O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Museus E Espaços De Exposições
  4. Itália
  5. baukuh
  6. 2015
  7. Casa da Memória / baukuh

Casa da Memória / baukuh

Casa da Memória / baukuh
Casa da Memória / baukuh, © Stefano Graziani
© Stefano Graziani

© Stefano Graziani © Stefano Graziani © Giulio Boem © Stefano Graziani + 21

  • Arquitetos

  • Localização

    Via Federico Confalonieri, 14, 20124 Milão, Itália.
  • Área

    2500.0 m²
  • Ano do projeto

    2015
  • Fotografias

  • Desenvolvimento

    HINES ITALIA SGR SpA
  • Estrutura

    Arup Italia srl

  • HVAC

    Deerns Italia spa
  • Proteção Incêndio

    Gaeengineering srl
  • Supervisão

    J&A consultants srl
  • Construção

    Edilda Edilizia Lombarda spa
  • Cliente

    Prefeitura de Milão
  • Orçamento

    3.600.000 €
  • Mais informações Menos informações
© Stefano Graziani
© Stefano Graziani

Descrição enviada pela equipe de projeto. A Casa da Memória é um espaço coletivo onde os cidadãos de Milão esperam encontrar proteção para as memórias que querem preservar. Esta não é uma casa habitável, mas sim uma casa internacional compreendida como uma envoltória, um espaço protegido ou um abrigo que cristaliza a memória dentro do fluxo de uma metrópole. A casa se torna então um objeto para ser protegido e exibido, uma relíquia guardada por uma envoltória que defende e expõe seu conteúdo.

© Stefano Graziani
© Stefano Graziani

A relação entre memória e a Casa da Memória não é uma tradução direta. A Milão contemporânea não possui uma memória estável  e completamente compartilhada. Ao invés de considerar este projeto uma expressão de memória compartilhada, nós preferimos considerar uma ferramenta para discutir diferentes elementos que coexistem dentro de uma memória coletiva de cidade.

Corte
Corte

A Casa da Memória tenta fornecer um abrigo para as diversas memórias que são tecidas não só na sociedade contemporânea, mas também nas mentes de cada indivíduo. Memórias de longo prazo coexistem, assim, dentro de todos nós com as nossas próprias memórias fugazes, delicadas; memórias públicas andam de mãos dadas com as privadas; as memórias explícitas não podem ser separadas das inconscientes. Diferentes estilos de memória coincidem em um objeto que está pronto para estabelecer um diálogo com diferentes públicos, sem renunciar a possibilidade de fornecer uma representação unificada. Assim, um palco permanente aparece ao lado de um cenário em constante mudança, produzindo assim uma máquina de memória que é complexa e unívoca, lenta e em mutação, múltipla e imóvel.

© Stefano Graziani
© Stefano Graziani

Os interiores são inteiramente cobertos com grandes imagens que descrevem a história recente de Milão. As paredes do edifício são entendidas como um políptico contemporâneo: esta coleção de imagens tenta sugerir com grande imediatismo tanto a complexidade e a unidade ideal da memória coletiva de Milão. A fachada decorada, mais do que a definição de uma memória compartilhada, expõe a necessidade de tal partilha. Por esta razão, as imagens coletadas na Casa da Memória são ao mesmo tempo explicitamente monumental e deliberadamente frágil. Dada a sua construção, as imagens aparecem de maneira mais clara de longe e, em seguida, eles perdem a definição por que se aproximam: se dissolvem em uma espécie de poeira flutuante, como se fossem inseguras sobre a própria verdade que tão orgulhosamente expondo.

© Giulio Boem
© Giulio Boem

O programa iconográfico, cuidadosamente definido por um Comitê Científico, é composto de dezenove retratos de cidadãos milaneses anônimos, o que sugere a multiplicidade das populações que animaram a cidade no período do pós-guerra, e de oito imagens históricas que registram oito momentos da história recente da cidade, como a deportação para campos de concentração, a libertação do nazi-fascismo, a atentado de 12 de Dezembro de 1969 na Piazza Fontana . Esta decoração externa em alvenaria policromada estabelece uma relação direta com a tradição de edifícios da Lombardia, como o Ospedale Maggiore e Santa Maria delle Grazie.

© Stefano Graziani
© Stefano Graziani

As fachadas da Casa da Memória são inteiramente construídas em tijolos e combinam um quadro feito de pilares e vigas mestras com grandes campos de  recesso inteiramente ocupadas por imagens: dezenove quadrados com os retratos (4,6 x 4,6 m) e oito grandes retângulos com as cenas históricas (9.6 m de altura e com largura variável). Os elementos cerâmicos policromados, em um intervalo de seis cores diferentes, foram produzidos especialmente para dimensões específicas (5,5 x 5,5 x 12cm) por SanMarco SRL.

© Stefano Graziani
© Stefano Graziani

As imagens exibidas na fachada são o produto de uma série de elaborações baseadas em fotografias de arquivo. O resultado deste processo era uma matriz com números de 1 a 6 (correspondente aos diferentes tamanhos dos elementos cerâmicos). A matriz foi depois impressa e aplicado no local (em escala 1:1) a fim de orientar precisamente a disposição dos tijolos. A Casa da Memória é um edifício bastante simples: é uma caixa com uma base retangular de 20 x 35 m e 17,5 m de altura.

Planta - Térreo
Planta - Térreo

O edifício está dividido em três partes, que estão conectados por uma planta inteiramente aberta. Dois ambientes mais estreitos nas extremidades mais curtas ao longo do edifício abrigam o arquivo (ao sul), os banheiros e as instalações técnicas (ao norte), e a circulação vertical. O espaço aberto no piso térreo está subdividido em três partes, em duas colunas octogonais. Um terço desta área possui pé direito que chega a altura total do edifício e inclui uma escada em espiral. O restante é ocupado por espaços de exposição e escritórios dispostos em três níveis. Esta organização interna - com a enorme escadaria amarela inserida entre os três níveis de escritórios e espaços de exposição e os cinco níveis de arquivo - introduz uma escala maior no edifício. O contraste entre os níveis mais comprimidos do arquivo e a dimensão colossal da escadaria permite que as áreas de escritórios e de exposições adquiram espaço; o visitante percebe uma atmosfera mais vasta e generosa.

© Stefano Graziani
© Stefano Graziani

A escadaria amarela não é apenas principal elemento distributivo do edifício, mas também é o dispositivo que estabelece uma relação entre os visitantes e a coleção. Dado que a preciosidade do arquivo não permite que os visitantes acedam diretamente os documentos, a relação entre os cidadãos e a coleção é estabelecida através do movimento rotativo criado pela escada. O visitante vem para mais perto e depois se afasta da coleção repetidamente, enfrentando, assim, uma complexa sequência de pontos de vista dos documentos e, atrás deles as vistas do parque ao longe.

Corte
Corte

A Casa da Memória é um edifício extremamente compacto. Esta forma envolve uma redução significativa dos custos de construção e de manutenção, limitando a quantidade de superfícies externas com respeito ao volume total do edifício. A compacidade e a simplicidade extrema das soluções construtivas escolhidas em todo o edifício (pilares de concreto bruto, instalações aparentes) permitiu a manutenção de custos extremamente baixos de construção (cerca de 1400 € / m²).

© Stefano Graziani
© Stefano Graziani

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
baukuh
Escritório
Cita: "Casa da Memória / baukuh" [House of Memory / baukuh] 13 Nov 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Santiago Pedrotti, Gabriel) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/777032/casa-da-memoria-baukuh> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.