1. ArchDaily
  2. 11 De Setembro

11 De Setembro: O mais recente de arquitetura e notícia

Como o terrorismo tem moldado os espaços públicos

Há dezessete anos o mundo assistia a um dos maiores e mais trágicos eventos da história:o “ataque de 11 de Setembro de 2001”, deixando aproximadamente 3 mil mortos e mais de 6 mil feridos. Outros diversos ataques já haviam ocorrido e continuam acontecendo em diversas cidades pelo mundo. Por tratarem-se de eventos surpresa e pulverizados no território, mas que geralmente ocorrem em espaços públicos com multidões, ações diversas tem sido realizadas para impedir os ataques, isso tem desafiado potências e organizações centradas em estratégias de segurança.

Calatrava e o centro de transportes mais caro do mundo

WTC © Joe Woolhead
WTC © Joe Woolhead

O World Trade Center Complex em Manhattan progride lentamente mais de uma década após o 11 de setembro. O Memorial foi revelado no aniversário de 10 anos da data, enquanto a Freedom Tower caminha para a conclusão, exibindo orgulhosamente sua antena que foi erguida há apenas algumas semanas atrás. O lugar é - e ainda será por muitos anos - um confuso amontoado de equipamentos de construção, andaimes e guindastes trabalhando ativamente em vários elementos da reconstrução do WTC. Ainda que esteja avançando, o custo da construção está aumentando desenfreadamente.

De acordo com um artigo no The Observer, a área agora possui um dos edifícios de escritórios mais caros do mundo - Freedom Tower - e um dos estacionamentos mais caros da história - Vehicle Security Center. E para acrescentar à esta grandiosa demonstração de perseverança de Nova York, o Transit Hub de Santiago Calatrava - estação que conecta a cidade à Nova Jersey - se tornou um ponto extremamente polêmico de discórdia devido ao seu absurdo orçamento, cerca de US$ 3,47 bilhões, ainda há dois anos de sua conclusão. Este pode ser um dos centros de transporte mais caros do mundo, considerando que sua capacidade de passageiros não justifica o gasto, apesar da excelente localização.

Mais a seguir.