O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. O dinamismo do Eli and Edythe Broad Museum de Zaha

O dinamismo do Eli and Edythe Broad Museum de Zaha

O dinamismo do Eli and Edythe Broad Museum de Zaha
O dinamismo do Eli and Edythe Broad Museum de Zaha, © Paul Warchol
© Paul Warchol

"Quando você se aproxima do novo Museu Eli and Edythe Broad de Zaha Hadid , em East Lansing, Michigan, é a complexa carapaça que capta luz que primeiro sobressai aos olhos - um bom choque após os edifícios de tijolo, neo-góticos que definem o resto do Campus da Michigan State University. Aproxima-se e suas barbatanas ondulantes, abrindo e fechando em uma assimetria rítmica, começam a seduzir a mente. Em alguns lugares, movendo-se com rangidos em ângulos agudos e em outros permitindo respirar por longos trechos ao longo da fachada rebaixada, as barbatanas parecem ser a expressão de alguma equação de grade de flexão superior."

O escritor que mora no Rio de Janeiro, Robert Landon dividiu conosco sua experiência explorando o recém concluído Museu Eili and Edythe Broad, em Michigan, de Zaha Hadid .

Em uma tentativa semiconsciente de resolver a matemática, você começa a circundar o edifício. Em determinados pontos, as barbatanas se abrem o suficiente para vislumbres generosos da parte interna, mas conforme você se movimenta, os segredos internos desaparecem novamente atrás da estrutura de metal. Da mesma maneira, a carapaça implacavelmente cinética provoca, mas finalmente se esquiva, qualquer soma lógica ou resumo definitivo. O que é certo, porém, é que, no momento em que você vir um círculo completo, você terá ficado curioso o bastante para ver o que está acontecendo lá dentro.

© Paul Warchol
© Paul Warchol

Ironicamente, todo esse drama semiconsciente cai fora conforme você anda para o hall principal do museu. Estreito e sem adornos, é formado da mais humilde das geometrias: uma linha única e reta - neste caso, a distância mais curta entre as duas entradas em cada extremidade do edifício. A clareza do hall serve como um tipo de “limpador” do palato mental, antes de entrar nas galerias que levam para fora. Ao mesmo tempo, é um palimpsesto fascinante colocando em camadas metáfora sobre função pura. Construído sobre uma antiga vereda esculpida ao longo dos anos por estudantes e funcionários, segue-se um atalho favorito entre a cidade de East Lansing e o coração do campus. Assim, o salão aproveita o fluxo natural do tráfego de pedestres para disputar visitantes, e ao mesmo tempo articula uma nova ponte imaginativa entre a universidade e o resto do mundo. Mas a metáfora vem com uma advertência, pois se você acabou de ir em frente sem olhar para a esquerda ou direita, você vai perder um grande negócio. Para ver as coisas realmente boas, você tem que enfiar o nariz no seu caminho nas reviravoltas e recantos do edifício.

E existem muitas delas quando você entra nos espaços das galerias. A área útil de cobertura do edifício de dois andares é relativamente pequena. Em resposta, Hadid disse na inauguração do museu que ela empregou formas trapezoidais para “explodir o local e alongar o espaço em um canto escondido do campus. Ao invés de silêncio, solenidade e reverência, queríamos criar uma sensação de dinamismo."

© Paul Warchol
© Paul Warchol

Para este efeito, as galerias brancas atiram-se para fora de uma escada central, com diferentes graus de acuidade. Duas assumem a forma de uma longa e fina faca de um chef, enquanto as mais brilhantes e grandiosas se projetam em direção à rua, como a proa de um navio que range um pouco. Juntando todas é uma escada de complexidade quase enlouquecedora. Você precisaria de um fio de prumo para saber qual caminho é para cima, exatamente.

E apesar de ter sido minha experiência com todas essas formas de chamar atenção, elas não desviam a atenção da própria arte. Hadid de certa forma também conseguiu esculpir vazios em abundância para a arte ocupar. Na verdade, eu achei as formas agudas realmente soltas do solo da mente o suficiente para que eu pudesse absorver as obras de uma forma mais direta. Alguns críticos, sem dúvida, irão descartar todo o projeto como look-at-me starchitecture. E eles não estão errados, exatamente. Mas chamar atenção é, na verdade, central para o programa arquitetônico em si, como Eli Broad disse no dia da inauguração do museu. “Nós queríamos algo que fosse icônico”, ele disse, “Nós queríamos ampliar a imaginação da universidade e da comunidade ao redor – algo que atrairia pessoas de todo o mundo.” 

© Paul Warchol
© Paul Warchol

E eu suspeito que as multidões virão. Talvez não virão aos milhões como em Bilbao, mas certamente o museu irá reformular o local de East Lansing no imaginário popular. Ao mesmo tempo, as dimensões relativamente pequenas do projeto – Hadid não parava de se referir a ele como um tipo de “caixa de joias” - não deixa que o museu perturbe tanto a paisagem urbana ou o campus, apesar de todos os óbvios, até mesmo agressivos, contrastes. Em qualquer caso, a modesta Michigan State University merece fazer um pouco de alarde. A primeira universidade que foi concedida terra dos Estados Unidos tem feito um bom trabalho de preparação de literalmente centenas de milhares de agricultores, engenheiros, educadores e cientistas desde 1855. E estes dias, está tranquilamente enfrentando muitos dos desafios mais urgentes do mundo, desde energia alternativa à água limpa e a segurança alimentar. Então, por que não um pouco de exibicionismo?

© Paul Warchol
© Paul Warchol

Falando em shows, Hadid mesma chegou tarde às cerimónias de abertura do museu, embora tenha oferecido uma desculpa decente: ela tinha sido convocada na última hora pelo Palácio de Buckingham para a sua investidura na Ordem do Império Britânico. Como resultado, nós membros da imprensa chegamos a ver o museu antes da própria Hadid. Depois de um banquete comemorativo, eu estava, coincidentemente, de pé dentro de entrada do museu quando Hadid, desacompanhada, finalmente entrou. Eu perguntei se esta era de fato sua primeira vez vendo sua criação. Tendo acabado de ouvir um discurso em que ela rejeitou o jogo de "massagem" de egos e de "jogar bonito", me considerei sortudo com a resposta que recebi - um aceno de cabeça muito leve, mas afirmativo lançado para trás em minha direção. Eu assisti por um tempo como ela continuou sua procissão solitária nas formas loucas e bonitas que, anos antes, haviam tomado forma primeiro por trás desses escuros, brilhantes, altivos, olhos de pálpebras pesadas dela.

Encontre mais detalhes do projeto aqui no ArchDaily.

Mais sobre Robert Landon, visite Atelier Gados: Stitching Spaces.

Sobre este autor
Fernanda Britto
Autor
Cita: Fernanda Britto. "O dinamismo do Eli and Edythe Broad Museum de Zaha" 19 Dez 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/87028/o-dinamismo-do-eli-and-edythe-broad-museum-de-zaha> ISSN 0719-8906