O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Museu
  4. Pavilhão Pierre Lassonde no Museu Nacional de Belas Artes de Quebec / OMA

Remodelaçao

Apresentado por the MINI Clubman

Pavilhão Pierre Lassonde no Museu Nacional de Belas Artes de Quebec / OMA

  • 05:00 - 27 Junho, 2016
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Pavilhão Pierre Lassonde no Museu Nacional de Belas Artes de Quebec / OMA
Pavilhão Pierre Lassonde no Museu Nacional de Belas Artes de Quebec / OMA, © Bruce Damonte
© Bruce Damonte

© Bruce Damonte © Bruce Damonte © Bruce Damonte © Bruce Damonte + 46

  • Arquitetos

    OMA
  • Localização

    Parc des Champs-de-Bataille, Quebec, Canadá
  • Projeto

    Expansão do Museu Nacional de Belas Artes de Quebec (MNBAQ)
  • Escritório de Arquitetura

    OMA (Nova York)
  • Colaborador Responsável

    Shohei Shigematsu
  • Arquiteto Associado

    Provencher_Roy Architectes (Montreal)
  • Cliente

    Museu Nacional de Belas Artes de Quebec
  • Área

    14900.0 m2
  • Ano do projeto

    2016
  • Fotografias

  • Equipe (OMA)

    Jason Long, Ceren Bingol, Patrick Hobgood, Luke Willis, Rami Abou-Khalil, Richard Sharam, Tsuyoshi Nakamoto, Sandy Yum, Sara Ines Ruas, Ted Lin, Markus von Dellingshausen, Andy Westner, Jackie Woon Bae, Carly Dean with Sue Lettieri, Michael Jefferson, Mathieu Lemieux Blanchard, Martin Raub, Demar Jones, Cass Nakashima, Rachel Robinson
  • Equipe (Provencher_Roy Architectes)

    Michel Roy, Claude Provencher, Pascal Lessard, Jonathan Audet, Réal Baril, Anik Bastien-Thouin, Mélanie Caron, Véronique De Bellefeuille, Konstantin Demin, Danielle Dewar, Daniel Legault, Layla MacLeod, Sonia Mailloux, Guillaume Martel-Trudel, Céline Coralie Mertenat, Katell Meuric, Fanette Montmartin, Franck Murat, Audrey Piché Mandeville
  • Estrutura

    SNC Lavalin
  • Instalações

    Bouthillette Parizeau / Teknika HBA
  • Código

    Technorm
  • Acústica

    Legault & Davidson
  • Circulação Verical

    Exim
  • Controle de Orçamento

    CHP Inc.
  • Iluminação

    Buro Happold
  • Projeto Fachada

    FRONT
  • Engenharia Fachada

    Patenaude Trempe, Inc., Albert Eskenazi, CPA structural Glass
  • Auditório

    Trizart Alliance
  • Assessor local (Concurso)

    Luc Lévesque
  • Construtora

    EBC
  • Mais informações Menos informações
© Bruce Damonte
© Bruce Damonte

Descrição enviada pela equipe de projeto. O Pavilhão Pierre Lassonde - do Museu Nacional de Belas Artes de Quebec - está interconectado porém díspar, como uma adição sutilmente ambiciosa em meio a cidade. Em vez de criar uma imposição icônica, forma novos vínculos entre o parque e a urbe, conferindo coerência ao MNBAQ.

Courtesy of OMA
Courtesy of OMA

O contexto complexo e sensível do novo edifício cria perguntas centrais que sustentam o desenho: como estender tanto o Parc des Champs de Bataille quanto a cidade para o seu interior? Como respeitar e preservar a igreja de Saint Dominique e criar uma obra persuasiva em Grande Allée? Como esclarecer a organização do museu e ao mesmo tempo crescer em escala? A solução do OMA foi agrupar as novas galerias requeridas em três volumes de tamanho decrescente para abrigar as exposições temporárias, coleções modernas, contemporâneas permanentes, artes decorativas e desenho, assim como obras de Arte Inuit (indígena), criando uma cascata ascendente desde o parque até a cidade. O edifício pretende entrelaçar a cidade, o parque e o museu como uma extensão dos três simultaneamente. 

© Bruce Damonte
© Bruce Damonte
Planta Baixa
Planta Baixa
© Bruce Damonte
© Bruce Damonte

Enquanto diminuem de secção, as galerias aparecem na planta emoldurando o pátio existente do claustro da igreja e a orientação do edifício em relação ao parque. O parque entra no museu (através de claraboias e janelas cuidadosamente projetadas) e o museu no parque (com a extensão das exposições no terraço e a escada pop-out ao ar livre).

© Bruce Damonte
© Bruce Damonte

A ampliação cria uma altura de 12.6m no hall principal, sob um espetacular balanço de 20m. O grande hall serve como interface para a Grande Allée, uma praça urbana para as funções públicas do museu e uma série de portas de entrada para a galeria, pátio e auditório.

© Bruce Damonte
© Bruce Damonte
Courtesy of OMA
Courtesy of OMA
© Bruce Damonte
© Bruce Damonte

A estrutura em balanço é suportada por um sistema de vigas em aço híbrido abrigando grandes galerias sem pilares. A fachada em camadas é tanto estrutural, quanto térmica e solar, frente as contraditórias necessidades de luz natural e isolamento térmico para o rigoroso clima invernal do Quebec. A fachada de vidro com três camadas é composta por uma fita impressa 2D que imita o padrão da estrutura de uma armadura, um relevo 3D de vidro e uma camada difusora. Nas galerias, as paredes isoladas encontram-se por trás do sistema de vidro translúcido, com um espaço intermediário que ilumina o edifício durante a noite como uma lanterna no pátio. O grande hall está rodeado por uma parede de vidro, com estruturas do mesmo material, que permitem vistas praticamente sem obstáculos, convidando o transeunte a entrar ao pavilhão Charles Baillairgé.

Courtesy of OMA
Courtesy of OMA

Como complemento aos espaços da galeria, estão o hall, salões de exposição, lojas e jardins para oferecer um híbrido de atividades, arte e passeios públicos. No caminho, orquestradas vistas desde a monumental escada em caracol e a escada  exterior voltam a conectar o visitante ao parque, a cidade e ao resto do museu. Dentro das galerias, entrepisos com vistas vinculam os espaços de exposição temporárias e permanentes. No ático de cada uma das galerias, existem espaços para exibições e atividades ao ar livre.

© Bruce Damonte
© Bruce Damonte

Novos espaços para exposições conectam-se aos edifícios existentes do museu através de um corredor de 130m de comprimento, criando um espaço permanente para os 40m da obra "Homenagem a Rosa Luxemburgo", de Jean -Paul Riopelle. Através de seu grande comprimento e das mudanças de nível, o corredor cria uma mistura surpreendente de espaços de galeria que conduzem casualmente o visitante, por todo o complexo do museu.

Courtesy of OMA
Courtesy of OMA

OMA wins competition for the Beaux Arts Museum in Quebec expansion

Ver a galeria completa

Sobre este escritório
OMA
Escritório
Cita: "Pavilhão Pierre Lassonde no Museu Nacional de Belas Artes de Quebec / OMA" [Pierre Lassonde Pavilion at the Musée National des Beaux-arts du Québec / OMA] 27 Jun 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/790153/pavilhao-pierre-lassonde-no-museu-nacional-de-belas-artes-de-quebec-oma> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.