O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Concursos
  3. Prêmio Secil Universidades – Arquitetura: Megaestrutura - Infraestrutura / Fábio Rosado

Prêmio Secil Universidades – Arquitetura: Megaestrutura - Infraestrutura / Fábio Rosado

Prêmio Secil Universidades – Arquitetura: Megaestrutura - Infraestrutura / Fábio Rosado
Prêmio Secil Universidades – Arquitetura: Megaestrutura - Infraestrutura / Fábio Rosado, Perspectiva 1
Perspectiva 1

O Prêmio Secil Universidades tem como objetivo incentivar a qualidade do trabalho acadêmico e o reconhecimento público de jovens oriundos das Escolas de Arquitectura e Engenharia Civil portuguesas. São atribuídos 5 prêmios na categoria arquitetura. Abaixo um dos vencedores da edição 2011: Arquitetura: Megaestrutura – Infraestrutura / Fábio Rosado.

O trabalho desenvolvido surge como a articulação de três premissas: o método construtivo, a dialética com o Lugar e a necessidade de um edifício multifuncional. Estes três factores são indissociáveis e intimamente interligados entre si.

O edifício surge pela urgência da ligação de duas zonas histórica e fisicamente desligadas: o plano consolidado e denso de Ressano Garcia, e o Bairro do Rego, zona desde há muito qualificada como território insular urbano. Esta cisão é materializada sob a forma de uma linha ferroviária de grande movimento, eixo vital de circunvalação da cidade, que evidencia o carácter quase suburbano deste bairro de origem rural, oposto ao sobranceiro paradigma da cidade moderna. Como tal, a estratégia urbana aponta para a criação de uma ligação física entre ambas as margens, que as conecte e unifique. Surge assim o conceito de edifício-ponte, uma estrutura que crie um novo percurso urbano ao mesmo tempo que acolhe diferentes usos.

Maquete - Localização

Desenhada enquanto parte de um tecido urbano proposto pelo plano urbano adoptado, esta ligação sugere assim o mimetismo de sistemas urbanos consolidados como o é a rua. Então, e por definição, o percurso não se deve reduzir a mero espaço de circulação mas deve oferecer possibilidades de apropriação e articulação de diversas funções. O volume que o acolhe e define enquanto rua é logicamente multifuncional, sob a forma de um edifício de usos mistos que inclui habitação, estúdios, espaços comerciais, e um polidesportivo na base. As funções que o edifício alberga são portanto o motor que justifica a rua criada: habitações experimentais que recebem estudantes e jovens em início de vida, tipologias recorrentes que lhe atribuem um fluxo contínuo de pessoas e vivências, ou o polidesportivo já proposto para aquela zona.

Perspectiva 2

Estas duas premissas estão portanto intimamente ligadas e em comunhão, no que formal e conceptualmente se aproxima da Megaestrutura multifuncional, que enquanto infraestrutura pública pretende estabelecer novas ligações urbanas.

Maquete - Estrutura

Complementarmente, o método construtivo desenvolvido é indiciado pelo plano urbano adotado e está por isso, justificado pelas condições do lugar. É proposta a criação de um corredor natural, um parque linear contínuo de escoamento das águas pluviais da cidade que redescobre a linha de vale que une as Galinheiras a Alcântara.

Localização

Devido à coincidência topográfica, o corredor natural desenha-se ao longo da linha ferroviária que divide as áreas que o projecto pretende unir. Dessa forma, o sistema construtivo aplicado não é mais do que uma ilação lógica, justificada nessa vontade do edifício brotar do terreno natural mais do que a ele se impor. O edifício integralmente construído em madeira sugere esse sentido tectónico e algo bucólico, enquanto recusa a industrialidade associada a uma infraestrutura pública tão marcante no terreno como a linha ferroviária.

Perspectiva 3

O edifício consegue assim articular e dar resposta às questões levantadas no início do processo de forma simples e eficaz, reformulando esse pequeno pedaço de tecido urbano, cozendo ambas as margens e consolidando a zona. Contudo, o seu valor não se esgota nas qualidades urbanas que afere ao lugar, mas também na sua excepcionalidade enquanto objecto, enquanto edifício uno e qualificado.

Perspectiva 4

 

Ficha técnica:

  • Arquitetos:
  • Ano: 2010
  • Endereço: Entrecampos/Rego Lisboa Portugal
  • Tipo de projeto: Uso Misto
  • Operação projetual:Ampliação
  • Status:Concurso
  • Materialidade: Madeira
  • Estrutura: Madeira
  • Localização: Entrecampos/Rego, Lisboa, Portugal

Equipe:

  1. Aluno: Fábio Rosado
  2. Docentes: Orientador: Nuno Mateus; Co-orientador: Paulo Almeida
  1. Faculdade: Faculdade de Arquitectura de Lisboa – Universidade Técnica de Lisboa

Sobre este autor
Joanna Helm
Autor
Cita: Joanna Helm. "Prêmio Secil Universidades – Arquitetura: Megaestrutura - Infraestrutura / Fábio Rosado" 08 Mar 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/36903/premio-secil-universidades-arquitetura-megaestrutura-infraestrutura-fabio-rosado> ISSN 0719-8906