Satoru Mishima / FOA

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE FOTÓGRAFO

10 Projetos essenciais para entender a arquitetura do transporte

A arquitetura parece inerentemente incompatível com o nosso mundo móvel - enquanto uma é estática, o outro está em constante movimento. Dito isto, a arquitetura teve e continua tendo um papel significativo na facilitação do rápido crescimento e evolução do transporte: os carros precisam de pontes, os navios precisam de docas e os aviões requerem aeroportos.

Ao criar elementos para apoiar nossa infraestrutura de transporte, arquitetos e engenheiros buscaram mais do que a funcionalidade. A arquitetura do movimento cria monumentos - ao poder governamental, à conquista humana ou ao próprio espírito de movimento em si. AD Clássicos é uma coleção continuamente atualizada do ArchDaily dos projetos arquitetônicos mais importantes do mundo. Aqui reunimos sete projetos que representam símbolos permanentes de uma civilização perpetuamente em movimento.

© Flickr user littleeveCortesia de Wikimedia user A. Savin sob CC BY-SA 3.0© Satoru Mishima / FOA© Cameron Blaylock + 7

Clássicos da Arquitetura: Terminal Internacional de Passageiros de Yokohama / Foreign Office Architects (FOA)

A triunfal recepção da crítica com o Terminal Internacional de Passageiros de Yokohama foi produto de uma metodologia inventiva de arquitetura e um pensamento socialmente consciente. Projetado pelo Foreign Office Architects (FOA), em 1995, o terminal futurista representou uma tipologia emergente de infraestruturas de transporte. O seu design radical, hiper-tecnológico, explorou novas fronteiras das formas arquitetônicas e, simultaneamente, provocou um discurso veemente sobre a responsabilidade social dos projetos de grande escala para enriquecer espaços urbanos.

© Satoru Mishima / FOA© Satoru Mishima / FOA© Satoru Mishima / FOA© Satoru Mishima / FOA+ 22

12 projetos que explicam o urbanismo paisagístico e como ele está mudando as cidades

Em seu novo livro, Landscape as Urbanism (Paisagem como Urbanismo, em tradução livre), Charles Waldheim, Professor na John E. Irving e Diretor de Paisagismo na Graduate School of Design da Harvard University argumenta que para compreender a metrópole do século XXI "um entendimento tradicional da cidade como extrapolação de modelos e metáforas arquitetônicas não é mais viável dado a prevalência de forças ou fluxos maiores. Isso inclui rupturas ou quebras na lógica arquitetônica da forma urbana tradicional como compelida por mudanças ecológicas, econômicas e de infraestrutura."

Em outras palavras, as construções espaciais nos ambientes urbanos não deveriam mais ser ligadas à funções intratáveis ou tentativas de isolamento, mas deveriam se integrar ao tecido urbano. Esses tipos de projetos devem ser flexíveis às mudanças inevitáveis em funcionalidade e propósito que são os subprodutos da mudança econômica e evoluções nas intenções de uso do solo. Os doze projetos apresentados aqui são exemplares de tais práticas, tanto na forma como eles se adaptam às intervenções anteriores e como se movem para além da noção de um futuro estático para as condições urbanas que estão perpetuamente em fluxo.