O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Cidades Fantasmas ao redor do mundo

Cidades Fantasmas ao redor do mundo

Cidades Fantasmas ao redor do mundo
Hashima Island © Flickr User CC filmmaker in Japan. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Hashima Island © Flickr User CC filmmaker in Japan. Used under Creative Commons

Este post foi feito por Cian O’ Driscoll, escritor do blog de lifestyle Raconteur Living, o qual explora arquitetura e cultura popular. Cian é atualmente mestrando de Ciência em Arquitetura no Cork Institute of Technology, Irlanda.

Cidades abandonadas são uma consequência infeliz da vida e do crescimento em nosso planeta. As razões para o abandono de uma cidade são tão variadas quanto as pessoas que habitaram seus edifícios e caminharam em suas ruas. Muitas dessas cidades são esquecidas e simplesmente alinham as páginas da história. Algumas são exemplos de mau planejamento urbano, algumas, o resultado do esgotamento dos recursos naturais, enquanto outras são lembranças tristes da fragilidade da vida em um mundo nuclear.

Abaixo estão algumas imagens impressionantes de cidades fantasmas por todo o mundo. Muitas dessas foram abandonadas durante décadas, no entanto, devido ao rápido crescimento e expansão, particularmente na China, estamos agora em uma era de cidades abandonadas "modernas".

Leia as histórias por trás destas cidades fantasmas modernas, a seguir...

Ilha de Hashima, Japão

Uma pequena rocha de 15 acres projetada a partir do oceano ao largo da costa de Nagasaki, Japão - conhecida como Hashima Island - já foi um centro de mineração de carvão que prosperou por quase um século. A ilha fica no topo de um depósito de carvão que desce fundo no oceano abaixo. Em 1890, o carvão foi aproveitado pela Corporação Mitsubishi do Japão, que por sua vez comprou Hashima das famílias locais que a possuíam, período no qual o auge da cidade se iniciou. Em vez de transportar os trabalhadores necessários para explorar os depósitos de carvão, a Mitsubishi construiu uma cidade para os seus trabalhadores na ilha. No seu auge, em 1959, a Ilha de Hashima foi a cidade mais densamente povoada da Terra, com 5.259 habitantes, isto é, 835 pessoas para cada 2,5 hectares. Em 1974, o petróleo havia ultrapassado o carvão como principal fonte de energia do mundo e a empresa divulgou que a mina seria fechada. Em abril de 1974, o último dos habitantes foi transportado para o continente e a ilha foi definitivamente fechada.

Pripyat, Ucrânia

Hospital in Pripyat. © Flickr User CC abandonia. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Hospital in Pripyat. © Flickr User CC abandonia. Used under Creative Commons

Em 1970, o governo soviético construiu uma pequena cidade para os trabalhadores das centrais nucleares de Chernobyl. A cidade de Pripyat desfrutava de conveniências que muitas outras cidades soviéticas apenas invejavam: arranha-céus de apartamentos, escolas, um centro cultural, hospitais, piscinas, teatros, lojas, restaurantes, cafés, parques infantis e um estádio. Na manhã de 26 de abril de 1986, no entanto, esta cidade seria irreversivelmente alterada. No dia seguinte ao desastre da usina de  Chernobyl, enquanto helicópteros zumbiam e a fumaça grossa subia do reator quatro, o governo soviético solicitou a evacuação imediata da cidade. Os moradores foram informados de que tinham duas horas para recolher todos os pertences essenciais e embarcar em um ônibus para a evacuação obrigatória. Eles foram informados de que a sua evacuação seria apenas temporária, para talvez três dias, no máximo, e assim, os residentes deixaram a maioria de suas roupas, fotografias, brinquedos e animais de estimação da família para trás. Os 50.000 cidadãos partiram de Pripyat em uma linha de ônibus de Kiev, todos à espera de ver a sua cidade natal de novo em poucos dias. Eles nunca iriam voltar.

Ordos, China

Antes de mencionar Ordos, vale a pena fazermos um desvio fascinante por Hong Kong. A cidade de Kowloon Walled era um povoado densamente povoado e em grande parte sem governo, em Kowloon, Hong Kong. No passado, na Dinastia Song, serviu como um posto militar para defender a área contra piratas e gerenciar a produção de sal antes de passar a ser de domínio britânico. Durante a ocupação japonesa na II Guerra Mundial a população inchou, já que milhares de residentes de Hong Kong procuraram refúgio no enclave improvisado. Uma vez que o Japão se rendeu a partir da cidade, a população aumentou drasticamente novamente com numerosos invasores chegando.

Kowloon Walled City. © Ian Lambot
Kowloon Walled City. © Ian Lambot

No início dos anos 1980, transformou-se um paraíso para os criminosos e conhecida por casa de bordéis, cassinos, salões de cocaína e antros de ópio. A cidade tornou-se o foco de uma crise diplomática entre a Grã-Bretanha e China, que se recusavam a assumir sua responsabilidade. Eventualmente, ambas as autoridades britânicas e chinesas concluíram que a cidade estava cada vez mais insuportável, apesar das taxas de criminalidade mais baixas em anos posteriores. Desgovernada por normas de saúde e segurança ou quaisquer códigos de construção, a qualidade de vida e as condições sanitárias em que os cerca de 50 mil habitantes viviam foi motivo de muita preocupação. Em 1991, a evacuação da cidade Walled começou. Muitos moradores protestaram contra a evacuação e demolição, mas apesar disso, a compensação e realojamento dos moradores custou ao governo US $ 2,7 bilhões de dólares de Hong Kong, e os últimos moradores saíram no início de 1992. Os anos seguintes viram o nivelamento de toda a cidade e em 1995 o Parque Kowloon Walled foi aberto no local onde esta vergonhosa cidade ficava.

Apesar de Kowloon Walled City nunca ter sido tecnicamente uma "cidade fantasma", foi o precedente para a atual onda chinesa, as cidades "vazias". Desde Kowloon, a China continuou a crescer em um ritmo sem precedentes: estima-se que 20 milhões de pessoas migram das zonas rurais para as cidades todos os anos. Em um esforço para compensar a criação de centros urbanos informais como Kowloon, e em antecipação de crescimento e expansão, a China estabeleceu massivas cidades planejadas  -  mas o desenvolvimento superou o afluxo de residentes propostos. Embora este problema possa ser visto em muitos países, como a Irlanda, particularmente em Ordos, na Mongólia, ele pode ser testemunhado em uma escala maciça.

Essas cidades fantasmas, com pontes para lugar nenhum e estradas vazias, alimentam o ceticismo de muitos analistas ocidentais que consideram a economia chinesa desequilibrada. Em 2011, a porcentagem da população chinesa em áreas urbanas chegou a um surpreendente 51,3%, comparado com menos de 20% em 1980. A OECD (Organização para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento - Organisation for Economic Co-operation and Development) projeta que a população urbana já descontrolada da China vai expandir por mais de 300 milhões de pessoas em 2030 - uma adesão quase igual ao da população atual dos Estados Unidos. 

A confiança chinesa em sua urbanização colossal é reforçada pelos muitos exemplos de projetos urbanos de "vazios", tais como Shangai Pudong. Construído no final de 1990, Shanghai Pudong permaneceu vazio por um longo período, mas lentamente foi sendo ocupado. Possui hoje uma população de cerca de 5,5 milhões. A China não espera para construir novas cidades. Em vez disso, o investimento e a construção deve estar alinhada com o fluxo futuro de moradores urbanos. Os empregos em áreas urbanas explodem em um ritmo consistente e o desenvolvimento de infraestruturas e alojamentos em antecipação ao crescimento têm sido sempre parte do grande plano da China. O que todo o resto do mundo pode fazer é simplesmente assistir à maior urbanização que o mundo já viu.

Referências

Comentário de Stephen Roach, economista-chefe e membro sênior Jackson da Universidade de Yale Instituto de Assuntos Globais, publicado no Project Syndicate.

Relatório McKinsey em urbanização crescente na China e megacidades.

Artigo de pesquisa por Elfar Petursson, Universidade da Islândia.

Via Raconteur Living

Sobre este autor
Vanessa Quirk
Autor
Cita: Quirk, Vanessa. "Cidades Fantasmas ao redor do mundo" [Ghost Cities Around the World] 15 Fev 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Britto, Fernanda) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/97622/cidades-fantasmas-ao-redor-do-mundo> ISSN 0719-8906