Casa em El Torón / IUA Ignacio Urquiza Arquitectos

Casa em El Torón / IUA Ignacio Urquiza Arquitectos

© Onnis Luque© Onnis Luque© Onnis Luque© Onnis Luque+ 38

  • Arquitetos Responsáveis:Ignacio Urquiza Seoane
  • Equipe De Projeto:Michela Lostia di Santa Sofía, Anaís Casas, Paulina Buenrostro, María del Mar Carballo
  • Estrutura:Riardo Camacho
  • Engenharia:Alejandro Lirusso
  • Investidores:Alonso García Cano, Santiago Gaxiola
  • Cidade:Mazunte
  • País:México
Mais informaçõesMenos informações
© Onnis Luque
© Onnis Luque

Descrição enviada pela equipe de projeto. A Reserva El Torón está localizada na costa de Oaxaca, no extremo sul do Pacífico mexicano e a poucos quilômetros de Mazunte, entre as praias de Mermejita e Ventanilla. É uma área protegida de 30 hectares caracterizada por sua vegetação variável e sua topografia acidentada; As suas colinas dão origem a zonas de difícil acesso e de beleza natural única.

© Onnis Luque
© Onnis Luque
Conjunto
Conjunto
© Onnis Luque
© Onnis Luque

A casa de El Torón é a primeira desenhada dentro desta reserva, e a sua concepção partiu de duas premissas que nos permitiram questionar e repensar a habitação no litoral. A primeira foi a de máximo respeito pelo local e, a segunda, procurou compreender e aprender com a arquitetura vernácula e contemporânea da região, que representa tantos anos de conhecimento e experiência e que costuma ter uma funcionalidade inigualável.

© Onnis Luque
© Onnis Luque
© Onnis Luque
© Onnis Luque

Contexto. Desde a década de 1970, arquitetos como Marco Aldaco, Mario Lazo, Diego Villaseñor e José Yturbe nos presentearam com uma "nova arquitetura do mar" sem portas ou janelas que gerou uma relação estreita com a natureza e ao mesmo tempo em que transportou os gestos da tradicional arquitetura do litoral a grandes projetos arquitetônicos: o uso de coberturas com folhas de palmeira, materiais locais, ventilação cruzada, pisos claros são algumas das estratégias de projeto que hoje são muito utilizadas e, ao mesmo tempo, um saber que deve estar presente em qualquer projeto praieiro. Repensar a habitação no litoral não é uma tarefa fácil; questionar seus alicerces e seu futuro é um trabalho que corresponde à nossa geração, que deve buscar o equilíbrio em seu desenvolvimento e evolução, levando em consideração a interação do global e sua relação com o local.

© Onnis Luque
© Onnis Luque
Planta - Térreo
Planta - Térreo
© Onnis Luque
© Onnis Luque

Em poucos meses do ano 2020 pudemos ver um crescimento excessivo no número de empreendimentos ao longo da costa de nosso país. A exploração de terras comunais para transformá-las em propriedade privada - em conjuntos habitacionais de veraneio ou de fim de semana - é algo que dificilmente será possível realizar de forma saudável e ordenada nos próximos anos. É por isso que a responsabilidade dos arquitetos e designers - para não falar dos investidores - deve ser feita com a necessária consistência. O futuro da costa depende de nós; que sua flora, fauna e paisagem sejam tratadas de forma cuidadosa e responsável. É necessário implementar ideias de arquitetura e urbanismo para fins regenerativos; tornar os lugares melhores e buscar preservar seus valores: não apenas para preservar seu estado atual, mas para devolvê-los ao que eram, a uma condição melhor do que aquela que os encontramos hoje.

© Onnis Luque
© Onnis Luque
Corte Longitudinal
Corte Longitudinal
© Onnis Luque
© Onnis Luque

Infelizmente, estamos diante de um urbanismo costeiro fracassado, com um planejamento prejudicial que nada mais faz do que transformar o meio ambiente, deteriorando suas condições ambientais e buscando a maior rentabilidade econômica; o que nos remete a projetos semelhantes aos de contextos urbanos e não à compreensão dessas áreas em questão. Ao mesmo tempo, encontramos projetos de arquitetura incongruentes, acelerados e demarcados do lugar e do momento em que estão inseridos. Dito isso, como podemos melhorar a maneira como as coisas estão sendo feitas? Como podemos pensar em uma arquitetura que ajude a mudar essa dinâmica? Que valores devem estar presentes em futuros projetos de praia?

© Onnis Luque
© Onnis Luque

É claro que devem ser promovidas políticas públicas que garantam o planejamento territorial adequado para o local. Porém, se esse planejamento ainda não existe, acreditamos que é necessário interagir de forma congruente com o meio ambiente e pensando no bem comum. Vamos intervir nos espaços com arquitetura lenta e calma, cuidando do nosso ambiente. Uma arquitetura que, pela primeira vez, coloca o contexto em primeiro plano antes do usuário. Para a casa de El Torón pensamos numa arquitetura leve onde questionamos a escala, a relação física entre contexto e arquitetura e a utilização de alguns elementos, como a cobertura de palha; uma arquitetura onde imaginamos viver apenas em terraços ou em uma paliçada costeira. Uma arquitetura que "tocou" o mínimo possível o local e, onde o fez, foi o mais cuidadosa e respeitosa possível.

© Onnis Luque
© Onnis Luque

Para construção, usamos apenas materiais locais; madeiras certificadas e tropicais para a estrutura e portões, pedra do local –– muitas vezes produto de escavação–– para as fundações e muros de contenção, e estuque e argila que não requerem grande manutenção. O sistema estrutural, composto por madeira e concreto, forma pórticos com módulos de 4,80 m que carregam lajes leves em cada um dos volumes, que são revestidos com as peças de pedra, o que lhes confere uma qualidade térmica, minimizando o uso de energia para resfriar os espaços.

© Onnis Luque
© Onnis Luque
© Onnis Luque
© Onnis Luque

No processo de construção não foi utilizado maquinário, todos os materiais foram transportados em quadriciclo e reboque, circulando por pequenos caminhos pré-existentes. A paisagem do perímetro foi isolada durante a obra e 80% da vegetação encontrada no terreno do projeto foi replantada ao redor da casa. O programa do projeto foi dividido em três módulos principais, concebidos separadamente e de forma independente. O primeiro contém as áreas comuns no pavimento superior, a sala principal e um escritório no térreo. No segundo estão os quartos de hóspedes e o terceiro módulo é um pequeno volume de dois níveis com dois quartos no térreo e áreas comuns no pavimento superior.

© Onnis Luque
© Onnis Luque

Depois de implantado no local, o projeto foi articulado por praças, passarelas e caminhos abertos que permitem que o conjunto circule de forma fluida. O plano geral é fruto desse processo e foi o último desenho a ser feito. O fato de separar o programa permitiu-nos arranjar as peças no terreno de uma forma mais livre e, ao trabalharmos com volumes independentes, conseguimos controlar a escala da casa, respeitar a vegetação existente e adequar cada espaço do programa privacidade e vistas particulares. O resultado é uma série de espaços intermitentes; Coberturas interiores e exteriores que se fundem na paisagem e permitem que a arquitetura desapareça numa relação ambígua entre o natural e o artificial num panorama contínuo de espaços inalterados.

© Onnis Luque
© Onnis Luque

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos
Sobre este escritório
Cita: "Casa em El Torón / IUA Ignacio Urquiza Arquitectos" [Casa en El Torón / IUA Ignacio Urquiza Arquitectos] 10 Mai 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/961355/casa-em-el-toron-iua-ignacio-urquiza-arquitectos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.