1. ArchDaily
  2. Arquitetura E Sociedade

Arquitetura E Sociedade: O mais recente de arquitetura e notícia

Fungiverso. Viagem às bioarquiteturas do futuro

A releitura geral da obra confirmou essa teoria. Em todas as ficções, cada vez que um homem enfrenta-se com diversas alternativas opta por uma e elimina as outras; na quase o indissolúvel Ts'ui Pên, opta -simultaneamente- por todas. Cria, assim, vários futuros, diversos tempos, que também proliferam e se bifurcam. Daí as contradições do romance.

                                                   J. L. Borges, El jardín de los senderos que se bifurcan

FUNGIVERSO [1] é uma proposta conceitual que especula sobre as possíveis relações futuras entre a biotecnologia e seu contexto cultural, a partir da correlação entre método construtivo e formas de habitar. A trama desenrola-se em cinco cenários, cinco mundos que, descritos por um misterioso visitante através de postais e detalhes construtivos, divergem simultaneamente.

5 passos para melhorar seu portfólio de projetos

Neste artigo, originalmente publicado como "O que é um portfólio de projetos e como se faz?" no blog Enlace Arquitectura, a autora compartilha uma série de sugestões e passos para realizar um portfólio de projetos adequado e conveniente para a busca de trabalho; a base destas recomendações é compreender corretamente o que é e o que contém um portfólio de apresentação, assim como potencializar ao máximo a criatividade na representação e execução de projetos arquitetônicos para sua inclusão em um portfólio.

Viver sem cozinha, segundo Anna Puigjaner: Sua casa não precisa ser para a vida toda

A arquiteta Anna Puigjaner imagina um futuro no qual a moradia se adapte as necessidades dos seus habitantes. E isso, às vezes, faz com que não seja necessário projetar uma cozinha, por exemplo. Seu projeto Kitchenless recebeu o Prêmio Wheelwright da Universidade de Harvard, com a doação de 100 mil dólares para pesquisar os modelos de casas coletivas existentes em todo o mundo.

Em um bonito local de Gracia (Barcelona), que funciona mais como co-working do que como estúdio de arquitetura convencional, trabalham os sócios de MAIO, o escritório de Puigjaner, junto com profissionais de outras disciplinas. A equipe de MAIO apostou neste local em 2011, em plena crise, assim que, para sustentá-lo, decidiram abrir o espaço para outros trabalhadores. Em 2016 eles até poderiam se manter sozinhos, mas não existe nenhuma razão que lhes motive a fazê-lo. Este fato poderia resumir sua filosofia e seguramente é uma das razões pelas quais Puigjaner ganhou o Wheelwright, um prêmio particular dentro dos ganhadores de arquitetura, já que não se centra em uma obra ou uma pesquisa, mas sim, na coerência entre ambas, trajetória e ideias.

Do seu estúdio, ela responde a esta entrevista sobre as mudanças no futuro da moradia: você viveria em uma casa sem cozinha?

Como se tornar mais visível na internet? 6 dicas de como se posicionar em mecanismos de busca

Neste artigo publicado originalmente no Blog de Arquitetura Fundação Arquia, sua autora Amparo Martínez da alguns conselhos para tornar mais visível sua página na web utilizando estratégias de SEO: "Search Engine Optimization". Realizando alterações na estrutura e informação de sua página web, é possível melhorar sua visibilidade através do posicionamento nos resultados encontrados em sites de busca como Google. A seguir, 6 conselhos que deveriam ser seguidos para você não ficar perdido no mar de informações que é a internet.

A Arquitetura precisa reconhecer, além do papel social, os debates sobre Raça e Gênero / Stephanie Ribeiro

Resolvi fazer arquitetura de forma bem inocente depois de ter feito vários testes vocacionais que encontrei no Google. Quando descobri ser um dos cursos mais concorridos nas universidades públicas brasileiras, pensei em desistir. Mas já estava fisgada pela história da arquitetura e seu papel social.

Entretanto, nada é perfeito. Arquitetura e Urbanismo é um dos cursos mais elitizados nas mais renomadas universidades brasileiras e isso reflete também para fora das salas de aula. O arquiteto passou a servir aos mais ricos, deixando de lado as necessidades urbanas e os mais pobres.