Reimaginando o Empire State Building em 9 estilos arquitetônicos

Reimaginando o Empire State Building em 9 estilos arquitetônicos

O icônico Empire State Building, o primeiro edifício do mundo a ser construído com mais de 100 pavimentos, redefiniu o conceito de arranha-céu. Essas imagens - originalmente publicadas pela HomeAdvisor - nos permitem visualizar como o Empire State seria, caso tivesse sido concebido em outro estilo arquitetônico.

Um clássico do Art Deco, o Empire State é tão icônico que parece até difícil imaginá-lo de outra forma. Como este monumento da modernidade seria caso tivesse sido construído em estilo neo-gótico ou neo-clássico? Veja à seguir nove variações fantasiosas de um dos maiores símbolos da cidade de Nova Iorque.

1. Clássico romano 

Cortesia de HomeAdvisor
Cortesia de HomeAdvisor

A arquitetura romana se baseava nos elementos clássicos das ordens dórica, jônica e coríntia. Apesar de apropriar-se do legado da Grécia Antiga, os arquitetos romanos foram grandes inovadores, desenvolvendo suas próprias técnicas de construção. Roma foi a primeira civilização a utilizar arcos de compressão para sustentar suas estruturas, como arcos do triunfo e anfiteatros. Para manter a aparência clássica, os romanos continuaram a incorporar colunas mesmo depois de não serem mais estruturalmente necessárias.

2. Renascentista 

Cortesia de HomeAdvisor
Cortesia de HomeAdvisor

A arquitetura renascentista originou-se em Florença no início do século XV. Os arquitetos da época passaram a rejeitar a complexidade do gótico, optando, em vez disso, por um retorno à simplicidade e às proporções equilibradas do classicismo romano. Arcos plenos e cúpulas foram trazidas de volta a vida, apropriando-se do desenvolvimento tecnológico para extrapolar os limites e a dimensão dos espaços. A Catedral de Florença e a Basílica de San Lorenzo são grandes exemplos do sucesso desta nova empreitada.

3. Gótico

Cortesia de HomeAdvisor
Cortesia de HomeAdvisor

Originado no norte da França por volta de 1140, o estilo gótico produziu alguns dos edifícios mais bonitos e impressionantes da Europa. Catedrais e palácios góticos podem ser facilmente identificadas por seus arcos ogivais, abóbadas com nervuras e contra-fortes. Construções como a Notre-Dame de Paris e a Abadia de Westminster em Londres são uns dos muitos exemplos impressionantes da arquitetura gótica. Todas estas estruturas foram criadas para aumentar a iluminação natural dentro destes edifícios imensos.

4. Art Nouveau

Cortesia de HomeAdvisor
Cortesia de HomeAdvisor

O movimento Art Nouveau começou a tomar forma por volta de 1890, uma arquitetura rebuscada responsável por introduzir alguns dos edifícios mais requintados que conhecemos. Arquitetos ao redor do mundo se apropriaram de materiais como o vidro e o ferro forjado para criar linhas curvas e formas elaboradas inspiradas por elementos naturais. Talvez os exemplos mais conhecidos possam ser encontrados em Barcelona, graças ao trabalho impressionante de Antoni Gaudí, responsável por projetar a maioria dos edifícios e parques mais famosos da capital da Catalunha.

5. Arquitetura japonesa 

Cortesia de HomeAdvisor
Cortesia de HomeAdvisor

Baseada na tradição e enfatizando a harmonia com a natureza, a arquitetura japonesa, conhecida como nihon kenchiku, possui uma longa história. Estruturas geralmente elevadas do chão, portas de correr em vez de paredes e grande flexibilidade dos espaços internos são algumas de suas principais características. Muitos dos mais antigos santuários e templos o Japão foram construídos neste estilo e a grande maioria ainda está de pé. A arquitetura japonesa geralmente é construída em madeira, material abundante no país e que também possui ótimo desempenho contra terremotos.

6. Pós-modernismo

Cortesia de HomeAdvisor
Cortesia de HomeAdvisor

No final dos anos 1960, muitos arquitetos passaram a questionar os princípios básicos da arquitetura modernista. Eles procuravam se afastar do formalismo e da falta de diversidade, redescobrindo uma nova forma de liberdade que resultou em um estilo impossível de definir, essencialmente porque a grande maioria dos arquitetos se recusavam a criar rótulos que pudessem definir e limitar a sua criatividade.

7. Brutalismo

Cortesia de HomeAdvisor
Cortesia de HomeAdvisor

Ao longo dos anos, o brutalismo foi rejeitado e celebrado na mesma proporção. O termo foi cunhado pelo crítico britânico de arquitetura Reyner Banham em 1955 para descrever o trabalho dos arquitetos Peter e Alison Smithson. A partir da década de 1970, esses monstros de concreto passaram a ser massivamente rejeitados. A arquitetura brutalista apenas voltou a ser admirada muito recentemente, quando edifícios como a Estação de Ônibus de Preston e o Park Hill em Sheffield passaram a ser vistos como marcos arquitetônicos de grande importância histórica. Embora os edifícios brutalistas obviamente não tenham sido os primeiros a fazer uso massivo de concreto, eles foram os primeiros a expressá-lo orgulhosamente em todas as suas fachadas. Antes disso, o concreto geralmente era encarado apenas como um material estrutural, sem apelo estético.

8. Desconstrutivismo

Cortesia de HomeAdvisor
Cortesia de HomeAdvisor

Como o pós-modernismo, o desconstrutivismo não é uma ideologia unânime. Trata-se de dissolver as regras tradicionais da arquitetura. Arquitetos desconstrutivistas se opõem veementemente à ideia de que um edifício deve parecer estável e organizado. Ao vez disso, eles projetam estruturas aparentemente desconexas. O Guggenheim de Bilbao pode ser considerado um de seus principais exemplos. O desconstrutivismo nasceu da filosofia de Derrida, a qual procurava minar as crenças preconcebidas em torno da razão e da lógica.

9. Arquitetura "sustentável"

Cortesia de HomeAdvisor
Cortesia de HomeAdvisor

Durante as ultimas décadas a arquitetura sustentável tem se tornado quase uma obsessão em um cenário cada vez mais eco-consciente. Materiais naturais e renováveis são utilizados amplamente, madeira e rocha além de componentes reciclados são alguns de seus principais elementos. Em nossa perspectiva fantasiosa do Empire State, uma "parede verde" é incorporada na fachada principal da torre. Sustentabilidade na arquitetura não se refere apenas aos materiais utilizados. Eficiência energética está se tornando um sinônimo de sustentabilidade do mundo da arquitetura. A Torre de Xangai é um dos edifícios mais altos do mundo, o qual está equipado com uma série de turbinas eólicas que servem para alimentar o seu sistema de iluminação externa.

Sobre este autor
Cita: HomeAdvisor. "Reimaginando o Empire State Building em 9 estilos arquitetônicos " [Re-imagining the Empire State Building in 9 Different Architectural Styles] 09 Out 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/902962/reimaginando-o-empire-state-building-em-9-estilos-arquitetonicos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.