1. ArchDaily
  2. Arch Out Loud

Arch Out Loud: O mais recente de arquitetura e notícia

O que faz de uma casa um lar – e o que isso significa?

Uma casa, ou lar, é talvez a tipologia arquitetônica mais importante de nossas vidas. Como um lugar de intimidade e segurança, nossa casa é um mundo à parte e um espaço de pausa, descanso e relaxamento. Historicamente, nossos lares também são geridos por uma rotina, seja pela horários que desempenhamos nossas tarefas corriqueiras ou ainda na maneira como utilizamos os cômodos da casa para realizar estas atividades. É um hábito dormir sempre no mesmo quarto e passar a maior parte do tempo na sala de estar assim como o lugar de preparar a comida é a cozinha e de comer a sala de jantar.

Ideias vencedoras para o reuso de um antigo aterro sanitário em Lagos

A iniciativa de pesquisa em arquitetura “arch out loud” anunciou os vencedores de seu concurso “Waste: Multi-Purpose Stadium” competition, pedindo aos participantes que especulassem sobre o projeto de um estádio multiuso no antigo aterro Olusosun em Lagos, Nigéria.

O concurso foi organizado em resposta ao fato de que o mundo cria mais de um bilhão de toneladas de lixo por ano, a maioria das quais é incinerada, enterrada e explorada em aterros sanitários. À medida que as populações e as grandes cidades se expandem, também deve haver a nossa “capacidade de reverter tendências de desperdício e começar a viver de forma mais eficiente e sustentável”.

Conheça os vencedores do concurso "Home: What is the Future?"

'

Como as mudanças nas circunstâncias globais dão origem a um novo projeto e tendências habitacionais, a definição tradicional da casa como um lugar privado de permanência e estabilidade foi alterada para acomodar essas transições. Os participantes foram convidados a considerar essas mudanças, como o impacto das mudanças populacionais, a imprevisibilidade da mudança do ecossistema, as formas contemporâneas de moradia comunitária e relações com a comunidade, e materiais recém-criados.

Prêmio de Adaptabilidade: "The Not-For-Long Home" by Stav Dror and Liran Messer, Bezalel Academy of Arts & Design. Image Courtesy of arch out loudPrêmio Pragmático: "Urbanism of Stuff" by Jacob Comerci, Princeton University School of Architecture . Image Courtesy of arch out loudPrêmio de Inovação: "Above the Tire" by  Dazhong Yi, University of Pennsylvania. Image Courtesy of arch out loudPrêmio Geral: "HAPPI: Integrated Apparatus" by Massimilian Orzi, Studio Orzi. Image Courtesy of arch out loud+ 5

Projetando o espaço da morte: a arquitetura de cemitérios

Cortesia de VERO Visual. ImageHofmanDujardin
Cortesia de VERO Visual. ImageHofmanDujardin

Embora os cemitérios tenham servido por muito tempo como um lugar no qual podemos honrar e recordar nossos entes queridos, eles historicamente também atuaram como epicentros da arte, arquitetura e paisagismo. No final do século XIX, os cemitérios evoluíram a partir de espaços urbanos superlotados e insalubres, para centros sociais e semelhantes a parques. Nas cidades carentes de parques públicos, os cemitérios tornaram-se destinos populares para piqueniques, lazer e outras reuniões familiares.

Estudantes brasileiras recebem menção honrosa em concurso internacional com proposta de empoderamento feminino

O resultado do concurso "Human Trafficking - Tenancingo Square Mediascape" foi promovido pela plataforma online internacional "arch out loud" foi divulgado recentemente. O objeto era uma importante praça em Tenancingo, México, cidade que sofre muito com o tráfigo humano e, principalmente, de mulheres. A equipe, composta por Djuly Duarte Valdo, Letícia Sitta, Marina Nallin Violin, Raissa Gattera e Thais de Freitas, da PUC-Campinas, recebeu a menção honrosa com a proposta “Giving light to the problem. Provide voice to the unseen”.

Conheça o projeto e o memorial a seguir:

Anunciados os vencedores do concurso para Cemitério Vertical em Tóquio

O instituto de pesquisa arquitetônica arch out loud anunciou os vencedores do concurso internacional e aberto para um Cemitério Vertical em Tóquio, que buscava soluções para a crescente questão dos sepultamentos na cidade de Tóquio.

Sediado no distrito de Shinjuku, em Tóquio, o concurso desafiou arquitetos e designers a desenvolverem propostas para um cemitério vertical que explorasse a relação entre a vida e a morte na cidade, levando em conta a identidade cultural que está ligada à morte.

Das 460 propostas que representam 54 países e seis continentes, um vencedor e três finalistas foram selecionados por um júri, que incluiu David Adjaye, Tom Wiscombe, Alison Killing e outros mais.

Os vencedores do concurso foram: