O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Centro de Documentação e Informação, Palácio de Belém / Carrilho da Graça Arquitectos

Centro de Documentação e Informação, Palácio de Belém / Carrilho da Graça Arquitectos

Centro de Documentação e Informação, Palácio de Belém / Carrilho da Graça Arquitectos
Centro de Documentação e Informação, Palácio de Belém / Carrilho da Graça Arquitectos, © Maria Timóteo
© Maria Timóteo

 

por João Luís Carrilho da Graça

[terra]

Para explicar a intervenção gosto de recuar no tempo e começar por imaginar a praia e perto dela um rochedo onde começou por ser contruído um isolado convento arrábido. Num segundo tempo constrói-se esta bela « vila » italiana no centro de uma série de plataformas ajardinadas com as quais se articula. sente-se muito a terra como massa contida da qual nasce a vegetação e as árvores. a terra é ao mesmo tempo o suporte do construído.

© FG + SG - Fernando Guerra, Sérgio Guerra

O palácio, visto do exterior, tem uma escala pequena e amável. a qualidade e intensidade da sua presença têm mais a ver, sobretudo com os espaços abertos que o envolvem. quando, no entanto, entramos no seu interior, apercebemo-nos de uma escala e um sentido aúlico claramente assumidos. A verticalidade e elegância dos salões é inesperada. esta revelação é sempre mediada por espaços e elementos de transição interior-exterior – terraços, »loggias », varandas, portas e janelas.

© FG + SG - Fernando Guerra, Sérgio Guerra

A intervenção consiste basicamente na introdução de mais uma plataforma de terra, hoje construída de uma maneira mais complexa e sofisticada que as anteriores. esta plataforma interessa sobretudo como plano de referência num espaço cartesiano. O nível a que se constrói esta plataforma e os seus limites geométricos introduzem uma ordem de diálogo. as suas medidas foram-se fixando e permitindo a pouco e pouco a aceitação do programa e a sua perfeita ligação ao existente. a pequena escala no exterior e a ressonância do palácio no interior. A terra para além de suporte é matéria de construção, com a água, a pedra, o aço e o vidro a limitá-la.

© Maria Timóteo

[espaço]

A massa de terra sob a plataforma de relva é escavada e construída de dentro para fora. o carácter destes espaços interiores vai-se deduzindo a partir dos espaços do palácio.

Cortesia Carrilho da Graça Arquitectos

 

[conceito]

Depois de assistir a uma das minhas conferências, henry ciriani propôs uma interpretação dos meus trabalhos : um dos aspectos principais e recorrentes passa pela definição de um novo planohorizontaldereferência -nestecasooplanodarelva–apartirdoqualoprojectose constrói em positivo e negativo.

© Maria Timóteo

Penso que tinha razão nesta interpretação. os arquitectos procuram sempre propor sínteses estáveis no tempo. as escalas de desenvolvimento das cidades e um certo indeterminismo e descontrole que lhes está associado fez-nos perder capacidade de previsão do futuro do espaço urbano.

Axonométrica explodida
Planta

Em arte existe a noção de « campo » que é a prévia definição do espaço da intervenção. a necessidade que sinto de redefinir um plano horizontal de referência corresponde à definição do « campo ». materializado, este funciona como a folha branca ou a tela ou o palco iluminado no teatro ou na dança. o plano horizontal de relva, abstracto e matérico é a convenção necessária num universo fragmentário e ligeiramente caótico.

 

Ficha técnica:

Equipe:

  1. Projeto: João Luís Carrilho da Graça, arquitecto
  2. Colaboradores: Anne Demoustier, Giulia de Appolonia,  João Maria Trindade,  Mónica Margarido,  João Manuel Alves, Susana Rato, arquitectos; Nuno Pinto, desenhador; João Rosário, modelação gráfica.

 

 

 

 

 

Informação Complementar:

  1. Fundações e estrutura: AFA consultores de engenharia – Pedro Morujão
  2. Instalações hidráulicas e de gás: AFA consultores de engenharia – Paulo Silva
  3. Climatização: José Galvão Teles, engenheiro
  4. Instalações elétricas , telecomunicações s e seguração: Ruben Sobral, engenheiro
  5. Projeto de segurança: EACE, João Caxaria
  6. Paisagismo: GLOBAL, João Gomes da Silva, arquitecto paisagista
  1. Área: 14.200 m2
  2. Custo: 4.000.000€
  3. Promotor: Presidência da República Portuguesa

 

 

Cita: Gica Fernandes. "Centro de Documentação e Informação, Palácio de Belém / Carrilho da Graça Arquitectos" 12 Mar 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/37199/centro-de-documentacao-e-informacao-palacio-de-belem-carrilho-da-graca-arquitectos> ISSN 0719-8906