O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Museu
  4. Israel
  5. James Carpenter Design Associates
  6. 2010
  7. Museu de Israel / James Carpenter Design Associates + Efrat Kowalsky Architects

Museu de Israel / James Carpenter Design Associates + Efrat Kowalsky Architects

Museu de Israel / James Carpenter Design Associates + Efrat Kowalsky Architects
Museu de Israel / James Carpenter Design Associates + Efrat Kowalsky Architects, © Tim Hursley
© Tim Hursley

© Tim Hursley © Tim Hursley © Tim Hursley © Tim Hursley + 26

  • Engenheiros Estruturais

    J. Kahan & Partners
  • Projeto de Iluminação

    Tillotson Design Associates
  • Gráficos

    Kasher Visual Communications
  • Paisagismo

    West End Architects and Environmental Planners
  • Gerente de Projeto

    Nizan-Inbar
  • Empreiteiro Geral

    Danya Sebus
  • Planejamento da Renovação

    Efrat Kowlasky Architects
  • Mais informações Menos informações

Descrição enviada pela equipe de projeto. James Carpenter Design Associates liderou a reorganização, expansão e nova construção do Museu de Israel, Jerusalém, enquanto o Efrat-Kowalsky Architects foi responsável pela renovação dos edifícios existentes do museu. A expansão envolve a nova construção (aproximadamente 95,000 m²), a reorganização da circulação dos visitantes, Pavilhões de Entrada e um Pavilhão de Entrada da Galeria, melhorando a acessibilidade. A renovação das galerias existentes abrange cerca de 100.000 m². A qualidade de luz particular de Jerusalém, resultado da longitude e da latitude, do clima, da geografia e da topografia, é única. Nós acreditamos que parte integrante da experiência do lugar seja a experiência da luz e, em vista de sua história cultural, a particularidade da luz em Jerusalém é evidentemente poderosa. A abordagem do JCDA para a renovação e expansão do Museu de Israel foi a de misturar nossa cuidadosa consideração pela luz na paisagem com uma atenção rigorosa ao ambiente construído existente. Visitas iniciais ao museu estabeleceram a necessidade de reconectar o existente, e extraordinário, jardim de Isamu Noguchi com a interpretação regional de Alfred Mansfeld da arquitetura moderna. Uma das orientações principais foi dissolver as barreiras entre o jardim e  as construções interiores e transformar a condição de luz intensa do Mediterrâneo, que para um museu pode ser um problema, em uma oportunidade de integrar uma experiência sensorial de luz. Nosso projeto organiza e insere luz e informação de luz na nova arquitetura. Esta informação especificamente incorpora a qualidade da luz encontrada na paisagem do campus e é utilizada para ativar os Pavilhões de Entrada, o Pavilhão de Entrada da Galeria e a principal passagem subterrânea ligando os dois - a Rota de Passagem.

© Tim Hursley
© Tim Hursley

A experiencia da luz é particularmente poderosa dentro da área, e as estratégias do JCDA em relação a ela foram profundamente influenciadas pela ideia de separar os entornos do edifício em dois componentes: invólucro e sombra. Estes componentes sustentam a apresentação experiencial de luz volumétrica e as vistas, enquanto controla a intensidade da luz do sol. A relação entre estes dois componentes foi também cuidadosamente modulada para criar uma sensação de passagem através da arquitetura do edifício e atravessando o campus. As mudanças na profundidade das fachadas são ajustadas e até estendidas para transformá-las em passagens exteriores sombreadas. O jogo de transparência e opacidade responde tanto às exposições norte/sul quanto leste/oeste e é às vezes interrompido para enquadrar vistas de elementos importantes na paisagem. A experiência espacial do campus descentralizado se torna simultaneamente intuitiva e sublime. Desenhando a partir da natureza enciclopédica das coleções do instituto, o JDCA criou uma jornada através do espaço público e intersticial do museu que progride intuitivamente e cria uma sensação de descoberta. A Luz volumétrica é o principal organizador desta passagem através do museu e articula a vila da colina de Mansfeld’s Mediterranean através de transparência seletiva. O projeto interpretou a sensualidade de ruas estreitas e oásis submersos criando uma organização definida de experiências espaciais animada pela luz.

© Tim Hursley
© Tim Hursley

Ao esculpir um volume vertical no Pavilhão de Entrada da Galeria foi possível criar a Rota de Passagem abaixo do existente Passeio Carter, que iria conduzir visitantes do complexo de entrada do museu para o Pavilhão ao longo de um espaço levemente inclinado e confortavelmente climatizado, e para o nível mais baio do Pavilhão de Entrada da Galeria. O Passeio Carter original foi previsto como uma experiência de procissão que definiria a experiência completa do museu, e a Rota de Passagem mantém a sensação de progressão e chegada ao coração do Museu. Apesar de ser abaixo do nível do solo, a Rota é uma experiência luminosa e ativa. Como em um oásis submerso, a passagem é protegida da incidência direta de luz do sol, mas filtros no espaço a  certos intervalos marcam a passagem ao longo de seu percurso. O conceito é transpor uma sensação de profundidade dentro de uma atmosfera luminosa. Uma sequência de pátios estreitos ao longo da Passagem Carter a conecta à Rota de Passagem. Paredes com vegetação e o verde dos pátios moderam a luz antes de ser capturada pelo vidro levemente difuso na passagem. As superfícies escuras no nível do terraço e painéis cerâmicos na parede refletem luz gerando sutis tons de cinza, enquanto a luz dramaticamente animada capturada pelo vidro jateado adiante cria uma sensação de repouso e observação intensificada, preparando os visitantes para a experiência de passagem através da coleção de enciclopédias do museu.

© Reid Freeman
© Reid Freeman

O curso d'água segue ao longo do Passeio Carter. O vidro fundido de perfil prismático cria turbulência suficiente para controlar o fluxo de água enquanto direciona luz cineticamente ativada através dela e abaixo em direção à fresta entre a parede de vidro difuso da Rota de Passagem e a parede de contenção exterior. Esta é revestida com painéis de terracota brancos opacos, refletindo luz em direção à parede de vidro. O som do movimento da água também contribui para a experiência espacial de tranquilidade dos pátios, criando uma conexão auditiva entre a Rota de Passagem abaixo e o Jardim Noguchi. A água segue a combinação de degraus e rampas do Passeio Carter, resultando em partes de blocos de vidro vazado prismáticos e partes de degraus de vidro vazado que apresentam áreas prismáticas e claras. A água é controlada pelos perfis de vidro nas áreas de degraus e de níveis de vidro fundido. A fonte de água ativa a luz tanto quanto o som, fazendo o caminho a partir da entrada do museu para as galerias tanto acima do solo quanto abaixo, na Rota de Passagem.   

© Reid Freeman
© Reid Freeman

Começando por modelos de papel e maquetes para explorar a ideia das grelhas, a pesquisa se desenvolveu incluindo análises da luz do sol e produção de material. As lamelas são produzidas por cerâmica extrudada. Modelos em escala real foram feitos para testar e verificar tanto a ideia quanto a análise da luz.

© Tim Hursley
© Tim Hursley

JDCA procurou trabalhar sobre a linguagem existente e reforçá-la para melhorar a orientação espacial e a conexão com a arquitetura, paisagem e arte existentes incorporadas ao museu. Com a experiência de entrar no museu, entendeu-se que não só era importante reviver o Passeio Carter, mas que seria crítico estendê-lo até a rua e restabelecer a vista não obstruída do passeio de entrada a partir dela. O projeto trabalhou com o museu removendo serviços (bilheteria, café) do seu centro e localizando-os na entrada. Usando o método pelo qual estes novos edifícios de serviços se articulam, procurou-se criar uma experiência limiar poderosa. Sobre o solo, as necessidades dos visitantes por ingressos/informações, restaurantes e lojas são articuladas por três edifícios separados, enquanto sob o solo estes três consistem em um único nível subterrâneo para acesso, armazenamento e apoio. Ao combinar este espaço agora liberado com um módulo não construído na mesma área, foi possível tanto expandir espaço e criar o Pavilhão de Entrada da Galeria no coração do complexo existente. O Pavilhão é o centro da organização do museu, permitindo a exploração sequencial das várias outras áreas. A sequência através da qual as várias coleções e exposições temporárias são apresentadas aos visitantes é agora clara e coreografada, enriquecendo a experiência como um todo de cada departamento.

© Tim Hursley
© Tim Hursley

Cada um dos edifícios modulares de Mansfeld consiste em uma caixa sólida de concreto coberta por um paraboloide hiperbólico, apoiado pelo centro, flutuando sobre ela. Janelas de clerestório ocupam o espaço estreito entre a caixa e a cobertura. Como resultado, feixes de luz intensa ocupam os espaços relativamente escuros. Seu trabalho focou em esculpir e ligar os espaços negativos criados por seus volumes modulares. Os espaços são independentes e isolados do campus. JCDA teve uma abordagem oposta, ainda que intimamente relacionada, ao construir todos os pavilhões de vidro no interior de caixas sombreadas em harmonia. O resultado é uma sensação de abertura e conexão com o campus. A ideia para a renovação e expansão foi tocar levemente a arquitetura e paisagem existentes e preservar seus pontos fortes. O projeto entrelaçou as coleções de enciclopédias do museu e seu extraordinário campus, implantando luz para articular a passagem do visitante através da área, elevando a experiência e descobrindo as qualidades efêmeras da luz de Jerusalém.

Planta Geral
Planta Geral

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
James Carpenter Design Associates
Escritório
Efrat Kowalsky Architects
Escritório
Cita: "Museu de Israel / James Carpenter Design Associates + Efrat Kowalsky Architects" [Israel Museum / James Carpenter Design Associates + Efrat Kowalsky Architects] 04 Jun 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/117841/museu-de-israel-slash-james-carpenter-design-associates-plus-efrat-kowalsky-architects> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.