Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Geoff Manaugh

Geoff Manaugh: O mais recente de arquitetura e notícia

Impressão 3D e biomimética: Como a natureza influenciará o ambiente construído do futuro

A biomimética está rapidamente emergindo como uma das próximas fronteiras arquitetônicas. Novos processos de fabricação como as impressões 3D, somados à tendência de conceber edifícios ambientalmente mais sustentáveis, originou uma onda de projetos que derivam de fenômenos naturais ou, até mesmo, que são construídos com matéria biológica. Um recente exemplo desta tendência é a instalação “Hy-Fi,”, projeto concebido para o MoMA PS1 desse ano e construído com tijolos orgânicos. Outros projetos como o Silk Pavilion do MIT Media Lab levam a inovação biológica ainda mais longe ao empregar processos biométricos de construção - cerca de 6.500 "bichos da seda" teceram a membrana do Silk Pavilion. "Animal Printheads" (algo como "cabeçotes animais") como Geoff Manaugh os chama em seu artigo "Architecture-By-Bee and Other Animal Printheads", já provaram ser uma parte viável dos processos de fabricação na arte - e, talvez no futuro, também do ambiente construído. Mas o que acontece quando humanos modificam animais para que "imprimam" outros materiais?

Hy-Fi, projeto vencedor do 2014 Young Architects Program. The Museum of Modern Art and MoMAPS1. Imagem © The Living Silk Pavilion do MIT Media Lab. Imagem © Steven Keating Bicho da seda tecendo o  Silk Pavilion do MIT Media Lab. Imagem © Steven Keating © John Becker + 10

"Ciphers", por Christoph Gielen: Vistas aéreas do espraiamento das cidades americanas

Do editor. As vistas aéreas de Christoph Gielen oferecem um olhar sobre as formas mais aberrantes e incomuns de espraiamento urbano na América de um modo que normalmente não conseguimos vê-las: de cima - uma vantagem que revela tanto a geometria intrincada como o fascínio idiossincrático destas evoluções. Aqui, deparar-nos com o espraiamento se torna uma experiência estética que ao mesmo tempo nos deixa com uma sensação de agouro, de estarmos vendo a "escrita numa parede". Fascinante e ao mesmo tempo profundamente inquietante, estas fotografias detalham as potenciais ramificações de uma urbanização descontrolada. Quando estes assentamentos foram construídos, nem a distância até o trabalho nem o preço da gasolina interessavam muito na escolha dos locais das novas construções. Estes lugares são relíquas de uma era que foi inteiramente definida pela crença no crescimento ilimitado, no "maior é melhor". A alarmante extensão destas práticas, e seus inerentes desperdícios, são trazidos à luz nas fotografias de Gielen - como se olhássemos para um microcosmo de insustentabilidade através de uma lupa gigante.

Ensaios de Johann Frederik Hartle, Galina Tachieva, Srdjan Jovanic Weiss, Susannah Sayler e Edward Morri ajudam a contextualizar a obra de Gielen, focando em diversos aspectos, como estética, mudança climática e futurologia. Eles também examinam o porquê olhar estas fotografias de perto é particularmente crucial neste momento, quando vivemos uma nova onde de construções em países em desenvolvimento como a China.