1. ArchDaily
  2. Espaço Compartilhado

Espaço Compartilhado: O mais recente de arquitetura e notícia

Viver em comunidade: 13 projetos que promovem o uso compartilhado dos espaços

Com o crescimento populacional, adensamento das cidades e aumento do preço dos imóveis, arquitetos e urbanistas têm buscado alternativas de novas configurações espaciais para a ocupação e habitação nos centros urbanos. A profusão de moradias e espaços de trabalho compartilhados é um dos exemplos de como o campo da arquitetura está se adaptando às novas formas de viver em sociedade. 

Intervenção TransBorda / Estúdio Chão. Imagem: © Renato MangolinSinergia Cowork Palermo / Emilio Magnone + Marcos Guiponi. Imagem: © Marcos GuiponiCasa Três Gerações / BETA office for architecture and the city. Imagem: © Ossip van DuivenbodeCo-working utopic_US Conde de Casal / Izaskun Chinchilla Architects. Imagem: © Imagen subliminal+ 14

Chicago criará seu primeiro “Espaço Compartilhado” sem sinais de trânsito

Em 2004, algumas cidades da Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Holanda e Inglaterra começaram a criar Espaços Compartilhados, ou seja, ruas e calçadas onde não há sinais de trânsito. 

Apesar da primeira coisa a se pensar sobre estes lugares é que eles não são seguros, a experiência das cidades que já contam com esse tipo de espaço demonstra que estes são mais seguros, pois todos os usuários das vias devem prestar mais atenção, o que acaba diminuindo o número de acidentes. 

É por isto que, desde sua criação, diversas cidades já adotaram esta iniciativa, removendo os sinais de trânsito das ruas. Esse é o caso de Chicago, que aprovou seu primeiro Espaço Compartilhado em Argyle, onde, além de eliminar alguns sinais, reduzirá a velocidade dos veículos para 24 km/h, um limite ainda inferior ao das Zonas 30.

Veja a opinião dos especialistas sobre estes espaços e sobre o caso de Chicago, a seguir.

“Espaço compartilhado”: cidades sem sinais de trânsito

Atravessar uma rua ou avenida nem sempre é uma tarefa fácil em algumas cidades: para os pedestres, ciclistas e automobilistas são ensinados a olhar para ambos os lados, estar sempre atentos e com a vista e ouvidos com atenção na pista, pois mais vale ser precavido do que um condutor imprudente. Em outras palavras, ser defensivo parece ser o lema. No entanto, o modelo do “espaço compartilhado” (“Shared Space”) aposta numa mudança no desenho urbano que procura integrar o tráfego e as atividades humanas e não ser isoladas a partir daquele, como geralmente acontece. O projeto do “Espaço Compartilhado” nasceu em 2004 e foi financiado em parte pela União Europeia, para ser implantado na Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Holanda e Inglaterra.