O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Espaço Público
  4. Estados Unidos
  5. Laurie Olin
  6. 1994
  7. Clássicos da Arquitetura: Pershing Square / Ricardo Legorreta + Laurie Olin

Clássicos da Arquitetura: Pershing Square / Ricardo Legorreta + Laurie Olin

Clássicos da Arquitetura: Pershing Square / Ricardo Legorreta + Laurie Olin
Clássicos da Arquitetura: Pershing Square / Ricardo Legorreta + Laurie Olin, © Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta
© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta

Ocupando toda uma quadra, o que atualmente é a Pershing Square foi parte da concessão espanhola de 1781 à cidade de Los Angeles, e foi oficialmente dedicada como um parque em 1866 e originalmente chamada La Plaza Abaja. [1] O desenho atual da praça, assinado pelo arquiteto mexicano Ricardo Legorreta e pela paisagista Laurie Olin, com instalações artísticas de Barbara McCarren, foi inaugurado em 1994. Pouco mais de vinte anos depois, o projeto coleciona diversas críticas duras. Um website local, por exemplo, gosta de chamá-la como o "parque mais odiado" da cidade. O projeto de Legorreta e Olin, no entanto, faz uma afirmação ousada para o espaço público urbano de Los Angeles, incomparável com qualquer outro parque na cidade.

© flickr user daquellamanera, (CC BY-SA 2.0) © flickr user teamperks, (CC BY-ND 2.0) Fotografia histórica da Pershing Square. © Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta © flickr user daquellamanera, (CC BY-SA 2.0) + 20

O lote que se tornou a Pershing Square havia sido designado como espaço municipal no plano espanhol original, mas seu uso era em grande parte informal, servindo frequentemente como um acampamento para os primeiros colonos. O imigrante alemão George Lehman, então, iniciou ali o plantio de árvores, possivelmente antes que fosse oficialmente designado como um parque da cidade. [2] Como muitos parques urbanos, sua história é paralela às tendências de desenvolvimento urbano. As exuberantes plantações tropicais e o design Beaux Arts do final do século XIX e início do século XX complementavam os endereços e instituições que delimitavam o parque, incluindo o Hotel Biltmore e a Filarmônica de Los Angeles. Nos anos 1950 o parque foi indelevelmente transformado, quando uma garagem subterrânea foi construída no local, substituindo as densas plantações por um gramado e pequenas árvores. Alguns historiadores sugeriram que a carência de vegetação no redesenho dos anos 50 foram uma estratégia intencional para desencorajar os homossexuais a cruzarem o local, já que ali era um local de convívio famoso desde os anos 20. [3] As rampas longas e largas para a garagem de estacionamento alinhavam os quatro lados do perímetro, criando uma barreira desanimadora para os pedestres. À medida que as empresas se afastavam do centro histórico da cidade e passavam a novas torres de escritórios ao oeste da cidade, Pershing Square tornou-se um refúgio para a população desabrigada da cidade e um ponto de tráfico de drogas.

Fotografia histórica da Pershing Square. © Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta
Fotografia histórica da Pershing Square. © Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta

Na década de 1980 e início de 1990, Robert Maguire, da Maguire Thomas Partners, liderou um grupo de proprietários da vizinhança para pressionar por um redesenho do parque em um esforço para torná-lo um espaço mais atraente para seus inquilinos. [4] Para ajudar a incentivar a prefeitura a avançar, o grupo concordou em pagar metade do custo do projeto de Legorreta e Olin. A escolha do arquiteto mexicano Ricardo Legorreta, intencional ou não, servia como um lembrete da história de Los Angeles, muitas vezes negligenciada como território espanhol e mexicano, antes de o estado da Califórnia se tornar parte dos Estados Unidos - sem mencionar a significativa população mexicana-americana da cidade. O trabalho de Legorreta equilibra a inspiração da arquitetura vernacular mexicana e a influência dos modernistas mexicanos, especialmente a integração de Luis Barragán entre arquitetura e paisagem. [5] Laurie Olin, então da Hanna / Olin Ltd., com sede em Filadélfia, já era bem conhecida por grandes intervenções urbanas, como o 16th Street Mall de Denver e a renovação do Bryant Park, em Nova Yorque.

© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta
© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta

O projeto do parque foi ancorado por duas estruturas de estuque nos pontos médios dos dois maiores lados do terreno retangular. Na borda leste um campanário roxo alto, de 10 andares, serve como um ponto focal e equilibra a escala dos edifícios altos que cercam o parque. No alto da torre, um recorte quadrado abriga uma esfera cor-de-rosa, uma abstração do sino tradicional. Na borda ocidental, um pavilhão amarelo brilhante de um pavimento abriga espaço para um café e escritório para o departamento de polícia. Essas duas estruturas, e o caminho intermediário entre elas, dividem o parque em duas zonas primárias. Na parte norte do parque, os gramados em patamares conformam um anfiteatro, destinado a receber eventos e performances, enquanto o lado sul do parque é dominado por uma fonte de água alimentada por um aqueduto que se estende desde a base do campanário, lembrando a enorme infraestrutura que canaliza a água para o sul da Califórnia.

© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta
© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta

Na verdade, muitas características do parque aludem à história específica e ao caráter de Los Angeles, incluindo um bosque de árvores de citrinus, que fazem referência ao legado agrícola das regiões e uma instalação projetada pela artista Barbara McCarren que evoca uma falha geológica. O recurso provou-se especialmente atual quando Pershing Square foi reaberta poucos dias após o terremoto de Northridge, de 1994. [6] Laurie Olin conseguiu localizar várias das palmeiras reais que foram removidas do parque quando a garagem foi construída -alojadas em um conservatório, e ainda vivas quatro décadas depois- e restaurou-as para sua casa original. [7] Uma longa linha de cilindros de estuque cor de rosa ao longo da borda nordeste do parque define o limite exterior de um jardim de esculturas, abrigando os monumentos que pontuam a história de Pershing Square: uma estátua de um soldado da guerra hispano-americana, um "doughboy" da Primeira Guerra Mundial, uma estátua de Beethoven em honra do fundador da Filarmônica de Los Angeles, e um canhão do histórico USS Constitution (apelidado de "Old Ironsides" durante a Guerra de 1812). [8]

© flickr user teamperks, (CC BY-ND 2.0)
© flickr user teamperks, (CC BY-ND 2.0)

Embora o caráter do parque tenha sido totalmente transformado desde seu estado anterior, os arquitetos ainda tiveram de lutar com a garagem subterrânea. As rampas de entrada e saída foram encurtadas e estreitadas, mas o acesso ao parque ainda limita-se aos quatro cantos e duas faixas de pedestres tênues que rompem as rampas de estacionamento nos lados leste e oeste. Hoje, esse acesso limitado é um dos aspectos mais criticados do parque, mas os proprietários que levaram o processo de renovação provavelmente o viram como um recurso de segurança benéfico. Como um artigo do Los Angeles Times descreveu, logo após a reabertura do parque, "a associação de proprietários espera que apenas os cidadãos respeitadores da lei frequentem o local e que as gangues locais e os transeuntes sem-teto, que reivindicaram a praça no passado recente, permaneçam longe." [9] Mas, o repórter continua, tal foco na segurança", deu a Pershing Square uma aparência um pouco desolada." [10] Como resultado, os esforços dos proprietários para sanitizar e proteger o parque acabou afastando as mesmas pessoas que esperavam atrair.

© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta
© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta

Os moradores de rua ainda são frequentes na praça. As críticas ao projeto são muitas vezes expressas no mesmo fôlego que as queixas sobre o cheiro de urina, implorando a questão de saber se esses críticos estão realmente expressando descontentamento com a arquitetura, ou apenas ao público do parque. Um comentário no LA Times no momento da abertura do parques notou o potencial do parque em reunir partes díspares da comunidade de Los Angeles, mas também observou que para o parque ter sucesso em trazer os trabalhadores de colarinho branco, "eles terão que estar dispostos a esfregar os ombros com os cidadãos que parecem preferir manter à distância. "[11] Apenas alguns anos mais tarde, um artigo de 2002 comemorou a mistura de frequentadores do parque, desde as torres de escritório do Distrito Financeiro, as áreas comerciais latinas próximas, e até as regiões de Chinatown e Little Tokyo. [12] Como novos moradores se mudaram para o centro de Los Angeles, Pershing Square tornou-se ainda mais ativa. Hoje, food trucks estacionam frequentemente ali, fornecendo opções de alimentação; os trabalhadores dos escritório dos edifícios próximos apreciam o parque em sua hora do almoço; concertos de verão e noites de cinema ao ar livre ativam o espaço, juntamente com uma pista de patinação no inverno; E dois novos parques infantis foram adicionados para atender às famílias que se deslocam para o centro.

© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta
© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta

Como foi em suas formas anteriores, Pershing Square continua a ser um centro de vida cívica, acolhendo protestos e outros encontros. E as árvores e plantas cresceram, contradizendo o mito de que o parque é feito inteiramente de concreto.

Pershing Square certamente enfrenta desafios, principalmente com a questão da garagem subterrânea. Como o paisagista Wade Graham declarou em um recente editorial do LA Times, "O pecado original da cidade na Pershing Square foi sacrificar o espaço público em prol do automóvel". Mas, como Frances Anderton apontou em seu programa de rádio “Design and Architecture,”, qualquer redesenho do parque terá que manter a garagem pois é uma fonte valiosa de receita para a cidade. Será que um novo projeto será capaz de enfrentar com sucesso o desafio de construir um parque na cobertura de um estacionamento?

© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta
© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta

A ativação urbana em grande escala leva tempo, às vezes décadas, e enquanto a nova safra dos moradores da cidade ajudou a alcançar as ambições dos anos 90 para Pershing Square, o gosto popular deixou para trás sua estética pós-moderna. Talvez mais importante, os empreendedores e proprietários de propriedades vizinhas sentiram a necessidade de uma nova atração para competir com os centros comerciais e museus surgindo em outras áreas do centro de Los Angeles. O conselho da Pershing Square Renew, o grupo por trás do mais recente impulso para reinventar o parque, é dominado por empreendedores motivados a aumentar seus valores de propriedade, ao contrário dos proprietários que defendiam o projeto atual. O audacioso projeto de Legorreta e Olin, possibilitado por uma forma pioneira de parceria público-privada, será em breve substituído pela produção de uma nova parceria público-privada, ávida em acompanhar as modas arquitetônicas e paisagísticas e impulsionada por um desejo quixotesco de higienizar a esfera pública urbana. Como Sara Hernandez, o vínculo entre a Pershing Square Renew, disse a Frances Anderton, "De certa maneira, a evolução constante de Pershing Square é realmente uma parte de sua história, e parte de sua identidade. Este é um espaço que tem evoluído continuamente ao longo de sua história, para melhor ou para pior".

© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta
© Legorreta + Legorreta, fotografia de Lourdes Legorreta

Referências:

[1] The Los Angeles Conservancy. “Pershing Square.” Acesso em 7 de Novembro de 2015. https://www.laconservancy.org/locations/pershing-square

[2] Rasmussen, Cecilia. “L.A. Then and Now; The (d)evolution of a downtown landmark; From lush park to concrete plaza, Pershing Square has been changing, along with the city around it, for 141 years.” Los Angeles Times. 19 de Agosto de 2007: B2.

[3] The Los Angeles Conservancy.

[4] Steele, James. Ecological Architecture: A Critical History. London: Thames & Hudson Ltd., 2005. 255.

[5] Mutlow, John, ed. Ricardo Legorreta Architects. New York: Rizzoli, 1997. 14.

[6] Gordon, Larry. “The Purpling of Pershing: Colorful Tower, Faux Fault Line Are Highlights of Renovated Park.” Los Angeles Times. 4 de Fevereiro de 1994: B3.

[7] Steele, 255.

[8] Rasmussen.

[9] Whiteson, Leon. “Bold New Look, Same Old Hope: New Pershing Square Declares Confidence, But Can Design Change L.A.’s Social Habits?” Los Angeles Times. 13 de Fevereiro de 1994. K5.

[10] Whiteson.

[11] Whiteson.

[12] Ferrell, David. “SURROUNDINGS / PERSHING SQUARE; In the Heart of Downtown, a Tranquil Oasis; The city’s oldest park, with a faux pond and waterfall, bold colors and cubist lines, draws an eclectic mix of people.” Los Angeles Times. 20 de Junho de 2002. B2.

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: Douglass-Jaimes, David. "Clássicos da Arquitetura: Pershing Square / Ricardo Legorreta + Laurie Olin" [AD Classics: Pershing Square / Ricardo Legorreta + Laurie Olin] 23 Jan 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/803853/classicos-da-arquitetura-pershing-square-ricardo-legorreta-plus-laurie-olin> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.