O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Sticky Airs, a fumaça como elemento espacial por C+arquitectos

Sticky Airs, a fumaça como elemento espacial por C+arquitectos

Sticky Airs, a fumaça como elemento espacial por C+arquitectos

No contexto do Festival de música, cultura e arte SOS 4.8. da Espanha, C+arquitectos juntamente com Miguel Mesa del Castillo e a Universidade de Alicante realizaram um pavilhão para instalar a singular temática de "O lado escuro da Festa." Isto tem relação com o efêmero dos efeitos, com o que fica de fora, com as hierarquias e rejeições que são construídos ou com a miséria do reconhecimento dos espaços quando as luzes se acendem.

Para construir este espaço Sticky Airs escolhe-se um material que responde a estas características e que também é parte das festas, a fumaça: é efêmero, em constante mudança, apenas é efeito. E ainda assim não é apenas utilizado como efeito, mas também como material para definir e qualificar o espaço do O Lado Escuro da Festa, explorando e extrapolando suas capacidades.

© Miguel de Guzmán © Miguel de Guzmán © Miguel de Guzmán © Miguel de Guzmán + 17

Assim, “constroem” apenas com vapor d'água, glicerinas, dióxido de carbono sólido, água quente, altas e baixas temperaturas e ventiladores para conseguir o maior número de efeitos possíveis e construir recintos temporários, paredes difusas, pisos flutuantes, cortinas refrescantes, barreiras de visibilidade, panos de fundo em constante mudança para abrigar e intensificar as instalações artísticas e as performances.

Sticky Airs, a fumaça como elemento espacial por C+arquitectos , © Miguel de Guzmán
© Miguel de Guzmán

A área do cenário é coberta com uma grande tela que contém fumaça e desprende vapor de água para transformar as condições de visibilidade e reduzir a temperatura. Funciona como uma cúpula celeste que aprece e desaparece em função da densidade de fumaça, e cujo padrão contém todos os componentes cosmopolíticos do ar, desde as partículas de polem a aviões e vírus, como se tratasse de uma visualização das atmosferas que criaram a fumaça.

© Miguel de Guzmán
© Miguel de Guzmán

O objetivo de Sticky Airs é trabalhar com políticas de visibilidade que performam, se apropriam ou redistribuem algumas das condições do lado escuro da festa. Por exemplo: se em espaços expositivos convencionais o espaço de circulação é o espaço vazio da visibilidade, aqui é invertido para se tornar um espaço repleto de fumaça onde prevalecem a incerteza, a desorientação e a surpresa. Este espaço pegajoso transcreve também condições de representação dos visitantes, diluindo sua idade, gênero ou etnia. Para as instalações artísticas, a variabilidade das rajadas de fumaça permite construir diferentes narrativas entre as obras, que também se vêm condicionadas pela espessura da fumaça.

© Miguel de Guzmán
© Miguel de Guzmán

Trabalhar com fumaça e água também tem implicações arquitetônicas que aprendemos durante o processo experimental de projeto e construção da instalação. É trabalhar sem forma, sem construir, sem definir limites. De fato, o que é sólido não são os limites, mas o espaço interno (evidenciando as atmosferas de Sloterdijk) e se trabalha com o vazio do ar. As paredes são substituídas por infraestruturas diferentes que resolvem as necessidades técnicas do espaço: orientação, evacuação, limite de acessibilidade, com materiais domésticos, como etiquetas fotoluminescentes, ventiladores ou escadarias.

© Miguel de Guzmán
© Miguel de Guzmán

Sticky Airs é, em definitivo, um experimento que trabalha com o difuso, o mutável, a incerteza, condicionando nossas experiências, colando em nosso corpo e transformando nossas foras de socialização e que desaparece enquanto se apagam as luzes das festa.

© Miguel de Guzmán
© Miguel de Guzmán

Projeto: C+arquitectos (Nerea Calvillo com Marina Fernández; projeto padrão cobertura: Ana Melgarejo)
Montagem: Oficina realizada com estudantes de arquitetura da Universidade de Alicante, dirigido por Miguel Mesa del Castillo:
María José Abellán, Mari Ángeles Aracil, Isabel Blanco, Maria Elena Carrión, Ester de Juan, Anabel de la Torre, Jose Alberto esteve, Joan Fernández, Alicia Fernández, Cristian Francés, Rosa Gómez, Paula González, Rebecca Guilabert, Esperanza Jurado, Antonio López, Manuel López, Begoña López, Eva Martín, Nuria Martínez, David Martínez, Agustín Morazzoni, Israel Pastor, Rosa Pérez, Mariana Tomás, Alejandra Vallejo.

© Miguel de Guzmán
© Miguel de Guzmán

Superfície: 650 m²
Localização: Murcia, Espanha.
Cliente: Festival de música, cultura e arte SOS 4.8.
Data: 2015
Fotografias e vídeo: Miguel de Guzmán

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Begoña Uribe
Autor
Cita: Uribe, Begoña. "Sticky Airs, a fumaça como elemento espacial por C+arquitectos " [Sticky Airs, el Humo como elemento espacial por C+arquitectos ] 13 Ago 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Santiago Pedrotti, Gabriel) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/771553/sticky-airs-a-fumaca-como-elemento-espacial-por-c-plus-arquitectos> ISSN 0719-8906