Centro Tai Kwun para o Patrimônio e a Arte / Herzog & de Meuron

Centro Tai Kwun para o Patrimônio e a Arte / Herzog & de Meuron
© Iwan Baan
© Iwan Baan

© Iwan Baan© Iwan Baan© Iwan Baan© Iwan Baan+ 11

  • Arquitetos: Herzog & de Meuron
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  27
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2018
  • Fotógrafo Fotografias:  Iwan Baan
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Acor, Bitosasia, Grohe, Otis, Toto
  • Sócios:Jacques Herzog, Pierre de Meuron, Ascan Mergenthaler (Sócio Responsável)
  • Equipe De Projeto:Edman Choy (Associado, Diretor de Projeto), Chi-Yan Chan (Gerente de Projeto), Vladimir Pajkic (Associado, Diretor de Projeto, até 2011), Raymond Jr. Gaëtan (Associado, até 2012). Abdulfatah Adan, Roman Aebi, Maximilian Beckenbauer, Aurélie Blanchard, Emi Jean Bryan, Alexander Bürgi, Soohyun Chang, Julien Combes, Massimo Corradi, Duarte De Azevedo Coutinho Lobo Antunes, Dorothee Dietz, Peter Dougherty, Piotr Fortuna, Luis Gisler, Carl Kristoffer Hägerström, Kelvin Ho, Justin Hui, Kentaro Ishida, Anna Jach, Sara Jardim Manteigas, Hauke Jungjohann, Anssi Kankkunen, Rina Ko, Johannes Rudolf Kohnle, Dannes Kok, Pawel Krzeminski, Jin Tack Lim, Mark Loughnan, Jaroslav Mach, Donald Mak, James Albert Martin, José Ramón Mayoral Moratilla, Olivier Meystre, Lukas Nordström, Cristian Oprea, Leonardo Pérez-Alonso, Thomas Polster, Maki Portilla Kawamura, Tom Powell, Günter Schwob, Oana Stanescu, Kai Strehlke, Fumiko Takahama, Zachary Vourlas, Kenneth Wong, Sung Goo Yang, Daniela Zimmer
  • Consultoria Projeto:Herzog & de Meuron, Basel, Suíça
  • Arquiteto Executivo:Rocco Design Architects Ltd., Hong Kong, China
  • Arquitetura Conservação:Purcell, London, UK
  • Cliente:The Hong Kong Jockey Club, Hong Kong
  • Representação Do Cliente:John Latter (Diretor do Gerenciamento de Projeto da Propriedade), Timothy Calnin (Diretor do Tai Kwun)
Mais informaçõesMenos informações
© Iwan Baan
© Iwan Baan

Descrição enviada pela equipe de projeto. A antiga Delegacia Central de Polícia, a Magistratura Central e a Prisão de Victoria formam um complexo de edifícios históricos no centro comercial da Ilha de Hong Kong. Estabelecidas pelos britânicos após 1841 como a principal delegacia, magistratura e prisão da colônia, o local é um dos monumentos históricos remanescentes mais importantes de Hong Kong. Após o seu desmantelamento em 2006, todo o complexo foi desocupado, deixando um conjunto de terrenos abertos e uma coleção de edifícios únicos. De uma perspectiva urbana, o complexo é um "pátio" raro no meio de uma das cidades mais densas do mundo.

© Iwan Baan
© Iwan Baan

O que antes ficava na encosta da montanha como símbolo proeminente da lei e da ordem, com vistas impressionantes para o porto, agora se tornou inversamente um oásis urbano de abertura e calma dentro de uma floresta de edifícios comerciais e residenciais. O complexo é definido e estruturado por dois grandes pátios: a Praça das Armas e o Pátio da Prisão. Nosso objetivo é preservar a abertura e o caráter distinto de ambos e reativá-los para uso público como um novo tipo de espaço urbano. Esses espaços definirão o lugar fisicamente e programaticamente como locais de reunião, intercâmbio cultural, lazer e descanso.

© Iwan Baan
© Iwan Baan

A Praça das Armas é cercada por vários dos edifícios mais históricos do local, resultando em uma área aberta formal com espaço generoso para recreação pública, eventos, acesso direto a restaurantes e comércios, além de espaços culturais e educacionais de menor escala. O Pátio da Prisão será sutilmente transformado de uma área dura e proibitiva para um novo espaço público aberto dedicado à programação cultural. A adição de novos programas artísticos e culturais é uma das principais estratégias para abrir e ativar o antigo Presídio. Dois novos volumes que flutuam bem acima das paredes de granito circundantes são concebidos como elementos diferenciados, mas cuidadosamente inseridos no tecido urbano existente.

© Iwan Baan
© Iwan Baan

Ao estar em balanço, acima das paredes, e manter uma distância mínima das estruturas adjacentes, a área construída é maximizada e permanece dentro dos limites do envelope, ao mesmo tempo que cria compensações de proteção a partir dos edifícios históricos circundantes. Como expressão arquitetônica, também distingue claramente os novos edifícios dos edifícios históricos da área. Reunidos principalmente no Pátio Inferior, os antigos prédios da polícia situam-se orgulhosamente no nível da rua ou sobre as paredes de granito, tornando nítida sua autoridade e presença na cidade. As edificações da prisão, por outro lado, estão localizadas atrás dessas paredes e, historicamente, foram separados do acesso público e do acesso visual por razões óbvias de proteção e segurança.

© Iwan Baan
© Iwan Baan

Os novos volumes de construção não copiam nenhuma das condições históricas, mas criam um novo relacionamento com o contexto do terreno ao pairar acima das paredes. Ao elevar os volumes, novos espaços públicos e de circulação são criados abaixo, resultando em locais protegidos generosos para encontros e diversas atividades, e estabelecem uma nova conexão pedonal entre leste e oeste, da Arbuthnot Road até a Old Bailey Street. Ao mesmo tempo, os edifícios se transformam em novos marcos nas duas extremidades do complexo, chamando a atenção para uma parte anteriormente fechada da cidade. O projeto da Ala Old Bailey, localizada na porção sudoeste do terreno, foi desenvolvido juntamente com a reutilização adaptativa do Hall F. Novas conexões serão criadas entre os dois edifícios.

© Iwan Baan
© Iwan Baan

Juntos, eles abrigarão arte contemporânea. A entrada do pátio da Ala Old Bailey é definida pelo volume do edifício, que paira sobre a parede de revestimento histórico. Esta área de entrada é protegida da chuva e do sol e atua como centro de circulação e foyer para o Hall F e para a Ala Old Bailey. O Hall F será um espaço versátil de galeria para exposições de arte ou outros eventos especiais. Grande parte da arquitetura original, com os traços do uso passado dos edifícios, é mantida e preservada. Em contraste, a Ala Old Bailey adjacente contará com grandes espaços de exposição sem colunas e, portanto, com o máximo de flexibilidade. Claraboias no teto fornecerão luz natural ao espaço superior da galeria.

© Iwan Baan
© Iwan Baan

O segundo andar abriga um restaurante com um terraço ao ar livre com vista para a paisagem rica e cheia de texturas dos telhados de todo o complexo. Como um novo marco no canto sudeste do terreno, está a nova Ala Arbuthnot. O volume similarmente paira acima da parede de granito ao longo da Arbuthnot Road,criando um espaço público coberto ao ar livre, um cinema e um espaço para apresentações com uma grande escada cujos degraus podem ser usados informalmente como assentos. Em ambos os lados da Ala Arbuthnot estão os antigos prédios da prisão, o Hall D e o Hall E, constituindo as fachadas internas desse local exclusivo ao ar livre.

© Iwan Baan
© Iwan Baan

A restrição de altura também foi totalmente aproveitada, resultando em mais dois espaços generosos acima: um espaço multiuso de 8 metros de altura com um forro de grade, acessível para a operação técnica, e uma sala de máquinas que abriga as torres de resfriamento e equipamentos que atendem todo o terreno. Os dois novos edifícios são revestidos com um sistema de fachada de alumínio que faz referência, em termos de escala e proporção, ao revestimento de bloco de granito existentes na parede em torno de todo o terreno, estabelecendo assim uma certa relação contextual.

© Iwan Baan
© Iwan Baan

O uso de alumínio 100% reciclado fornece uma expressão arquitetônica e materialidade distintas, destacando os novos edifícios como novos volumes entre o conjunto de blocos históricos de alvenaria e, ao mesmo tempo, resolve questões de suporte estrutural,proteção solar e proteção contra chuva no clima subtropical de Hong Kong. A porosidade específica, a padronização e a expressão da fachada são determinadas pelas exigências funcionais e ambientais dos usos na parte interna. A materialidade das unidades de alumínio apresenta uma rugosidade e textura distintas que quebram a superfície da fachada, ajudando a reduzir a refletividade e a claridade excessiva durante o dia.À noite, a luz emitida pelo edifício será parcialmente ocultada pelas unidades de alumínio da fachada, expressando as atividades no lado de dentro, mas sem criar poluição luminosa.

© Iwan Baan
© Iwan Baan

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:10 Hollywood Rd, Central, Hong Kong (RAE)

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Centro Tai Kwun para o Patrimônio e a Arte / Herzog & de Meuron" [Tai Kwun Centre for Heritage and Art / Herzog & de Meuron] 16 Set 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/901798/centro-tai-kwun-para-o-patrimonio-e-a-arte-herzog-and-de-meuron> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.