1. ArchDaily
  2. Bruder Klaus Field Chapel

Bruder Klaus Field Chapel: O mais recente de arquitetura e notícia

Luz e cor: enriquecendo a arquitetura com vitrais

Predominantemente associado a locais de culto, o vitral tem sido usado por artesãos em todo o mundo há milhares de anos em uma série de empreendimentos e instalações artísticas. Intensificando a arquitetura com cores vivas, o processo do vitral remete a uma ação particular em que o vidro é colorido através de óxidos metálicos durante sua fabricação, usando diferentes aditivos para criar uma gama de matizes e tons.

No quesito de aprimoramento arquitetônico, os vitrais são frequentemente reunidos para produzir representações de arte decorativa, permitindo que a luz filtre e penetre em uma estrutura ou edifício específico. Como componente, é ao mesmo tempo, decorativo e funcional, uma vez que permite a entrada de uma quantidade substancial de luz em um espaço, para efeito atmosférico e benéfico. 

Luz e cor: enriquecendo a arquitetura com vitraisLuz e cor: enriquecendo a arquitetura com vitraisLuz e cor: enriquecendo a arquitetura com vitraisLuz e cor: enriquecendo a arquitetura com vitrais+ 14

O brutalismo na arquitetura religiosa, pelas lentes de Stefano Perego

O brutalismo na arquitetura religiosa, pelas lentes de Stefano PeregoO brutalismo na arquitetura religiosa, pelas lentes de Stefano PeregoO brutalismo na arquitetura religiosa, pelas lentes de Stefano PeregoO brutalismo na arquitetura religiosa, pelas lentes de Stefano Perego+ 22

Carregada de grande carga simbólica, a arquitetura religiosa é conhecida tanta pela monumentalidade de seus edifício quanto pela riqueza de seus espaços interiores. Escala, materialidade e luz são alguns dos principais elementos utilizados por arquitetos e projetistas quando se trata de manipular e criar espaços de contemplação e prece, características espaciais capazes de conduzir os fiéis à uma experiência sagrada através do espaço.

Capela de Campo Bruder Klaus de Peter Zumthor pelas lentes de Aldo Amoretti

© Aldo Amoretti, Cortesia de Atelier Peter Zumthor and Partner
© Aldo Amoretti, Cortesia de Atelier Peter Zumthor and Partner

A Capela de Campo Bruder Klaus de Peter Zumthor, concluída em 2007, é conhecida por seu respeito pelos materiais empregados na construção daquele espaço sensível. O interior da capela é uma cavidade negra criada pela queima de 112 troncos de árvores usados na fôrma do concreto. Vinte e quatro camadas de concreto foram despejadas em uma fôrma cuja parte interna era formada pelos troncos arranjados de modo a criar uma forma cônica, contrastando com a parte externa angular que definiu as fachadas da capela. Após a remoção da fôrma, muitos pequenos orifícios foram deixados nas paredes, criando um efeito que lembra uma noite estrelada. O "belo silêncio" da capela e inegável conexão com a paisagem onde se encontra faz dela um destino para muitos turistas.

Nesta série fotográfica, Aldo Amoretti registra a dramática relação entre a arquitetura e seu entorno natural. Apesar de suas superfícies de concreto e duras arestas, a capela não se impõe na paisagem. Em vez disso, as imagens mostram uma manifestação visual das palavras de Zumthor: uma arquitetura com "compostura, auto-evidência, durabilidade, presença e integridade, além de calor e sensualidade."

Capela de Campo Bruder Klaus de Peter Zumthor pelas lentes de Aldo AmorettiCapela de Campo Bruder Klaus de Peter Zumthor pelas lentes de Aldo AmorettiCapela de Campo Bruder Klaus de Peter Zumthor pelas lentes de Aldo AmorettiCapela de Campo Bruder Klaus de Peter Zumthor pelas lentes de Aldo Amoretti+ 13

Capela de Campo Bruder Klaus / Peter Zumthor