O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Centro Cultural
  4. Nova Caledônia
  5. Renzo Piano Building Workshop
  6. 1998
  7. Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano

Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano

Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano
Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano, © Flickr user Fourrure
© Flickr user Fourrure

Sydney. Bilbao. Nouméa? Essas cidades são conhecidas, popularizadas, e foram revitalizadas por uma única intervenção estrangeira da arquitetura moderna. O fenômeno pelo qual isso ocorre, muitas vezes apelidado de "Efeito Bilbao", em referência ao museu icônico de Frank Gehry, é uma das contribuições mais fascinantes e desejadas da arquitetura moderna para o desenvolvimento econômico.

Nouméa - a capital da ilha do Pacífico da Nova Caledônia - pode parecer um desajuste na lista para aqueles que ainda não ouviram falar dela, mas certamente não é: dezesseis anos após a conclusão do Centro Cultural Tjibaou de Renzo Piano, o efeito econômico de transformação do projeto na cidade de Nouméa não foi menos dramático do que o de qualquer casa de ópera ou museu de maior renome tenha sido. Desde a conclusão do centro cultural, a Nova Caledônia encontrou-se no centro das atenções internacional de arquitetura, já que o design efêmero das conchas icônicas do edifício trouxe fama e oportunidades de negócios tanto para a ilha quanto para a empresa de Piano.

© Flickr user xyotiogyo © Flickr user Eustaquio © Flickr user saturnino Planta Baixa + 12

Se o governo da Nova Caledônia pretendia ou não trazer tanta atenção para a ilha tornou-se irrelevante após Piano ter sido selecionado como o vencedor de uma competição internacional, apenas para convidados, em 1991. O objetivo era solicitar ideias para um centro que iria celebrar a cultura nativa Kanak da Nova Caledônia e, no processo, acalmar as tensões étnicas que vinham cronicamente se deteriorando entre o povo Kanak e outros habitantes da ilha. O fato de que seria orquestrada uma busca de talentos internacional para reconhecer a cultura local foi fonte de ironia e crítica, ainda mais pungente pela relação historicamente tensa entre os Kanaks e a influência cada vez maior da modernização.

© Flickr user bectrynes
© Flickr user bectrynes

No núcleo da comissão estava a longa, complexa e muitas vezes conflituosa história entre os povos Kanak e os governantes descendentes de europeus da Nova Caledônia. A ilha de Grande Terre, colonizada por franceses no início do século XIX, tinha sofrido quase dois séculos de exploração de recursos naturais, opressão cultural e longos períodos de escravização dos Kanak. No final do século XX, a ilha passou por um longo e sangrento movimento de independência em nome do povo Kanak, conduzido em parte por Jean-Marie Tjibaou, a quem o Centro é nomeado, até seu assassinato em 1989. Foi neste contexto que o projeto foi concebido como um reconhecimento, há muito devido, a uma cultura marginalizada e financiado pelo governo francês. [ 1 ]

Deixando a política de lado, no entanto, é fácil de entender o que o júri viu no design elegante de Piano e como ele se tornou um objeto de reconhecimento internacional. Sensivelmente usando as casas dos chefes tradicionais Kanak como ponto de partida, os arquitetos manipularam e desconstruíram sua forma para criar uma sequência monumental de conchas arejadas e arredondadas. Dez delas se estendem ao longo da encosta, variando em altura de 20 a 28 metros e lançando uma presença dominante ao longo da costa do Pacífico. Dentro e entre elas, uma procissão cuidadosamente coreografada de espaços de museus leva os visitantes numa viagem deslocando-se entre espaços interiores íntimos e a paisagem circundante da ilha.

© Flickr user tim-waters
© Flickr user tim-waters
Interior de uma cabana Kanak. Image © Flickr user Eustaquio
Interior de uma cabana Kanak. Image © Flickr user Eustaquio

Como os arquitetos Kanak fizeram antes, o conceito de Piano enfatiza a influência do local e do ambiente como determinantes do projeto e performance. A forma das conchas mistura métodos de construção tradicionais e um perfil cônico, desmaterializando-se, que lindamente representa a textura das árvores ao redor. Vazios exteriores trabalhados na planta e aberturas do edifício abrem fisicamente o projeto ao entorno e aprofundam o senso de pertencimento dos habitantes. Um sistema de ventilação passiva inteligente elimina a necessidade de ar condicionado, fazendo com que o fornecimento de ar limpo e natural do edifício seja parte da experiência do design do centro cultural. Mesmo a inter-relação dos volumes construtivos, organizados em um layout semelhante ao plano grand allée das aldeias tradicionais Kanak, depende de um fluxo contínuo de circulação entre espaços internos e externos. [2]

© Flickr user saturnino
© Flickr user saturnino

O efeito é orgânico e atraente. A incompletude das conchas traz percepções aparentemente paradoxais de uma obra em andamento e um trabalho em ruínas que é, contudo, profundamente gratificante. Idealisticamente, talvez, essas geometrias incompletas refletem o sentimento de que a cultura Kanak continua a crescer e evoluir a partir de raízes antigas, assim como novas condições requerem que se adapte sua forma.

Planta Baixa
Planta Baixa
Corte
Corte
Planta Preliminar / Croqui de Composição da Fachada
Planta Preliminar / Croqui de Composição da Fachada

No entanto, apesar de todas as sensibilidades contextuais dos arquitetos, inconsistências inevitáveis ​​permeiam o projeto. Uma desconexão fundamental entre a sofisticação tecnológica das estruturas e do artesanato tradicional exposto dentro delas ilustra um problema conceitual que mina o sentimento tênue de patrimônio e identidade do centro cultural. Este é um tema não intencional, mas que encaixa no contexto político complexo da comissão, nunca completamente resolvido através da arquitetura. Propôs-se que a tecnologia do centro atuasse como um mediador entre mensagens conflitantes culturais, impulsos de design e objetivos sistêmicos [3], mas esta é provavelmente só uma leitura otimista de um conflito insolúvel e um tanto perturbador.

© Flickr user xyotiogyo
© Flickr user xyotiogyo

A desconexão entre o tecnológico e o tradicional é uma faceta de uma tensão Framptoniana maior entre a identidade local e global que é muito familiar para o povo Kanak. Enquanto a forma do centro cultural é abstratamente bonita e ambientalmente pensativa, é inevitavelmente estranha para a cultura local da Nova Caledônia, assim como são os arquitetos e a tradição de construção a que eles pertencem. Mesmo os materiais de que as cascas são feitas, destinados a assemelharem-se à paleta de material natural de arquitetura tradicional Kanak, foram importados para a ilha para o projeto. Para uma cultura em busca de seu lugar em um mundo cada vez mais hostil e globalizado, podem encontrar pouco consolo para este problema na sua nova casa, não importa o quão espetacular e bem sucedida sua arquitetura pode ser.

© Flickr user Fourrure
© Flickr user Fourrure

Em última análise, estas questões sociopolíticas não resolvidas podem ser o preço do "Efeito Bilbao", na qual até mesmo os maiores e mais célebres projetos estrangeiros não podem preencher completamente o abismo entre os padrões arquitetônicos de concursos internacionais e o sentido da adequação regional, de modo exigido por centros culturais. No entanto, dizer que o esforço de Renzo Piano em Nouméa é admirável seria um eufemismo grave, como exemplo de criatividade formal e habilidades tecnológicas, o centro cultural é nada menos que um dos melhores e mais avançados projetos de seu tempo.

© Flickr user Eustaquio
© Flickr user Eustaquio

[1] Fondazione Renzo Piano. "Story - Jean-Marie Tjibaou Cultural Center." Acessado e 9 Set. 2014 em http://www.fondazionerenzopiano.org/project/85/jean-marie-tjibaou-cultural-center/genesis/.

[2] Losche, Diane. “Memory, Violence and Representation in the Tjibaou Cultural Centre, New Caledonia.” In Stanley, Nick, ed. The Future of Indigenous Museums: Perspectives from the Southwest Pacific. United States: Berghahn Books, 2007.

[3] Frosten, Susan. “Technology as Mediator: The Jean-Marie Tjibaou Cultural Center, New Caledonia.” Traditional Dwellings and Settlements Review, Vol. 14, No. 1. Fall 2002: p. 23.

  • Arquitetos

  • Localização

    Rue des accords de Mantignon
  • Área

    8550.0 m²
  • Ano do projeto

    1998

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: Langdon, David. "Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano" [AD Classics: Centre Culturel Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano] 18 Jul 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/791537/ad-classics-centre-culturel-jean-marie-tjibaou-renzo-piano> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.