"As fachadas de edifícios tradicionais são atraentes, as contemporâneas, não": entrevista com Nikos Salingaros

"As fachadas de edifícios tradicionais são atraentes, as contemporâneas, não": entrevista com Nikos Salingaros

A entrevista a seguir com Nikos Salingaros, realizada por Irina Bembel, é um trecho da publicada originalmente em russo pela Kapitel Magazine, em 27 de julho deste ano.

Nikos Salingaros é um notável teórico da arquitetura e do planejamento urbano, um especialista reconhecido em física matemática e colaborador de longa data de Christopher Alexander (autor de “A Pattern Language” e muitas outras obras conhecidas). Dois livros de Salingaros foram recentemente traduzidos para o russo: “Anti-architecture and Deconstruction” e “Algorithmic Sustainable Design: 12 Lectures on Architecture”.

Sua atitude fortemente negativa em relação à arquitetura moderna não é apenas uma crítica emocional, mas uma posição consistente baseada nas conquistas científicas da física, matemática, psicologia, percepção visual, bem como teoria e prática arquitetônica. Além disso, Salingaros estabelece um vínculo entre arquitetura e religião, que sumiu das vistas de arquitetos e teóricos do século XX.

Irina é Ph.D. em história da arte, editora-chefe da revista "Kapitel" (São Petersburgo, Rússia), pesquisadora sênior do Instituto de Pesquisa Científica de Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo, filial do Instituto Central de Pesquisa e Design do Ministério da Construção e Habitação e Serviços Comunais da Federação Russa (NIITIAG).

© Nikos Salíngaros
© Nikos Salíngaros

Irina Bembel (IB): Em sua reportagem em vídeo para a conferência em São Petersburgo, você mencionou a introdução de uma nova ferramenta revolucionária para avaliar o impacto antropogênico da arquitetura. Como funciona?

Nikos Salíngaros (NS): O software de simulação de rastreamento ocular usa um programa de computador para prever em que direção o olho fará a varredura de uma imagem durante os primeiros segundos de visualização. O pioneiro de tais desenvolvimentos foi o cientista russo Alfred Lukyanovich Yarbus nas décadas de 1950 e 1960. Hoje podemos simplesmente usar uma imagem e um software da empresa 3M. Um artigo recente escrito com Ann Sussman explica o método.

Múltiplas simetrias na fachada tradicional do edifício atraem a atenção, portanto, os primeiros segundos de visualização permanecem dentro do contorno do edifício (indicado pelas manchas laranjas). A fachada contemporânea, por outro lado, repele o olhar, de modo que a visão fica a maior parte do tempo em ambos os lados fora do contorno do edifício. As pessoas inconscientemente se recusam a olhar para tal edifício porque ele se choca com o aparelho neurológico dos mamíferos. Isso é uma consequência da “inovação” equivocada do design, que se desenvolve em uma direção desumana e não natural. Esta simples ferramenta de diagnóstico desacredita a “teoria arquitetônica” ensinada em nossas escolas, que é incapaz de explicar e prever como os humanos reagem às formas e superfícies.

© Nikos Salíngaros
© Nikos Salíngaros

IB: Quando e como você conheceu Christopher Alexander?

NS: Descobri os livros de Alexander “Notes on the Synthesis of Form” e “A Pattern Language” (Uma Linguagem de Padrões) imediatamente quando o livro foi lançado. Muito impressionado com a compreensão de Alexander sobre arquitetura, liguei para sua casa quando visitei um de meus alunos de matemática em Berkeley, Califórnia. Alexander teve a amabilidade de me convidar para um café na manhã seguinte. Tivemos uma longa conversa e concordamos em começar a colaborar. Ajudei-o a editar o livro de quatro volumes “The Nature of Order”, que ele havia acabado de começar a escrever como rascunho. Essa colaboração demorou mais de 20 anos.

© Nikos Salíngaros
© Nikos Salíngaros

IB: Alexander escreve que os padrões não são sua invenção, que têm sido usados por séculos em todos os assentamentos tradicionais. Ele escreve sobre princípios, não sobre arte e construção de belos edifícios. Isso é decepcionante para alguns, especialmente porque os exemplos de arquitetura baseada em padrões que você fornece — favelas da América do Sul — não reivindicam mérito artístico. Isso é autoconstrução para os pobres. Alguns arquitetos, por outro lado, acreditam que os padrões os privam de sua liberdade criativa. Mas os padrões têm uma tarefa completamente diferente, certo?

NS: A arquitetura útil ao homem requer princípios adaptativos que governam as dimensões e os espaços. Um conjunto de princípios úteis consiste nos padrões de projeto. Esses não são invenção de Alexandre, mas ele os extraiu de edifícios existentes e, portanto, são um novo desenvolvimento para arquitetos que é fácil de usar, o que não estava disponível antes. Escrever a linguagem de padrões e usá-la para criar uma ferramenta combinatória de projeto foi uma descoberta monumental. Do contrário, sem os princípios adaptativos orientadores, você pode obter uma estrutura monstruosa que oprime as pessoas e pode deixá-las doentes a longo prazo.

O termo “Arte” deixou de ter qualquer significado em nossa sociedade porque foi totalmente distorcido — tanto que adquiriu o significado oposto ao que significou durante milênios de civilização humana. É por isso que não gosto de usá-lo em meus escritos. O mesmo vale para “mérito artístico”. O que isso significa? Nada. Ou talvez signifique apenas o que os idiotas que amam o absurdo da moda querem ver. Perdemos o vocabulário com o qual podemos descrever a arte e a beleza, porque essas palavras foram sequestradas por aqueles que desprezam a arte e a beleza.

Não simpatizo com arquitetos que têm medo de padrões que eles supõem restringir sua liberdade criativa. Os padrões podem ser combinados e adaptados de inúmeras maneiras. Esse argumento me lembra a lógica de um membro da juventude hitlerista, que não quer nenhuma restrição que impeça seu prazer de atacar e espancar quem quiser. Essa atitude irresponsável é inteiramente culpa da educação arquitetônica atual, uma vez que não ensina ao projetista nenhum senso de responsabilidade moral. É por esta razão que os arquitetos, por várias décadas, criaram espaços terrivelmente desumanos e sádicos, mas sempre para outras pessoas usarem.

© Nikos Salíngaros
© Nikos Salíngaros

IB: Quais medidas poderiam melhorar a educação em arquitetura?

NS: A educação arquitetônica hoje está falida porque produz jovens que são mais bem descritos como assassinos da arquitetura do que arquitetos. Eles não são treinados para projetar habitações humanas: casas simples, apartamentos, espaços de trabalho, escritórios, escolas, lojas, etc. Nem mesmo espaços públicos abertos, playgrounds ou parques — eles desconhecem completamente as regras do design adaptativo, embora essas regras são conhecidas e estão disponíveis gratuitamente para uso. Nossas escolas de design estão saturadas de ideias sobre a criação de ambientes sádicos que geram ansiedade no usuário. Isso é um crime, embora a imprensa pareça adorar esse tipo de desenho, e por isso é cúmplice do crime contra a humanidade. Veja milhares de projetos de alunos na Internet: todos eles estão cheios de cantos afiados, balanços inclinados e diagonais de vidro e aço. Não há nada de humano e emocionalmente confortável nessas estruturas, porque tudo isso é realmente proibido. Eles violam intencionalmente a ciência da percepção e do bem-estar psicológico.

Trabalhei muito para coletar ensaios de autoridades mundiais sobre o que há de errado com a educação arquitetônica hoje e o que precisa ser feito para corrigi-la. Eles estão disponíveis nesta página hospedada pela Architexturez.

Acredito que um professor acadêmico interessado encontrará aqui muitas informações úteis para começar a reforma educacional. Mas é um grande empreendimento. E será atacado ferozmente por aqueles que agora têm uma posição confortável nas escolas de arquitetura. Eles não querem mudar nada porque lucram com o brutal sistema atual.

© Nikos Salíngaros
© Nikos Salíngaros

IB: Você é um dos poucos teóricos da arquitetura famosos (junto com Christopher Alexander) que mostra a conexão entre a elevada natureza da ordem no mundo e os princípios da arquitetura tradicional. Como você chegou a esse entendimento?

NS: Ao longo dos anos, tenho tentado estabelecer os princípios científicos da arquitetura com propriedades curativas. O resultado foi que os locais de cura são encontrados principalmente na arquitetura tradicional. O mais importante, entretanto, é que agora temos regras para criar uma nova arquitetura maravilhosa que não copia a arquitetura tradicional. Portanto, precisamos melhorar nosso mundo implementando algumas coisas:

  1. Preservar os edifícios que possuem propriedades curativas devido à sua estrutura matemática.
  2. Erguer novos edifícios que tenham as mesmas propriedades, mas não necessariamente copiem nada do passado (embora isso não deva ser banido).
  3. Demolir os edifícios que nos fazem sentir mal.

O mundo ignora amplamente essas descobertas, e cabe àqueles entre nós que conhecem os resultados divulgá-las por toda parte. Até agora, a prática arquitetônica e a educação arquitetônica estão presas na era das trevas do modernismo industrial. A mídia continua a ignorar todos os desenvolvimentos científicos sobre a complexidade organizada, neurociência, biofilia, rastreamento ocular, etc. Eles adoram propagar slogans totalmente desatualizados da década de 1920. Nossa sociedade não pode avançar na construção de um ambiente benéfico enquanto os vários tomadores de decisão permanecerem convencidos de que o modernismo industrial é simplesmente belo. Não é.

© Nikos Salíngaros
© Nikos Salíngaros

IB: Você escreve que o novo urbanismo na Europa e na América corresponde à linguagem dos padrões de Alexandre. Em teoria, isso é o que a arquitetura de massa deveria ser. Mas, na realidade, é apenas um segmento restrito da elite do desenvolvimento. Isso leva alguns a acreditar que o ambiente humano e belo é a prioridade apenas para a elite — é verdade?

NS: Esta opinião é semelhante à campanha de propaganda que a cultura arquitetônica dominante e as melhores escolas estão travando contra o trabalho de Alexander. A fim de protegerem a si mesmos e seus experimentos desumanos sobre a população, eles afirmam falsamente que a arquitetura adaptativa e o urbanismo se destinam apenas à elite. Isso é uma mentira descarada. Esse é o tipo de falsificação que apareceria como verdade no jornal Pravda sob o governo do camarada Stalin. A mídia arquitetônica espalhou essa mentira feia pelo mundo a fim de promover os projetos ridiculamente caros do chamado “Landscape Urbanism”.

A arquitetura e o urbanismo adaptativos podem ser implementados em qualquer nível financeiro, desde moradias autoconstruídas extremamente baratas até moradias confortáveis de classe média e moradias muito bonitas de alta qualidade para proprietários ricos. As regras de desenho são as mesmas, mas podem ser aplicadas em diferentes situações, utilizando materiais que correspondem ao orçamento caso a caso. É uma abordagem adaptativa e humana para a criação de um habitat artificial. Observe com muito cuidado: quando aplicamos os princípios corretos para gerar estruturas vivas, a casa de uma pessoa pobre pode, à sua maneira, ser tão bonita quanto a casa de um indivíduo rico.

IB: Sim, esses princípios abrangem até as moradias tradicionais mais simples. Existem maneiras de voltar a esses princípios? Você é um dos autores da Nova Carta de Atenas de 2003. Conte-nos mais sobre ela.

NS: Alguns urbanistas muito razoáveis na Europa investiram muito tempo para preparar um documento útil que ajudaria no planejamento de cidades mais humanas. Juntei-me a este trabalho no final, criando uma descrição da cidade como uma rede, ao invés de ser formada por blocos de brinquedos infantis para serem vistos de um avião. Foi publicado em 2003 pelo Conselho Europeu de Urbanistas em várias línguas.

http://www.ectp-ceu.eu/index.php/en/publications-8/the-charter-of-european-planning-213

http://www.ectp-ceu.eu/index.php/en/publications-8/the-charter-of-european-planning-213/31-publications/85-new-charter-of-athens-2003

Infelizmente, nada resultou desse esforço. Em desonra à profissão, a cidade de Atenas recusou-se a acolher o lançamento do documento, que se realizou em Lisboa.

O poder corrupto ligado à construção comercial global continua a preferir a Carta de Atenas de 1933 de Le Corbusier, que é interpretada de fato como escritura religiosa. Isso é verdade porque a Carta de 1933 original é um livro de regras para tomar e manter o poder. Promove o zoneamento desumano de cidades, rodovias e arranha-céus, e é isso que gera trilhões de dólares de lucros para especuladores imobiliários e a indústria da construção. O crime organizado lava seu dinheiro por meio de grandes projetos de construção. O poder dos imensos lucros decorrentes da construção industrial moderna com uso intensivo de energia torna impossível pará-lo. Visto que a Carta de 1933 justifica este modelo insustentável, ele continua a ser ensinado em nossas escolas e é legislado por meio de códigos e regulamentos de construção.

Outra razão pela qual o establishment prefere a Carta de Le Corbusier de 1933 é que ela legitima a destruição de nosso patrimônio cultural. A Carta de 1933 torna obrigatório restaurar e reconstruir estruturas históricas apenas no estilo industrial-modernista, desfigurando-as e efetivamente matando-as. Esta é a intenção do culto modernista: tudo o que representa a arquitetura viva criada no passado deve ser destruído; mas se seu valor cultural é muito alto para ser simplesmente destruído, então ele deve ser mudado tanto quanto possível para o que é aceitável para o culto arquitetônico. O resultado é uma imposição maníaca de introduções modernistas parasitas dentro ou ao lado de belos edifícios históricos. A Carta de 1933 exige que os arquitetos corrompam a beleza.

IB: Você escreve sobre o importante papel dos lugares sagrados na organização de um ambiente saudável e gratificante. Como você pensa, quais medidas urbanas e medidas legislativas contribuiriam para o surgimento de tais lugares nas novas áreas de desenvolvimento de massa?

NS: A necessidade de lugares sagrados não pode ser legislada. Devemos investigar as razões pelas quais nossa sociedade perdeu a consciência da importância do sagrado. Em primeiro lugar, o ataque do início do século 20 à religião e ao sagrado foi implementado em parte por meio da arquitetura modernista industrial e do planejamento urbano. A maioria das pessoas não percebe que este estilo de design foi criado para apagar o sagrado da sociedade humana. Não reconheço nenhum valor sagrado dos templos religiosos concebidos como crematórios, câmaras de gás ou células de interrogatório, apesar de terem sido concebidos por arquitectos muito famosos. Esses são templos para Satanás, não para Deus. Em segundo lugar, a perda da identidade religiosa após o choque da Primeira Guerra Mundial encorajou projetos de design niilistas como a Bauhaus e o trabalho de Le Corbusier. Se as próprias pessoas não percebem a necessidade do sagrado, então, eu acho, tentar introduzi-lo por meio de legislação é ridículo.

IB: Minha pergunta é principalmente condicionada pela situação russa: nossas igrejas são solicitadas pela sociedade e agora estão sendo construídas com recursos privados (na Rússia, a Igreja está separada do estado). Mas em nosso Código de Construção da Cidade, o status dos templos não se diferencia de outros edifícios. Como resultado, os templos são geralmente construídos em locais aleatórios, quando poderiam, em vez disso, ajudar a estruturar o tecido urbano — como fizeram até o início do século XX. Portanto, não estamos falando de impor novas igrejas às pessoas, mas de garantir que as iniciativas que surgem “de baixo para cima” para criá-las recebam apoio sistemático do planejamento urbano do estado.

NS: O problema está relacionado ao desarranjo modernista do pós-guerra causado pelo planejamento urbano. As igrejas devem criar nós na rede de pedestres, se possível, de forma a definir pontos de interseção para os fluxos humanos, permitindo que a sociedade se reúna para fins de encontro e adoração. Seu correto posicionamento na rede de transporte é absolutamente necessário, priorizando o acesso de pedestres. Se essa decisão de consertar o local for deixada para as forças do mercado ou para algumas diretrizes irrelevantes de planejamento do governo, as igrejas infelizmente ficarão situadas em locais inconvenientes, inacessíveis ou inadequados. Isso é o oposto do que é realmente necessário para unir a comunidade. A única solução para esse problema é mudar os regulamentos de planejamento para refletir nosso novo entendimento da cidade como uma rede. Veja meu livro “Principles of Urban Structure”, com capítulos gratuitos disponíveis em inglês.

IB: Você conhece o príncipe Charles pessoalmente e tem alguma experiência de trabalho conjunto para melhorar a situação arquitetônica?

NS: Sim, encontrei Sua Alteza Real, o Príncipe de Gales, duas vezes no Reino Unido. Isso foi há quase 20 anos, mas não voltei a Londres desde então. Ele me fez um grande favor ao escrever o Prefácio do meu livro “A Theory of Architecture”. Admiro o Príncipe Charles por se pronunciar contra a fealdade arquitetônica. Ele está entre as poucas pessoas que o fizeram com sucesso. Ele apoiou a arquitetura em escala humana e o urbanismo por muitos anos por meio de sua Fundação. Mais significativamente, ele é o cliente e patrono da nova cidade de Poundbury, que visitei. Ele oferece a prova de que podemos facilmente criar um habitat maravilhoso na escala humana hoje. Você só precisa contratar o arquiteto e o planejador certos. E isso se encaixa no modelo de incorporação imobiliária comercial que traz retorno do investimento por meio da construção de estruturas de qualidade que os usuários valorizam cada vez mais.

IB: Na verdade, Poundbury é uma boa prova de como os princípios da arquitetura tradicional podem funcionar hoje. Afinal, Poundbury não é um “subúrbio-dormitório” para a elite, como alguns pensam, mas uma pequena cidade desenvolvida, com seus próprios negócios e escritórios, com uma economia de sucesso e, o mais importante, com diferentes grupos sociais (cerca de um terço de todas as casas da cidade são habitações sociais financiadas pelo Estado).

NS: A medida do sucesso deste conceito é que as habitações sociais subsidiadas pelo Estado não se distinguem das caras unidades próprias: são construídas da mesma forma e os seus residentes as mantêm igualmente com cuidado e orgulho.

Tradução para o português: Arquiteto Jota Guedes. 

Sobre este autor
Cita: Bembel, Irina. ""As fachadas de edifícios tradicionais são atraentes, as contemporâneas, não": entrevista com Nikos Salingaros" [Nikos Salíngaros: "Las fachadas de edificios tradicionales atraen, las contemporáneas no"] 19 Set 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/947504/as-fachadas-de-edificios-tradicionais-sao-atraentes-as-contemporaneas-nao-entrevista-com-nikos-salingaros> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nossoCanal de YouTube

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.