O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Quiosque K67: O projeto modular dos anos 60 que permanece vivo até hoje

Quiosque K67: O projeto modular dos anos 60 que permanece vivo até hoje

  • 07:00 - 24 Março, 2017
  • por
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Quiosque K67: O projeto modular dos anos 60 que permanece vivo até hoje
Quiosque K67: O projeto modular dos anos 60 que permanece vivo até hoje, Designer Esloveno  Saša J. Mächtig concebendo o conceito para o K67, projeto de meio século atrás, mas suas ideias de indeterminação e abertura permanecem relevantes. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana
Designer Esloveno Saša J. Mächtig concebendo o conceito para o K67, projeto de meio século atrás, mas suas ideias de indeterminação e abertura permanecem relevantes. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana

Esse artigo foi publicado originalmente pela Metropolis Magazine sob o título "The Enduring Lives of Saša Machtig's Modular Creations."

Mesmo em idade relativamente avançada, o Quiosque K67 - um sistema de estruturas modulares em fibra de vidro - se mantém ativo. Um quiosque em Kromberk, na Eslovênia, na antiga Iugoslávia tornou-se um espaço para criar abelhas. Outro, usado por um vendedor de alimentos da Bósnia e Herzegovina, recebeu uma adição de alvenaria. Na Liubliana, um quiosque que, anteriormente abrigava os atendentes de um estacionamento, agora suporta uma máquina de bilhetes automatizada.

Estas podem não ter sido as adaptações que o designer esloveno Saša J. Mächtig tinha em mente quando concebeu pela primeira vez o K67, há 50 anos. Mas contabilizar todos elas teria sido impossível. Em teoria, o sistema permitiu configurações e variações ilimitadas. Quando a produção parou em 1999, cerca de 7.500 unidades do K67 tinham sido fabricadas. Enquanto a maioria permaneceu na Iugoslávia, alguns foram exportados para o exterior - entre outros lugares, para a Polônia, Japão, Nova Zelândia, Quênia, Iraque, a antiga União Soviética e os Estados Unidos. Em todo o mundo, eles foram adaptados para usos que vão desde as estações de patrulha de fronteira a estandes de esqui, cabines para varejo e fast-food. Ninguém está realmente certo de quantos ainda estão em uso hoje ou que outros tipos existem, mas essa capacidade interminável de surpresa está entre suas maiores qualidades. A K67, uma recente retrospectiva do trabalho de Mächtig no Museu de Arquitetura e Design na Liubliana, conseguiu restaurar seu brilho original. E o fez sem suprimir os desvios. Como Maja Vardjan escreve em seu ensaio de catálogo, o que distingue o K67 é "a sua posição entre a arquitetura e o design industrial, o encaixe na moldura de uma cidade e sociedade modernas, nos rituais da vida cotidiana e, por último, mas não menos importante, sua persistente capacidade de reinventar-se". Enquanto os esquemas arquitetônicos visionários das décadas de 1960 e 1970 podem inspirar anseio nostálgico (o que poderia ter sido!), os quiosques K67, mesmo que desapareçam, provocam uma pergunta: por que eles persistiram por tanto tempo?

Quiosque K67 como tabacaria e banca de jornal. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana
Quiosque K67 como tabacaria e banca de jornal. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana

A vida e o trabalho de Mächtig, de 75 anos, estão relacionados às transformações da Iugoslávia, desde seu status de nação não alinhada, com um sistema de socialismo autogovernado, depois de 1948, até sua ruptura e as subsequentes guerras dos Bálcãs, durante a década de 1990. Nascido na Liubliana em 1941, ele entrou para o design quando uma primeira onda de modernização - marcada por processos de produção em massa, industrialização e urbanização - estava sendo concluída. Ao mesmo tempo, as características do mercado estavam sendo integradas à economia planejada. Estas mudanças apresentaram oportunidades que Mächtig estava muito bem preparado para explorar.

K67 como Bilheteria. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana
K67 como Bilheteria. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana

Estudando na Escola de Arquitetura da Liubliana, no início dos anos 60, Mächtig matriculou-se no Curso B, um programa interdisciplinar que, em sua breve existência de dois anos, influenciaria uma geração não só de arquitetos, mas também de designers industriais e gráficos. Orquestrado por Edvard Ravnikar - o principal arquiteto esloveno do período do pós-guerra - e modelado na Bauhaus e na Escola de Design de Ulm, o currículo consistia no que hoje se apresenta entre os métodos pedagógicos: uma combinação de pesquisa teórica e projetos concretos, com ênfase na análise, pesquisa e experimentação. Atualizando a famosa declaração de Ernesto Rogers sobre a atividade de um arquiteto estendendo-se "da colher para a cidade", Ravnikar exortou os alunos a considerar "os menores consumíveis para soluções espaciais regionais". Mächtig faria dessa uma filosofia sua. Ao invés de projetar, digamos, grandes obras e planos diretores, ele usou o K67 para fazer a ponte entre diferentes escalas e disciplinas, do industrial para o design urbano, simultaneamente.

O K67 foi produzido aos milhares e instalado em cidades em todo o mundo - principalmente nos antigos países comunistas da Europa Oriental - servindo como bancas de jornal, tabacarias e stands de alimentos, bem como floriculturas (acima), quiosques de informação e estações de tráfego, entre muitas outras funções. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana
O K67 foi produzido aos milhares e instalado em cidades em todo o mundo - principalmente nos antigos países comunistas da Europa Oriental - servindo como bancas de jornal, tabacarias e stands de alimentos, bem como floriculturas (acima), quiosques de informação e estações de tráfego, entre muitas outras funções. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana

Foi por acaso - ao mesmo tempo que obteve a aprovação de seu primeiro projeto independente, uma marquise de poliéster reforçada e translúcida para um café na Liubliana - que Mächtig soube do desejo dos urbanistas por novos quiosques. Por iniciativa própria, ele preparou um projeto, abraçando novos materiais industriais e a lógica da produção em massa. Segundo ele, as estruturas existentes (usadas como tabacarias e bancas de jornais) eram tratadas como pequenas casas em sua conceptualização e construção. Apresentando o projeto K67 pela primeira vez, Mächtig ofereceu um conjunto revisado de precedentes: "Em sua interpretação moderna, o quiosque permitia a possibilidade de crescimento e mudança, com um propósito talvez semelhante aos sistemas de armários escandinavos e em termos de design automotivo".

Ao longo das décadas, os quiosques existentes foram adaptados para usos adicionais, como este café na Bósnia e Herzegovina. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana
Ao longo das décadas, os quiosques existentes foram adaptados para usos adicionais, como este café na Bósnia e Herzegovina. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana

O esquema inicial de Mächtig consistiu em cinco elementos principais de suporte de carga, além de equipamentos de apoio: dois tipos de copas e elementos de design de interiores, como sistemas de prateleiras, luminárias e persianas. Um protótipo em grande escala, vermelho brilhante - foi concluído em 1969. No ano seguinte, depois que o K67 foi destaque na revista Design, Emilio Ambasz, então curador do projeto MoMA, perguntou se poderia adicioná-lo à coleção. Um atraso no embarque impediu o plano de elevar as unidades volumosas para o museu através de uma janela, então, quando Mächtig chegou para a abertura da exposição em dezembro de 1970, ele encontrou as duas unidades do K67 não na galeria, mas em um espaço público - ao ar livre, na calçada da Rua 53.

Desenho axonométrico explodido da segunda geração do K67 a partir de 1972. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana
Desenho axonométrico explodido da segunda geração do K67 a partir de 1972. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana

Se fosse um modelo de segunda geração, produzido depois de 1971, o quiosque teria sido levado pelas portas do museu. Ao contrário das unidades monolíticas originais, a nova estrutura em forma de cruz - composta por cobertura e piso separados e quatro pilares de canto - poderia ser desmontada. A estrutura, medindo 2,5 metros em todas as direções, apoiou elementos secundários como portas, balcões de venda, janelas convexas e painéis cegos. Ocasionalmente, Mächtig desenvolveu customizações especiais para funções específicas, como para a preparação de fast-foods.

Sistema do Quiosque K67, opções de expansão e combinações. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana
Sistema do Quiosque K67, opções de expansão e combinações. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana

Um designer incansável e empresário hábil, ele acreditava que se o sistema K67 fosse permanecer comercialmente viável, ele precisava evoluir com mudanças dos hábitos do usuário e noções de conforto, bem como com os avanços nos processos industriais. Portanto, a prototipagem exaustiva era imperativa. "Essa foi a mensagem que recebi da General Motors", lembrou recentemente Mächtig do seu encontro com o importante Centro Técnico da empresa automobilística em Michigan, que ele o visitou após a exposição do MoMA. "Eu vi como eles desenvolveram certas partes do carro, depois testaram e depois montaram as coisas."

K67 como como frutaria e verduraria. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana
K67 como como frutaria e verduraria. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana

Mächtig iria eventualmente estender as ideias do K67 para projetos de caixotes de lixo, cabines de telefone público e pontos de informações, um sistema de pontos de ônibus e recipientes de lixo reciclável (exceto para cabines de telefone, todos foram produzidos em massa em diferentes proporções ). De acordo com Vardjan, este equipamento de rua, juntamente com os quiosques, "forma uma infra-estrutura intangível através de pequena escala". Destacáveis ​​como obras individuais de design industrial, eles atingiram todo o seu potencial apenas em um contexto, como participantes em seus ambientes. Influenciado por Christopher Alexander e Kevin Lynch - cujos escritos foram introduzidos a Mächtig por Ravnikar - ele considerou como o equipamento de rua moldou a percepção humana. "Um lixo comum é mais do que um elemento que serve para manter a cidade limpa; É um meio para projetar o espaço público ", escreveu Mächtig em 1977." Uma lata bem colocada pode concluir uma viagem, marcar uma mudança de direção, demarcar duas áreas através de um ritmo de elementos idênticos e mais ". Em termos Lynchianos, os quiosques eram nós, consolidando e gerando atividade.

No início dos anos 70, Mächtig produziu a cabine telefônica TD 1, que foi feita de plexiglass curvos. Ele desenvolveu o projeto em conjunto com vários outros objetos destinados a praças públicas e calçadas - Mächtig chamou-os de "equipamento de rua" - como esta praça na Liubliana, onde uma unidade K67, uma Žaba 1 e uma lixeira reciclável EKOS coexistem. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana
No início dos anos 70, Mächtig produziu a cabine telefônica TD 1, que foi feita de plexiglass curvos. Ele desenvolveu o projeto em conjunto com vários outros objetos destinados a praças públicas e calçadas - Mächtig chamou-os de "equipamento de rua" - como esta praça na Liubliana, onde uma unidade K67, uma Žaba 1 e uma lixeira reciclável EKOS coexistem. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana

Mas o design pode se desenvolver em locais sensíveis e sobreviver aos caprichos da mudança urbana, inevitável e incessante como é? Os desenhos de Mächtig mantêm um paradoxo - eles buscam regulação e indeterminação em igual medida - mas também uma durabilidade única. Embora os quiosques K67 não tivessem a intenção de existir isoladamente, as qualidades de seu projeto, no nível da unidade única e autônoma, são uma proteção contra a rápida extinção. Observando o status atual do K67 nos países pós-comunistas, o crítico Owen Hatherley comentou que eles sugerem "algumas maneiras possíveis de contornar a dicotomia desesperada versus corporativa". De fato, o K67 - ao defender a oposição entre objetos e sistemas, hardware e software, parte e o todo, de cima para baixo e de baixo para cima - é um modelo para engajar processos abstratos aos meios precisos e concretos.

Cabine telefônica. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana
Cabine telefônica. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana

Comparado com os plug-ins fantásticos do Archigram e dos Metabolistas, o K67 pode parecer mundano. Mas agora, que a impermanência, a abertura e a interatividade informam os esforços voltados para a solução, com as intervenções "táticas" de pequena escala para abrigos de emergência, o pragmatismo do K67 é particularmente relevante. Em sua devoção de longa carreira e reavaliação contínua de problemas extremamente focados, Mächtig oferece outra maneira, mais paciente, de ser um designer. Desde 2003, ele vem desenvolvendo uma nova geração de quiosques e em breve os testes com usuários começarão. Como Mächtig sabe bem, "você sempre tem que ouvir."

Um retrato de Mächtig com um modelo para seu Žaba (Râ) 1, um dos muitos projetos que executou logo após o primeiro K67. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana
Um retrato de Mächtig com um modelo para seu Žaba (Râ) 1, um dos muitos projetos que executou logo após o primeiro K67. Imagem Cortesia do Museu de Arquitetura e Design, Liubliana

Ver a galeria completa

Sobre este autor
David Huber
Autor
Cita: Huber, David. "Quiosque K67: O projeto modular dos anos 60 que permanece vivo até hoje" [The Story of the 1960s Mass-Produced Modular Design That Actually Went into Production] 24 Mar 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/867621/quiosque-k67-o-projeto-modular-dos-anos-60-que-permanece-vivo-ate-hoje> ISSN 0719-8906