo e ambiental. Contudo, nos mais variados discursos e ocasiões, a estaticidade sempre assumida pela Arquitetura ainda é pouco comentada. Quando falamos sobre o tema imediatamente imaginamos “corpos” pesados e estáticos. A humanidade historicamente desenvolveu-se trabalhando em conjunto com a natureza, através da observação, adaptação e o respeito a ela. E esse fator é mais latente quando pensamos na água, que cobre aproximadamente 71 por cento da superfície do planeta. 

Com mais da metade da área do planeta recoberta por corpos hídricos e milhares de pessoas vivendo em suas proximidades ou zonas afetadas por catástrofes ambientais, pensar sistemas capazes a adaptar-se, por meio de arquiteturas flutuantes, pode ser imprescindível para o futuro no campo da arquitetura.

O que o arquiteto pode aprender com a natureza para enfrentar os desafios do futuro?

© Mert Kilcioglu and Cenk Gencer. ImageProjeto realizado por Mert Kilcioglu e Cenk Gencer durante AA VISITING SCHOOL AMAZONAS
© Mert Kilcioglu and Cenk Gencer. ImageProjeto realizado por Mert Kilcioglu e Cenk Gencer durante AA VISITING SCHOOL AMAZONAS

A partir de 25 de agosto, a floresta amazônica mais uma vez será anfitriã de um workshop de Arquitetura Flutuante liderado por especialistas em biomimética e ex-alunos do WDCD, Marko Brajovic e Nacho Marti, professor da AA. Desta vez, o curso também estabeleceu um objetivo novo e emocionante: gerar ideias para o WDCD Climate Action Challenge.

Inscrições abertas para o curso de "Arquitetura Flutuante" no Amazonas, realizado pelo AA Visiting School Amazonas

A pesquisa mostra que os níveis do oceano estão aumentando devido ao aquecimento global. As consequências disso colocarão centenas de cidades em risco de serem inundadas. Da mesma forma, os níveis de água no lago Mamori variam muito entre a estação seca e a estação chuvosa, quando o rio pode subir até 14 metros inundando a floresta e alterando a fisionomia da terra. Atualmente, as casas locais são construídas em palafitas para lidar com as variações das marés, mas nos últimos anos, isso nem sempre foi suficiente para evitar a devastação causada pelo rio.