Restaurante FOGO / João Tiago Aguiar Arquitectos

Restaurante FOGO / João Tiago Aguiar Arquitectos

© Fernando Guerra | FG+SG© Fernando Guerra | FG+SG© Fernando Guerra | FG+SG© Fernando Guerra | FG+SG+ 31

  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  360
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020
  • Fotógrafo Fotografias:  Fernando Guerra | FG+SG
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: AutoDesk, CARPINTARIAS PLUMA MÁGICA, CERAMISTA, CIN, Efapel, FIMARBER, FN HOTELARIA, FRANCOMETAL, Microsoft, PADIMAT, PEDRO OLIVEIRA LDA., Sika, TID
  • Arquitetos Responsáveis:João Tiago Aguiar, Maria Sousa Otto
  • Equipe De Projetos:Rúben Mateus, Susana Luís, Arianna Camozzi, Samanta Cardoso de Menezes, Diogo Romão, João Nery Morais, André Silva, Constança Lino, Renata Vieira.
  • Cliente:Perfume de Laranjeira
  • Engenharia:OMF/Engenharia 3.4
  • Construção:Oficina dos Sonhos
  • Cidade:Lisboa
  • País:Portugal
Mais informaçõesMenos informações
© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Descrição enviada pela equipe de projeto. O FOGO é o mais recente restaurante do conceituado chef Alexandre Silva e pode ser encontrado nas Avenidas Novas, em Lisboa. Aqui, tudo é confeccionado no fogo, fazendo-se justiça ao nome da casa. Do ponto de vista arquitectónico, procurou-se uma ligação íntima ao conceito do espaço. O grande desafio deste projecto foi remodelar uma antiga loja, de dois pisos, criando um espaço informal e de proximidade com os clientes, apreciadores de ambientes mais descontraídos. Exemplo disso são o bar e a cozinha, aberta para a sala, que ilustram esta atmosfera desinibida.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
Planta piso 0
Planta piso 0
© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Na base da criatividade, está a ideia do próprio restaurante, cozinhar no fogo e utilizar produtos nacionais e biológicos de pequenos produtores. Daí a escolha dos materiais empregues serem eles próprios portugueses, mais tradicionais e artesanais. No seu conjunto, pode dizer-se que se imerge no contemporâneo com impressões do passado. Tudo foi pensado à medida e ao pormenor, desde o azulejo de lava dos Açores, o pavimento em cimento afagado e feito no local, as “caixas” ou “caixotes” desenhados em chapa de ferro pintado até outros elementos metálicos como as guardas e os bancos corridos. Faz-se aqui a conjugação entre o moderno e o tradicional. 

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
Cortes
Cortes
© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Foram especialmente desenhados os bancos corridos acolchoados suspensos em chapa metálica, e forrados com o tão nosso azulejo de lava dos Açores que não só dissimulam as portas de serviço e as entradas para as instalações sanitárias, como pela forma como foram colocados, uns salientes outros reentrantes, proporcionam uma variedade de sensações. Esta ideia foi replicada na parede oposta, nas caixas metálicas usadas para a lenha e para dar apoio ao serviço de sala. A premissa aqui foi manter uma estética uniforme, tornando, ao mesmo tempo, o restaurante pragmático e funcional.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Por sua vez, e fiel ao conceito, a iluminação foi tratada de forma especial quer em caixas de luz de mármore branco de Estremoz na zona do bar, quer nas linhas de luz na sala principal, criteriosamente desenhadas e desenvolvidas, que, simulando fagulhas, reforçam a identidade do restaurante. A iluminação sobressai na cor cinza escuro do espaço, dando a ideia que o fogo da cozinha percorre todo o interior. É uma mensagem clara que se está no restaurante FOGO, através de uma incursão reinventada das cozinhas de outras gerações.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

No centro da sala, dois pilares ligados por uma grelha metálica formam um conjunto homogéneo que, integrando frigoríficos de alimentos e vinhos, constituem uma singular exposição de produtos da casa. 

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

A montra pré-existente foi totalmente transformada, passando a entrar-se no restaurante por uma porta pivotante no lado esquerdo em vez de ao centro como até então acontecia, libertando espaço para o bar. Esta alteração não só destaca a fachada, como permite criar momentos distintos de “cheios” e “vazios” em que o primeiro corresponde às costas do bar e o segundo à entrada. É dada ao transeunte uma aura de mistério que o convida a entrar. 

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

O poder destrutivo do fogo também permite o renascimento. A existência de plantas no restaurante representa a relação intemporal entre a destruição e o ressurgir da vida. Neste projecto foram tidas em conta várias perspectivas: o fogo e a lenha como elementos tradicionais de confecção de alimentos, os materiais de construção nacionais e trabalhados com cunho artesanal e toda a atmosfera gerada com esta conjugação de forças.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Lisboa, Portugal

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Restaurante FOGO / João Tiago Aguiar Arquitectos" 10 Nov 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/951145/restaurante-fogo-joao-tiago-aguiar-arquitectos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.