Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Brussels

Brussels: O mais recente de arquitetura e notícia

Brutopia / stekke + fraas

17:00 - 9 Novembro, 2015
Brutopia  / stekke + fraas, © Tim Van de Velde
© Tim Van de Velde

© Tim Van de Velde © Tim Van de Velde © Tim Van de Velde © Tim Van de Velde + 37

Rem Koolhaas pergunta: As cidades inteligentes estão condenadas à estupidez?

15:00 - 30 Dezembro, 2014
Rem Koolhaas pergunta: As cidades inteligentes estão condenadas à estupidez?, O conceito de Cidade Inteligente está ligado a cidades altamente “habitáveis” como Vancouver, substituindo cidades mais reconhecíveis em nossa consciência coletiva. Cortesia de SFU
O conceito de Cidade Inteligente está ligado a cidades altamente “habitáveis” como Vancouver, substituindo cidades mais reconhecíveis em nossa consciência coletiva. Cortesia de SFU

Originalmente publicado pela Comissão Europeia como parte da série "Digital Minds for a New Europe", esse artigo é uma transcrição editada de uma palestra proferida por Rem Koolhaas no encontro High Level Group sobre cidades inteligentes [Smart Cities] em Bruxelas no dia 24 de setembro de 2014.

Eu tive uma sensação de vazio enquanto ouvia as palestras dessas proeminentes figuras do campo das cidades inteligentes porque a cidade costumava ser o campo do arquiteto, e agora, francamente, eles fizeram dela seu domínio. Essa transferência de autoridade foi alcançada de um modo esperto ao chama-las cidades inteligentes - e ao chama-las de inteligentes, nossas cidades estão condenadas a serem estúpidas. Aqui estão algumas reflexões sobre a cidade inteligente, algumas das quais são críticas; mas ao cabo, está claro que aqueles na esfera digital e os arquitetos terão que trabalhar juntos.

Clássicos da Arquitetura: Pavilhão de Bruxelas 1958 / Sérgio Bernardes

18:00 - 11 Junho, 2014
Clássicos da Arquitetura: Pavilhão de Bruxelas 1958 / Sérgio Bernardes, via Bernardes Arquitetura
via Bernardes Arquitetura

Por Ana Luiza Nobre

Em Bruxelas, o terreno disponível tinha configuração irregular e cerca de 2500 m2. Tratava-se de um lote de declive bastante acentuado, em posição francamente desfavorável e marginal dentro do setor internacional da área da exposição (um parque de 200 hectares, a 7 km do centro de Bruxelas, que já havia sediado uma exposição internacional em 1935). O Pavilhão do Brasil tinha como seus vizinhos mais próximos os pavilhões do México, da França e da Inglaterra. Prevendo que o público, ao chegar ali, já estivesse exausto, Bernardes resolveu “desenrolar um tapete vermelho de concreto”[1]. O espaço para exposições foi definido então basicamente por uma rampa que se desenvolve sem interrupções em torno de um jardim central – projetado por Roberto Burle Marx – até chegar ao nível inferior, onde estão localizados o bar e o cinema. Com esta rampa de inclinação suave, recupera-se assim um elemento largamente utilizado em pavilhões expositivos, que Lucio Costa e Oscar Niemeyer já haviam explorado no Pavilhão do Brasil na Exposição Mundial de Nova York em 1938. Mas ao inverter o sentido da rampa, conduzindo a um movimento em princípio descendente, o projeto de Sergio Bernardes remete antes à solução mais incomum usada pouco antes pelos irmãos Roberto no edifício Marquês do Herval, no centro do Rio de Janeiro (1952).

Jaax / Atelier Pierre Hebbelinck

23:00 - 1 Julho, 2013
Jaax / Atelier Pierre Hebbelinck, © Marie-Françoise Plissart
© Marie-Françoise Plissart

© Marie-Françoise Plissart © Marie-Françoise Plissart © Marie-Françoise Plissart © Marie-Françoise Plissart + 38

Clássicos da Arquitetura: Pavilhão Philips Expo 58 / Le Corbusier e Iannis Xenakis

14:37 - 28 Abril, 2013
Clássicos da Arquitetura: Pavilhão Philips Expo 58 / Le Corbusier e Iannis Xenakis, © <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/'>Wikimedia</a> commons / wouter hagens
© Wikimedia commons / wouter hagens

O edifício ergue-se como uma tenda. Três pontas criam as formas hiperbólicas vindas de uma simples equação matemática. Uma fina casca composta por painéis de concreto pendurados por cabos de aço compõe o revestimento da estrutura, criando uma textura que enfatiza o movimento das formas com as diferentes direções em cada plano.