O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Centro Cultural
  4. Nova Caledônia
  5. Renzo Piano Building Workshop
  6. 1998
  7. Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano

Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano

Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano
Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano, © Flickr user Fourrure
© Flickr user Fourrure

Sydney. Bilbao. Nouméa? Essas cidades são conhecidas, popularizadas, e foram revitalizadas por uma única intervenção estrangeira da arquitetura moderna. O fenômeno pelo qual isso ocorre, muitas vezes apelidado de "Efeito Bilbao", em referência ao museu icônico de Frank Gehry, é uma das contribuições mais fascinantes e desejadas da arquitetura moderna para o desenvolvimento econômico.

Nouméa - a capital da ilha do Pacífico da Nova Caledônia - pode parecer um desajuste na lista para aqueles que ainda não ouviram falar dela, mas certamente não é: dezesseis anos após a conclusão do Centro Cultural Tjibaou de Renzo Piano, o efeito econômico de transformação do projeto na cidade de Nouméa não foi menos dramático do que o de qualquer casa de ópera ou museu de maior renome tenha sido. Desde a conclusão do centro cultural, a Nova Caledônia encontrou-se no centro das atenções internacional de arquitetura, já que o design efêmero das conchas icônicas do edifício trouxe fama e oportunidades de negócios tanto para a ilha quanto para a empresa de Piano.

© Flickr user xyotiogyo © Flickr user Eustaquio © Flickr user saturnino Planta Baixa + 12

Se o governo da Nova Caledônia pretendia ou não trazer tanta atenção para a ilha tornou-se irrelevante após Piano ter sido selecionado como o vencedor de uma competição internacional, apenas para convidados, em 1991. O objetivo era solicitar ideias para um centro que iria celebrar a cultura nativa Kanak da Nova Caledônia e, no processo, acalmar as tensões étnicas que vinham cronicamente se deteriorando entre o povo Kanak e outros habitantes da ilha. O fato de que seria orquestrada uma busca de talentos internacional para reconhecer a cultura local foi fonte de ironia e crítica, ainda mais pungente pela relação historicamente tensa entre os Kanaks e a influência cada vez maior da modernização.

© Flickr user bectrynes
© Flickr user bectrynes

No núcleo da comissão estava a longa, complexa e muitas vezes conflituosa história entre os povos Kanak e os governantes descendentes de europeus da Nova Caledônia. A ilha de Grande Terre, colonizada por franceses no início do século XIX, tinha sofrido quase dois séculos de exploração de recursos naturais, opressão cultural e longos períodos de escravização dos Kanak. No final do século XX, a ilha passou por um longo e sangrento movimento de independência em nome do povo Kanak, conduzido em parte por Jean-Marie Tjibaou, a quem o Centro é nomeado, até seu assassinato em 1989. Foi neste contexto que o projeto foi concebido como um reconhecimento, há muito devido, a uma cultura marginalizada e financiado pelo governo francês. [ 1 ]

Deixando a política de lado, no entanto, é fácil de entender o que o júri viu no design elegante de Piano e como ele se tornou um objeto de reconhecimento internacional. Sensivelmente usando as casas dos chefes tradicionais Kanak como ponto de partida, os arquitetos manipularam e desconstruíram sua forma para criar uma sequência monumental de conchas arejadas e arredondadas. Dez delas se estendem ao longo da encosta, variando em altura de 20 a 28 metros e lançando uma presença dominante ao longo da costa do Pacífico. Dentro e entre elas, uma procissão cuidadosamente coreografada de espaços de museus leva os visitantes numa viagem deslocando-se entre espaços interiores íntimos e a paisagem circundante da ilha.

© Flickr user tim-waters
© Flickr user tim-waters
Interior de uma cabana Kanak. Image © Flickr user Eustaquio
Interior de uma cabana Kanak. Image © Flickr user Eustaquio

Como os arquitetos Kanak fizeram antes, o conceito de Piano enfatiza a influência do local e do ambiente como determinantes do projeto e performance. A forma das conchas mistura métodos de construção tradicionais e um perfil cônico, desmaterializando-se, que lindamente representa a textura das árvores ao redor. Vazios exteriores trabalhados na planta e aberturas do edifício abrem fisicamente o projeto ao entorno e aprofundam o senso de pertencimento dos habitantes. Um sistema de ventilação passiva inteligente elimina a necessidade de ar condicionado, fazendo com que o fornecimento de ar limpo e natural do edifício seja parte da experiência do design do centro cultural. Mesmo a inter-relação dos volumes construtivos, organizados em um layout semelhante ao plano grand allée das aldeias tradicionais Kanak, depende de um fluxo contínuo de circulação entre espaços internos e externos. [2]

© Flickr user saturnino
© Flickr user saturnino

O efeito é orgânico e atraente. A incompletude das conchas traz percepções aparentemente paradoxais de uma obra em andamento e um trabalho em ruínas que é, contudo, profundamente gratificante. Idealisticamente, talvez, essas geometrias incompletas refletem o sentimento de que a cultura Kanak continua a crescer e evoluir a partir de raízes antigas, assim como novas condições requerem que se adapte sua forma.

Planta Baixa
Planta Baixa
Corte
Corte
Planta Preliminar / Croqui de Composição da Fachada
Planta Preliminar / Croqui de Composição da Fachada

No entanto, apesar de todas as sensibilidades contextuais dos arquitetos, inconsistências inevitáveis ​​permeiam o projeto. Uma desconexão fundamental entre a sofisticação tecnológica das estruturas e do artesanato tradicional exposto dentro delas ilustra um problema conceitual que mina o sentimento tênue de patrimônio e identidade do centro cultural. Este é um tema não intencional, mas que encaixa no contexto político complexo da comissão, nunca completamente resolvido através da arquitetura. Propôs-se que a tecnologia do centro atuasse como um mediador entre mensagens conflitantes culturais, impulsos de design e objetivos sistêmicos [3], mas esta é provavelmente só uma leitura otimista de um conflito insolúvel e um tanto perturbador.

© Flickr user xyotiogyo
© Flickr user xyotiogyo

A desconexão entre o tecnológico e o tradicional é uma faceta de uma tensão Framptoniana maior entre a identidade local e global que é muito familiar para o povo Kanak. Enquanto a forma do centro cultural é abstratamente bonita e ambientalmente pensativa, é inevitavelmente estranha para a cultura local da Nova Caledônia, assim como são os arquitetos e a tradição de construção a que eles pertencem. Mesmo os materiais de que as cascas são feitas, destinados a assemelharem-se à paleta de material natural de arquitetura tradicional Kanak, foram importados para a ilha para o projeto. Para uma cultura em busca de seu lugar em um mundo cada vez mais hostil e globalizado, podem encontrar pouco consolo para este problema na sua nova casa, não importa o quão espetacular e bem sucedida sua arquitetura pode ser.

© Flickr user Fourrure
© Flickr user Fourrure

Em última análise, estas questões sociopolíticas não resolvidas podem ser o preço do "Efeito Bilbao", na qual até mesmo os maiores e mais célebres projetos estrangeiros não podem preencher completamente o abismo entre os padrões arquitetônicos de concursos internacionais e o sentido da adequação regional, de modo exigido por centros culturais. No entanto, dizer que o esforço de Renzo Piano em Nouméa é admirável seria um eufemismo grave, como exemplo de criatividade formal e habilidades tecnológicas, o centro cultural é nada menos que um dos melhores e mais avançados projetos de seu tempo.

© Flickr user Eustaquio
© Flickr user Eustaquio

[1] Fondazione Renzo Piano. "Story - Jean-Marie Tjibaou Cultural Center." Acessado e 9 Set. 2014 em http://www.fondazionerenzopiano.org/project/85/jean-marie-tjibaou-cultural-center/genesis/.

[2] Losche, Diane. “Memory, Violence and Representation in the Tjibaou Cultural Centre, New Caledonia.” In Stanley, Nick, ed. The Future of Indigenous Museums: Perspectives from the Southwest Pacific. United States: Berghahn Books, 2007.

[3] Frosten, Susan. “Technology as Mediator: The Jean-Marie Tjibaou Cultural Center, New Caledonia.” Traditional Dwellings and Settlements Review, Vol. 14, No. 1. Fall 2002: p. 23.

  • Arquitetos

  • Localização

    Rue des accords de Mantignon
  • Área

    8550.0 m²
  • Ano do projeto

    1998

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Renzo Piano Building Workshop
Escritório
Cita: Langdon, David. "Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano" [AD Classics: Centre Culturel Jean-Marie Tjibaou / Renzo Piano] 18 Jul 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/791537/ad-classics-centre-culturel-jean-marie-tjibaou-renzo-piano> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.