Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Editorial

Editorial: O mais recente de arquitetura e notícia

O futuro da arquitetura: serviço de luxo?

Este artigo foi originalmente publicado pela Common Edge como "Na Era da Inteligência Artificial, a Arquitetura se tornará Artesanal?"

Como comida e roupa, os edifícios são essenciais. Toda edificação, mesmo a mais rudimentar, precisa de um projeto para ser construído. A arquitetura é tão central para a construção quanto a agricultura é para a alimentação, e nesta época de rápido avanço nas mudanças tecnológicas, a agricultura pode nos oferecer lições valiosas.

De acordo com o último censo, havia 233.000 arquitetos nos Estados Unidos; e os 113.000 que estão atualmente licenciados representam um aumento de 3% em relação ao ano passado. Além disso, há um número recorde de arquitetos que se qualificam para o licenciamento: mais de 5.000 este ano, quase o mesmo número de graduados com títulos profissionais. Existe agora 1-arquiteto-para-cada-2.900 pessoas nos EUA. Uma colheita abundante, certo?

Como é ser um arquiteto que não projeta edifícios?

Há uma série de velhos conselhos que as pessoas costumam dar para aqueles que um dia revelaram o desejo de estudar arquitetura: um curso extenso e exaustivo, noites em claro e um restrito mercado de trabalho extremamente concorrido. Depois da graduação, quando finalmente começa-se a trabalhar, as coisas não costumam ser menos difíceis, muito pelo contrário. Geralmente, arquitetos e arquitetas passam meses ou até mesmo anos desenvolvendo estudos e mais estudos antes de ter qualquer projeto construído. Se existem alguém no mundo que conhece bem o significado da palavra resiliência, existe uma grande chance de que esta pessoa seja um(a) arquiteto(a).

É por isso que muitos dos nossos colegas estão encontrando outros caminhos na profissão. Horários flexíveis, trabalhos mais interessantes ou apenas a possibilidade de sair da frente da tela de um computador. Oportunidades não faltam para aqueles que desenvolveram habilidades tão variadas e abrangentes durante os anos de estudo. Arquitetos costumam desenvolver uma ampla sensibilidade espacial e são capazes de compreender rapidamente o contexto sócio-cultural dos lugares. Neste ensaio, três dos nossos editores do ArchDaily falam sobre o que significa ser um arquiteto, por que deixaram de projetar edifícios e o que eles fazem em seus trabalhos atualmente.

Como a arquitetura reflete a história de conflitos da Irlanda do Norte

A arquitetura está muitas vezes entrelaçada ao contexto político. Esta conexão profunda é especialmente evidente na Irlanda do Norte, um lugar de história política muito complexa. O Estado surgiu como consequência da guerra em 1921, quando a Irlanda foi dividida em Estado Livre Irlandês Independente (agora a República da Irlanda) e Irlanda do Norte, uma região industrial ainda controlada pela Grã-Bretanha. Desde então, houve conflitos na Irlanda do Norte entre uma população majoritária pró-britânica unionista e uma minoria, embora significativa, comunidade nacionalista irlandesa. A segunda metade do século XX testemunhou uma luta brutal, com mais de três mil pessoas mortas, milhares feridas e imagens angustiantes espalhadas pelo mundo.

A turbulência do conflito da Irlanda do Norte se desenrola no desenvolvimento arquitetônico de Belfast, sua capital. Com trinta anos de guerra entre os anos 1960 e 1990, a arquitetura de Belfast encarnou uma atmosfera de cidade sitiada. Quando surgiu a perspectiva de paz, na década de 1990, nasceu uma arquitetura de esperança, confiança e desafio. Nos dias de hoje, com a Irlanda do Norte firme em um caminho pacífico, Belfast tem sido palco de uma série de propostas arquitetônicas e edifícios públicos de referência projetados por renomados arquitetos. Com a história rica, amarga e emotiva da Irlanda do Norte vista através de múltiplos prismas, muitas vezes conflitantes, o desenvolvimento arquitetônico de Belfast oferece uma narrativa tangível de uma cidade que queimou, ardeu e renasceu das cinzas.

Conseqüências do bombardeio da taverna de Mountainview em 1975, em Belfast © User: Tdv123 / Wikimedia Commons / CC BY-SA-4.0 O Titanic Center, Belfast © Flickr user placeni. Sob licença CC BY-NC-ND 2.0) O Lyric Theatre por O'Donnell & Tuomey Architects © Dennis Gilbert O Centro de Visitantes Giant's Causeway por Heneghan & Peng © Hufton+Crow + 20

Editorial: ArchDaily Brasil: 3 anos

Hoje completamos 3 anos de ArchDaily Brasil, e para nós é um orgulho ser uma das páginas de arquitetura em língua portuguesa de maior influencia na atualidade.

Diariamente nossa equipe de arquitetos, (sim, somos colegas!), e colaboradores, trabalham arduamente e com muita disposição para cumprir com nossa missão de entregar a melhor e a mais completa informação sobre a arquitetura mundial para nossos estimados leitores. E acreditem, o fazemos com o maior prazer.

São aproximadamente dez publicações diárias entre: projetos, notícias, concursos, artigos, clássicos e eventos. Mensalmente, são quase 5 milhões de páginas vistas e mais de 600 mil visitas, números impressionantes considerando o pouco tempo que estamos no ar em português.

Estamos sempre implementando novidades como o mais recente: Meu ArchDaily, a biblioteca personalizada que cada usuário pode criar com todas suas publicações preferidas. E realizamos todos os meses novas parcerias com eventos que consideramos importantes, editoriais, blogs ou entidades. Não paramos. E vamos crescer cada vez mais.

É uma imensa honra e uma tremenda responsabilidade o nosso trabalho, mas é sempre compensado pelo carinho e pelos elogios que recebemos de nossos leitores e isso é extremamente gratificante. O único que podemos dizer hoje é: Muito obrigado! 

Somos muitos e estamos em diferentes países, trabalhando em conjunto com nossas páginas irmãs: ArchDaily, Plataforma Arquitectura e Plataforma Urbana. E sim, nos divertimos muito, porque somos apaixonados pelo que fazemos! Recebemos com freqüência correios perguntando quem somos, onde estamos e o que faz cada um de nós, e hoje para celebrar nosso terceiro aniversário, decidimos não somente apresentar nossa equipe de editores, mas entrevistá-los, veja a seguir:

Editorial: Questões de Tradução

Talvez o momento em que eu tenha percebido quão ruim são todas as traduções (todas) tenha sido quando por algum motivo me propus a fazer uma nova tradução de um capítulo d’O Pequeno Príncipe’, escrito pelo aviador Antoine de Saint-Exupéry e publicado em 1943. O tradutor da primeira tradução ao português de ‘Le Petit Prince’, de 1954, foi o monge Dom Marcos Barbosa. A famosa frase que todos conhecemos “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.” é originalmente “Tu deviens responsable pour toujours de ce que tu as apprivoisé.”.

Projetos Humanitários de Shigeru Ban

Cardboard Cathedral. Image © Stephen Goodenough
Cardboard Cathedral. Image © Stephen Goodenough

O premiado pelo Pritzker, Shigeru Ban, é conhecido pelo seu uso inovador de materiais assim como pela sua abordagem compassiva em seus projetos. Por um pouco mais de três décadas, Ban, fundador da Voluntary Architects Network, também aplicou seu extenso conhecimento em materiais recicláveis, principalmente papel e papelão, para construções de alta qualidade, abrigos de baixo custo para vítimas de desastres em todo o mundo – Ruanda, Haiti, Turquia e Japão, são alguns dos países que receberam seus projetos. Nós agrupamos imagens deste trabalho humanitário de Ban. Inspire-se após o intervalo.

Paper Log House India. Image © Kartikeya Shodhan Hualin Temporary Elementary School. Image © Li Jun Onagawa Container Temporary Housing. Image © Hiroyuki Hirai Cardboard Cathedral. Image © Stephen Goodenough + 26

Practice 2.0: 10 Anos de Smart Geometry

Por: Daniel Davis & David Fano do CASE

Este ano marca o décimo aniversário da Smartgeometry. Para arquitetos, esta foi uma década de inovações constantes e pouca estagnação. Neste artigo revemos o sucesso da Smartgeometry e nos perguntamos por que a indústria da construção não está acompanhando a tecnologia.

Os incentivadores originais da Smartgeometry - Lars Hesselgren, J Parrish, e Hugh Whitehead – trabalharam juntos no YRM (agora parte do RMJM) no final da década de 80. Juntos ajudaram a introduzir a modelagem paramétrica e a geometria associativa no campo da arquitetura, e testemunharam como análises estruturais de três dimensões em estágio inicial e detecção de conflitos em estágio avançado podem mudar o nossa forma de trabalhar. Ainda em 2003, perguntaram-se desiludidos: "Por que mesmo depois de dez anos ainda não podemos sequer nos aproximar da capacidade que tínhamos então?" [1]. Em outras palavras, por que a indústria da construção falha em manter o passo, ou pior, fica para trás. Foi uma questão que inspirou a primeira conferência da Smartgeometry, e é uma questão que ainda ecoa uma década depois.

ArchDaily Brasil na Bienal de Veneza 2012

Batman & Arquitetura: O Cavaleiro das Trevas Ressurge