1. ArchDaily
  2. The Architecture Foundation

The Architecture Foundation: O mais recente de arquitetura e notícia

A pior coisa da Bienal de Veneza de 2016 foi a reação mesquinha de alguns críticos

Para muitos, pode parecer que os objetivos de Alejandro Aravena com a Bienal de Veneza de 2016 - como ele descreve, "entender quais ferramentas de projeto são necessárias para subverter as forças que privilegiam o ganho individual sobre o benefício coletivo"—são irrepreensíveis. Apesar destes objetivos, um grande número de comentadores surgiram, levados pelo talvez mais fervoroso Patrik Schumacher, criticando a Biennale. Neste artigo, originalmente publicado no site do The Architecture Foundation como "Holier than thou," Phineas Harper responde a estas críticas.

A virada mais surpreendente da Bienal de Veneza deste ano não foi a exposição em si, mas a reação de seus críticos. Poucas horas após sua inauguração, a internet estava repleta de murmúrios depreciativos sobre a exposição: "até que vale a pena," "moralizante," "mais santo que você," "careta," "sinalizador de virtudes," entre outros. Arquitetos ativos no Twitter não se impressionaram.

Mas o que exatamente eles estão odiando tanto? A Biennale exibiu princialmente algumas práticas que enxergaram o sofrimento no mundo e, através de seu trabalho, de alguma forma ou de outra, buscam diminuir isso. Como uma proposta tão cheia de compaixão gerou uma reação tão mesquinha? 

A pior coisa da Bienal de Veneza de 2016 foi a reação mesquinha de alguns críticos A pior coisa da Bienal de Veneza de 2016 foi a reação mesquinha de alguns críticos A pior coisa da Bienal de Veneza de 2016 foi a reação mesquinha de alguns críticos A pior coisa da Bienal de Veneza de 2016 foi a reação mesquinha de alguns críticos + 16

Akihisa Hirata: Emaranhado

Duggan Morris projeta o novo Cinema Flutuante