Poliesportivo Camp del Ferro / AIA + Barceló Balanzó Arquitectes + Gustau Gili Galfetti

Poliesportivo Camp del Ferro / AIA + Barceló Balanzó Arquitectes + Gustau Gili Galfetti

© Simón García© José Hevia© José Hevia© José Hevia+ 19

Mais informaçõesMenos informações
© Simón García
© Simón García

Descrição enviada pela equipe de projeto. O projeto dos arquitetos Albert Salazar Junyent e Joan Carles Navarro (sócios do AIA), Antoni Barceló e Bárbara Balanzó (sócios do escritório catalão Barceló-Balanzó arquitectes) e do arquiteto Gustau Gili Galfetti para a construção do equipamento municipal Camp del Ferro no distrito de Sagrera (Barcelona), ganhou o primeiro lugar no concurso público organizado pela BIMSA em 2015. A obra, com uma superfície de 7.237 m2 , começou a ser construída em 2017 e agora, recentemente inaugurada, oferece ao distrito de Sant Andreu um equipamento que abrange 3 quadras poliesportivas, além de um espaço público que melhora a acessibilidade e a conexão com a nova infraestrutura.

© José Hevia
© José Hevia
Planta - Terreno
Planta - Terreno
© José Hevia
© José Hevia

Dado o grande volume que o extenso programa funcional do Camp del Ferro exige, em relação às dimensões reduzidas do terreno e à densidade dos edifícios próximos, a equipe de arquitetos, após pesar as vantagens e desvantagens, optou por semi-enterrar uma parte importante do complexo esportivo. Uma ação que, por meio de mecanismos de corte, garantiu uma boa iluminação, ventilação natural, bem como um conveniente acesso ou evacuação das áreas inferiores. Uma decisão de projeto que também trouxe benefícios notáveis para o equipamento, o bairro e a cidade, pois, além de reduzir o impacto visual, criou um espaço público que atua como um foyer urbano para o complexo e facilita a circulação de pessoas. Uma área livre que é essencial e resolve confortavelmente o acesso e o complicado tecido urbano do entorno.

© José Hevia
© José Hevia
Corte
Corte
© José Hevia
© José Hevia

Com relação ao método construtivo empregado, este nasce da compreensão da recuperação da memória das tradições locais através do uso de um material como a cerâmica, que é muito comum em antigas fábricas, armazéns, oficinas ou instalações industriais vizinhas. Assim, seguindo critérios de austeridade de recursos e meios, o próprio sistema construtivo constitui, em grande parte do edifício, seu acabamento final, evitando elementos sobrepostos. Isso também acontece nas fachadas que são feitas de tijolos aparentes, um material que garante um bom envelhecimento e uma longa vida útil. Ao mesmo tempo, com o objetivo de iluminar o conjunto em todas as fachadas, alteram-se partes vazias e cheias, opacas, translúcidas ou transparentes, além de peças cerâmicas de diferentes formatos e cores.

© Simón García
© Simón García

Por outro lado, a organização das diferentes áreas do programa é muito clara na seção longitudinal do edifício e em sua planta, onde não só pela superposição das quadras esportivas, mas também, pela disposição de um volume central que contém todo o programa de menor escala (serviços, armazenamento, dependências auxiliares...), circulações (verticais e horizontais) e instalações. Ou seja, é proposto um volume compacto que separa as partes de grande escala no térreo.

© José Hevia
© José Hevia

Finalmente, outra consequência deliberada e intrínseca do semi-enterrado de parte do edifício que abriga o centro esportivo Camp del Ferro, tem sido as melhorias energéticas e ambientais. Por um lado, ao reduzir a área de superfície exposta, a inércia térmica do complexo aumentou. Por outro lado, uma grande parte da superfície desfruta de luz natural controlada, através das grandes aberturas envidraçadas e clarabóias protegidas por grelhas cerâmicas e espécies vegetais que impedem a entrada da luz solar direta e evitam o ofuscamento.

© José Hevia
© José Hevia

Por sua vez, a morfologia e a situação dos diferentes espaços que compõem o edifício fazem da ventilação cruzada e da estratificação os mecanismos naturais de regulação térmica. Os sistemas de produção de energia funcionam com a ajuda de fontes renováveis, o uso e consumo de água foram otimizados, técnicas eficientes foram estabelecidas para um uso racional da energia e, em sua construção e projeto, a pegada ecológica foi reduzida ao máximo. Todas essas soluções fizeram com que o novo equipamento recebesse a certificação Leed Gold.

© José Hevia
© José Hevia

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Barcelona, Espanha

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Escritório
Cita: "Poliesportivo Camp del Ferro / AIA + Barceló Balanzó Arquitectes + Gustau Gili Galfetti " [Polideportivo Camp del Ferro / AIA + Barceló Balanzó Arquitectes + Gustau Gili Galfetti ] 18 Fev 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/957214/poliesportivo-camp-del-ferro-aia-plus-barcelo-balanzo-arquitectes-plus-gustau-gili-galfetti> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.