Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Fundação Iberê Camargo / Álvaro Siza Vieira

Fundação Iberê Camargo / Álvaro Siza Vieira

© Fernando Guerra |  FG+SG © Fernando Guerra |  FG+SG © Fernando Guerra |  FG+SG © Fernando Guerra |  FG+SG + 96

Museu  · 
Porto Alegre, Brasil
  • Arquitetos Autores deste projeto de arquitetura Álvaro Siza Vieira
  • Área Área deste projeto de arquitetura
  • Fotógrafo Created with Sketch.
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Acesita, Alpina Termoplásticos, BASF, Borg, Broilo & Cia, Comex, Concrepav, Dr Ind. Esquadrias Revestimentos, Eduardo Guedes, Elnecave, Engemix, Engepol, Ezalpha, Fike Latina, Fixo Mármore, Fleury Consultores, Fluid Systems, Fundação Gaia, Furação, Heating & Cooling, Hilti, Intellisistemas, Ispersul Engenharia Ltda, Johnson Controls, Knauf, Kretschmar, Lazaridis Marmore, Luiz Guichard, M.S.A. Madeiras, Magnetic Autocontrol, Marcecar, Mark Grundfos, Mineração Pratense, Mlc, Moschetta, N.Didini Engenharia, Netherland Engenharia, Npk Mármores, Parthenon, Projetos Avançados, Pró-Elétrica, Rcc Sistemas, Rockfibras, Scenotech, Siemens, Simag - Porseg, Solepoxi, Sony, Stemac, Suvinil, Tecnosystem, Ulma Andaimes, Umicore Brasil, York International, thyssenkrupp
  • Arquitetos Coordenadores

    Bárbara Rangel e Pedro Polónia
  • Arquitetos Colaboradores

    Michele Gigante, Francesca Montalto, Atsushi Ueno, Rita Amaral
  • Ano do projeto

    2008
  • Coordenador do Empreendimento / Gerente de Projeto

    José Luiz Canal
  • Consultor Geral

    Arq. Pedro Simch
  • Sondagens de fundações

    Eng. Everton Luis Granado Ghignatti
  • Projeto Implantação escavações/contenções

    Eng. Antônio Alberto Nascimbem Kenan
  • Projeto estrutural

    GOP + Eng. Jorge Nunes da Silva e Eng. Fausto Favale
  • Hidráulica

    Motter Engenharia Ltda + Eng. Antônio Motter, Grau Engenharia LTDA + Eng. Deborah Mota Parente e Eng. Valdernaque de Assis Melo
  • Elétrica

    Motter Engenharia Ltda + Eng. Antônio Motter
  • Incêndio

    RCC + Eng. Alexandre Rava Campos
  • Segurança

    Intellisistemas + Eng. Raphael Ronald Noal Souza
  • Climatização

    Heating Cooling Ltda + Eng. Antônio Carlos Zedik
  • Projeto de pavimentação e sinalização de tráfego

    Eng. Antônio Ricardo Froner de Souza
  • Concreto branco / laudos

    Leme – Engenharia Civil – UFRGS
  • Escavações

    LPM – Engenharia Minas – UFRGS
Mais informações Menos informações
© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Bases e Variações

Poderia haver sido um prisma retangular cujo comprimento mediria quarenta e um metros e meio, cuja largura mediria trinta e três, e cuja altura, vinte e cinco. Poderia haver sido quase o mesmo: três pavimentos elevados, formados cada um por três salas retangulares de exposições, dispostas em duas faces consecutivas, conectadas por rampas que circulam pelas duas outras faces. Assim, um átrio de quatro pavimentos de altura surge entre circulações e salas, criando uma simetria diagonal no interior do edifício.

Planta Piso 1
Planta Piso 1

Planta Piso 4 Esquisso 1 Corte 5 Alçado Norte + 96

Porém o edifício não é apenas uma regra. É sobretudo a materialização de um conjunto de variações. As rampas da regra primária, com uma extensão de quarenta e nove metros e cinquenta e oito centímetros dividida em dois segmentos perpendiculares em cada pavimento, de modo a alcançar os cinco metros e meio de pé-direito necessitaria ou uma inclinação de onze e um décimo porcento ou um aumento de  treze metros e trinta e nove centímetros na sua extensão com uma inclinação de oito vírgula setenta e três porcento. Logo a opção óbvia, a qual implica o primeiro conjunto de variações espaço-formais no edifício, é pelo aumento da extensão da rampa: o primeiro e aquele conjunto que irá determinar a identidade visual do edifício. A ordem do canto das salas de exposição é mantida; a ordem do canto das rampas é metamorfoseada. O perímetro original ainda permanece materializado nos dois outros cantos determinados pela diagonal oposta do retângulo, que recebe as duas escadas do edifício.

© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Mantendo o perímetro original do edifício, a posição original das rampas e os pontos inicial e final originais das pendentes, a única possibilidade espaço-formal para as rampas alcançarem sua necessária extensão é a irrupção de saliências externas e/ou internas. O edifício materializa ambas as possibilidades. As rampas originais são duplicadas em novas rampas bifurcadas: uma externa retilínea e uma interna curvilínea. Cada lance das rampas é formado a partir de três segmentos: três segmentos de reta no primeiro caso e três arcos no segundo. Cada lance atinge a mesma altura, a metade de um pé-direito, dois metros e setenta e cinco centímetros, e portanto tem o mesmo comprimento total como soma das componentes horizontais de suas pendentes. Entre as três rampas curvilíneas e as três rampas retilíneas surge um novo átrio: um externo e aberto, cujo teto é o próprio céu.

Maquete
Maquete

Maquete Maquete Maquete Maquete + 96

Conectando os pavimentos há sempre um lance de rampa curvilínea e outro de rampa retilínea: o percurso de subida ou descida intercala ambos os tipos de rampa. Porém visualmente cada tipo é agrupado como se criando uma falsa continuidade: dentro está à vista somente a ascensão dos três lances de rampa curvilínea; fora, preponderantemente os três lances de rampa retilínea. A realidade espacial do edifício integra; a realidade formal isola.

© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

O novo perímetro do edifício é agora materializado por uma curva formada por um arco maior central convexo e dois arcos menores laterais côncavos conectados por retas tangentes. Ele enfatiza o traço das rampas curvilíneas, porém a modifica ligeiramente, de tal modo que essas rampas sutilmente aparecem na fachada. Em frente e desgarrados dessa nova superfície curva os três lances visualmente contínuos de rampa retilínea circundam o átrio aberto. As rampas curvilíneas separam interior e exterior, elas são o único elemento que rompe o caráter preponderantemente ortogonal do edifício.

Corte C
Corte C

A partir de uma rampa de dois segmentos circundando um átrio fechado, duas rampas de três segmentos circundando dois atrios, um fechado e um aberto. Essa é a variação. Desde um prisma, uma rocha. Assim é a materialização do edifício.

Artigo escrito por Igor Fracalossi.

 

© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos

Localização do Projeto

Endereço: Avenida Padre Cacique, 2000, Porto Alegre - State of Rio Grande do Sul, Brasil

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Fundação Iberê Camargo / Álvaro Siza Vieira" 23 Out 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/755899/fundacao-ibere-camargo-bases-e-variacoes-alvaro-siza> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.