O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Entrevistas
  3. “Reporting from the Front” na China: Uma Conversa com Zhang Ke do ZAO/standardarchitecture

“Reporting from the Front” na China: Uma Conversa com Zhang Ke do ZAO/standardarchitecture

“Reporting from the Front” na China: Uma Conversa com Zhang Ke do ZAO/standardarchitecture
“Reporting from the Front” na China: Uma Conversa com Zhang Ke do ZAO/standardarchitecture, © SU Shengliang. ImageMicro Yuan’er
© SU Shengliang. ImageMicro Yuan’er

Como arquiteto, não importa o quanto apoio você tenha, você sempre sente que está lutando sozinho. – Zhang Ke

O recente ponto de virada experimentado pela economia chinesa será possivelmente abordado em estudos futuros como sinal de uma nova era no país. A menor taxa de crescimento em 25 anos já causou profundos ecos no campo da arquitetura. Como um dos três participantes chineses na exposição central na Bienal de Veneza 2016, "Reporting from the Front", nessa entrevista o arquiteto Zhang Ke discute sua visão sobre a linha de frente da arquitetura na China, refletindo sobre as responsabilidades sociais dos arquitetos e sua visão sobre a arquitetura chinesa no futuro.

Centro de Visitantes Tibet Namchabawa. Imagem Cortesia de ZAO/standardarchitecture Centro de Visitantes Niyang River por standardarchitecture + Zhaoyang Architects. Imagem © Chen Su Micro-Hutong. Imagem © Zhang Mingming Micro-Hutong. Imagem © Su Shengliang + 14

Na linha de frente

Centro de Visitantes Tibet Namchabawa. Imagem Cortesia de ZAO/standardarchitecture
Centro de Visitantes Tibet Namchabawa. Imagem Cortesia de ZAO/standardarchitecture

Yifan Zhang: As mudanças na economia chinesa tem sido assunto em diferentes campos, desde o início deste ano.

Zhang Ke: Eu considero isso bom, e este ponto de inflexão poderia provavelmente ser a melhor coisa para os arquitetos.

Centro de Visitantes Niyang River por standardarchitecture + Zhaoyang Architects. Imagem © Chen Su
Centro de Visitantes Niyang River por standardarchitecture + Zhaoyang Architects. Imagem © Chen Su

YF: Mesmo que faça mais de cem anos desde que Louis Sullivan descreveu Mammon como o único deus de Nova York, a influência do capital nunca foi ceifada. Para a maior parte, capital e poder são gêmeos siameses. Nesta nova era iminente, em termos de capital, poder e arquitetura, qual a sua expectativa?

ZK: Continua sendo verdade. Não importa se a economia está indo para cima ou para baixo, arquitetura está sempre estreitamente relacionada com dinheiro e poder. Quando falamos sobre a "linha de frente" na China, há sempre duas dimensões a mencionar: a macro e a micro. A primeiro é estritamente relacionada ao poder e ao dinheiro. Pessoalmente, interesso-me muito por ambos os campos.

Mas, além da escala, há também uma coisa para manter sempre em mente, e isso é a "linha de frente" da humanidade – como tratamos as pessoas individualmente na cidade. As circunstâncias na China são muito excitantes para os arquitetos, porque estamos realmente na frente de batalha. Essa foi uma das razões que eu voltei para Pequim de Nova Iorque há cerca de 15 anos, quando as pessoas falavam sobre ir à China, mas poucos realmente faziam.

Micro-Hutong. Imagem © Chen Su
Micro-Hutong. Imagem © Chen Su

YF: Se você descrever como uma "frente de batalha", quem são seus inimigos e quem são os aliados?

ZK: Eu vejo inimigos em todos os lugares. Na verdade, nunca pensei em aliados. Como arquiteto, não importa o quanto apoio você tenha, você sempre sente que está lutando sozinho. Na China, eu diria desafios ao invés de inimigos, enquanto eu respeito concorrentes como aliados. O maior vilão não é alguém; é a cena em que as pessoas que não entendem a cultura são ricos e poderosos, o que tem gerado muitos kitschs por todo o país.

Estamos dentro da montanha e por isso não podemos ter a visão integral dela. Se você olhar a partir de uma distância, vai notar que há cada vez mais escritórios individuais que não são totalmente comerciais e orientados ao corporativo, alguns dos quais, como nós, não são práticas rentáveis. Definitivamente, eu não sou pessimista sobre a paisagem arquitetônica da China.

Centro de Visitantes Tibet Namchabawa. Imagem Cortesia de ZAO/standardarchitecture
Centro de Visitantes Tibet Namchabawa. Imagem Cortesia de ZAO/standardarchitecture

YF: Divergindo do antigo sistema de poder do órgão regulador governamental, alguns escritórios independentes, como o seu, estão arrastando a linha de frente da urbanização chinesa de enorme construções ocas de volta à arquitetura em uma escala humana. Esta é uma grande mudança a partir do macro para o micro.

ZK: Se é um projeto do governo, o sistema burocrático não terá recursos suficientes para executá-lo em pequena escala. Eles preferem dizer: "Ei, podemos fazer isso em um terreno de 2 hectares na cidade antiga?" É o próprio sistema de redesenvolvimento que é um problema, que pode ser visto em algumas das antigas cidades. Por exemplo, a renovação na área de Qianmen de Beijing – totalmente iniciada pelo sistema – acabou como um empreendimento imobiliário, acabando com todos os hutongs, erradicando a antiga malha urbana, que é um exemplo típico da estratégia que considera tudo, mesmo as cidades antigas, como uma tabula rasa para criar alguns centros comerciais. Quando você olha para as antigas cidades de uma perspectiva aérea, as cenas de propagação de locais de construção são, literalmente, como campos de batalha.

Eu acho que isso poderia gerar uma nova revolução na renovação urbana da China se começarmos com os pátios – com unidades habitacionais tradicionais – que é como um estudo biológico em que você faz a pesquisa genética de células, e em seguida, novas formas de vida podem ser criadas. O micro é o macro ao mesmo tempo. Em termos de renovação urbana, que é o campo de batalha atual da China, se você pode encontrar uma maneira de fazer progressos na micro escala, a energia que você consegue pode realmente fazer a diferença na escala global. Este é o ponto de partida para nós estabelecermos nossa "micro série", selecionando diferentes partes da cidade antiga de Pequim para realizar trabalhos de renovação na micro escala.

Macro e Micro

Micro-Hutong. Imagem © Zhang Mingming
Micro-Hutong. Imagem © Zhang Mingming

YF: Você pode contar algumas histórias das suas "micro séries"?

ZK: Realizamos algumas, e outras estão em construção. Nossa primeira experiência foi um pequeno pátio no hutong, que era inicialmente uma casa de 40 metros quadrados, sem um pátio. O projeto incluiu espaços pequenos espaços com um pátio comum, que era um espaço compartilhado com uma árvore faceado por 5 dormitórios escalonados. Esta, uma entidade heterogênea crescendo fora da antiga escala, é como um forte manifesto em termos formais. É o Micro Hutong.

Micro-Hutong. Imagem © Su Shengliang
Micro-Hutong. Imagem © Su Shengliang

IF: Eu fui a esse projeto, mas está fechado sem qualquer sinal de que está sendo usado. Está realmente funcionando bem?

ZK: No momento ele não está em uso devido a uma revisão da construção para mudar o material de construção de madeira para concreto. Mas um outro projeto – o Micro Yuan'er, que é uma biblioteca infantil e centro de artes – foi inaugurado na mesma região recentemente, após a sua segunda fase de construção, e é mais relacionado socialmente.

Em todos os hutongs de Pequim, a situação de vida atual com alta densidade, na verdade, tem um início elegante. Uma casa pátio comum com cerca de 200 metros quadrados de espaço era inicialmente para uma família. Nos últimos 60 anos, por conta da era socialista ou comunista, gradualmente, mais e mais famílias se mudaram para hutongs e cada única casa com pátio começou a ser dividida em propriedades para famílias diferentes. E os moradores construíram adições não autorizadas nos pátios – o que chamamos de situação de grandes pátios confusos – onde cada família tem em torno de 10 a 20 metros quadrados de área com pequenas ampliações, como uma cozinha crescendo para o pátio.

Essas chamadas adições não autorizadas têm formado redes sociais extremamente interessantes e qualidades espaciais. Todos os espaços resultam da negociação entre diferentes famílias, para que eles sempre funcionem, enquanto em uma maneira extremamente densificada. Mas, até agora, este tipo de instalações tem tido pouca atenção pública em termos de financiamento em renovações das cidades antigas. São, frequentemente, demolidas, que geralmente é a primeira coisa que o governo ou os projetistas fazem.

O "grande pátio confuso" desenvolvido por standardarchitecture na Biblioteca Infantil e Centro de Artes Micro Yuan’er. Imagem Cortesia de ZAO/standardarchitecture
O "grande pátio confuso" desenvolvido por standardarchitecture na Biblioteca Infantil e Centro de Artes Micro Yuan’er. Imagem Cortesia de ZAO/standardarchitecture

Com uma casa com pátio ocupada por cerca de 12 famílias antes, o que nosso projeto Micro Yuan'er tem feito é utilizar essas adições não registradas ou não autorizadas através do redesenho, reutilização e renovando-as em algo público para o bairro. Nós inserimos uma biblioteca infantil, um pequeno espaço de arte para a comunidade, um estúdio de dança, um estúdio de desenho, e uma sala para a aprendizagem de artesanato na hutong, cada um dos quais com cerca de 6 a 9 metros quadrados. No total, eles mantêm e conservam a qualidade espacial especial deste grande pátio confuso. Torna-se um lugar onde as pessoas ainda estão acostumados e claramente percebem algo contemporâneo acontecendo. O Micro Yuan'er é uma declaração muito forte sobre como devemos tratar nossa história urbana dos últimos 60 anos, do qual essa forma de vida também deve ser uma camada importante.

Além disso, temos um novo micro projeto em curso, o chamado pátio co-existente na região de Baitasi de Pequim. É um outro tipo de interpretação do genius loci. Você vai ver como ele vai ser em menos de um ano, quando a construção estiver concluída.

© SU Shengliang. ImageMicro Yuan’er
© SU Shengliang. ImageMicro Yuan’er

YF: Se elas são ampliações não autorizadas, como você falou, as coisas que você está fazendo vão contra as leis locais?

ZK: A existência não autorizada não é ilegal. É reconhecida, mas não é autorizada, que é a situação em quase todos os pátios em Pequim. Estas pequenas ampliações de 3 a 5 metros quadrados de cada unidade são uma forma muito interessante de arquitetura, porque eles foram todos concebidos pelas próprias pessoas que vivem nesse espaço. Eles são registrados no plano de pesquisa do governo, mas sem documentação de propriedade. Mas, você poderia imaginar, em Roma, por exemplo, derrubar algumas belas ampliações só porque não foram autorizadas 100 anos atrás?

Além disso, as coisas estão mudando. No ano passado, o governo local teve reuniões para dar a aprovação para determinados projetos pioneiros, incluindo o nosso. Mas, o restante destas adições nos pátios ainda estão em perigo de serem completamente dizimadas, que muito provavelmente vai acontecer se não fizermos algo para mostrar ao público e às autoridades que estes são realmente intrigantes relíquias culturais da nossa vida na Pequim contemporânea, que merecem mais respeito.

Micro-Hutong. Imagem © Zhang Yanping
Micro-Hutong. Imagem © Zhang Yanping

YF: Você vai trazer sua crítica e visão para Veneza?

ZK: Sim. É evidente  que vamos trazer a questão e o assunto a Veneza. Você vai ver alguns espaços interessantes lá, mas eu não vou dizer a você agora. (Risos)

A Nova Esperança

Micro Yuan’er. Imagem Cortesia de ZAO/standardarchitecture
Micro Yuan’er. Imagem Cortesia de ZAO/standardarchitecture

YF: O crescente número de escritórios independentes qualificados é certamente um bom sinal. Essas práticas emergentes costumam intervir na sociedade mais ativamente com as suas próprias atitudes.

ZK: O macro e o micro, visibilidade e invisibilidade, todos são arquitetura, que tem sido passiva durante séculos. Os arquitetos reais são semelhantes aos artistas, mas com menos auto-iniciativa. As mudanças de métodos de financiamento e de coleta de informação estão fazendo arquitetos cada vez mais proativos, com um número crescente de projetos que respondem às necessidades das pessoas e da sociedade. Desta forma, a arquitetura é cada vez mais ativa na mudança do que cidades poderiam e deveriam ser. Nós somos arquitetos, e vemos problemas com os nossos próprios olhos nus. E é claro que queremos criar visões, ao invés de estarmos satisfeitos pelo sucesso comercial, que é muito fácil na China.

Micro Yuan’er. Imagem Cortesia de ZAO/standardarchitecture
Micro Yuan’er. Imagem Cortesia de ZAO/standardarchitecture

YF: Este tipo de conversa sobre as responsabilidades sociais dos arquitetos é sempre encorajadora e bela. Mas, em uma sociedade de consumo, como o seu escritório segue com este tipo de mentalidade não-rentável?

ZK: Eu não acho que isso seja um problema. A sociedade da China tem crescido a este nível onde se você se dedicar a fazer esses tipos de projetos culturais inovadores então você vai ter várias fundações sociais para apoiá-lo. E eu acho que os empresários na China também oferecem grande ajuda. Contamos com o apoio de diferentes empresários. Algumas organizações oficiais também apoiam-nos, como a Associação Chinesa de Mulheres Prefeitas. Assim, há sempre um caminho. E sistematicamente, há crowdfunding. Enquanto nossos projetos construídos não pedem enormes quantidades de dinheiro, acho que seria capaz financiá-los, mas apenas se um projeto é realmente necessário pela sociedade, mesmo em uma escala urbana extensa.

Eu acho que uma coisa interessante acontecendo na frente da China é quão inovadores os arquitetos podem ser. Nós identificamos nosso próprio projeto, nós projetamos e propomos à sociedade. Se for realmente necessário por parte da sociedade, não vou me preocupar com a sustentabilidade financeira.

Centro de Visitantes Niyang River por standardarchitecture + Zhaoyang Architects. Imagem © Chen Su
Centro de Visitantes Niyang River por standardarchitecture + Zhaoyang Architects. Imagem © Chen Su

YF: Esta intenção proativa me lembra do termo do individualismo. Oscar Wilde descrito arte como a "mais intensa modalidade de individualismo." Dado o status quo da arquitetura, o que você acha que é a relação entre arte e arquitetura?

ZK: Eu acho que nas próximas décadas a fronteira entre arte e arquitetura poderia tornar-se mais interligada, com o fato de que os arquitetos podem ser cada vez mais auto-iniciados em vez de esperar para os clientes a encontrá-los ou competir para projetar bibliotecas, museus ou do governo edifícios. A arquitetura de hoje tem a oportunidade de se tornar verdadeiramente proativa novamente. O individualismo do nosso tempo moldou alguns grandes nomes, como Steve Jobs, Elon Musk. É a esperança do nosso tempo que o individualismo pode prevalecer em um mundo totalmente comercializado, com uma arquitetura mundialmente comercializada, também significa que não há individualismo que possa ser inteiramente individual. Se o seu interesse individual é também o interesse de cada indivíduo, será uma descoberta muito interessante. Acredito que essas possibilidades existem muito em nossa sociedade e em nossa profissão arquitetônica.

Micro-Hutong. Imagem © Chen Su
Micro-Hutong. Imagem © Chen Su

YF: Será que o crescente número de escritórios independentes na China intervindo no campo social resultam da ascensão do individualismo?

ZK: Eu realmente não sei. Espero que o individualismo esteja crescendo na China, e para cada indivíduo na sociedade são dadas mais possibilidades. Isso é parte da linha de frente. É por isso que eu acho que o status quo atual da China, com mais reflexão e possibilidades, seja ainda mais emocionante do que o período anterior do desenvolvimento selvagem. Além disso, estamos diante de uma nova geração que tem percepções mais globais agora, enquanto nós fomos chamamos de "nova geração" há dez anos. E, claro, nós nos encontramos mais e mais colaboradores e diretores do governo com fundos internacionais que são cultivadas em uma forma mais mundana, com melhor gosto depois de tudo. Isso faz parte da esperança.

Sobre o entrevistador: Yifan Zhang é um arquiteto e escritor com experiências de estudo e trabalho na China, Itália, Alemanha e Áustria.

Sobre este autor
Cita: Yifan Zhang. "“Reporting from the Front” na China: Uma Conversa com Zhang Ke do ZAO/standardarchitecture" [“Reporting from the Front” in China: A Talk with Zhang Ke of ZAO/standardarchitecture] 26 Mai 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/788033/reporting-from-the-front-na-china-uma-conversa-com-zhang-ke-do-zao-standardarchitecture> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nosso Canal de YouTube

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.