Ponte 25 de Abril | Experiência Pilar 7 / António Borges + Infraestruturas de Portugal + IP Património

Ponte 25 de Abril | Experiência Pilar 7 / António Borges + Infraestruturas de Portugal + IP Património

© João Paulo Frade© João Paulo Frade© João Paulo Frade© João Paulo Frade+ 44

  • Museografia, Meio Ambiente E Desenho De Comunicação:Nuno Gusmão + Pedro Anjos | P-06 Atelier
  • Engenharia:Júlio Appleton (engineer) + Cristina Martins (engineer) | A2P – Estudos e Projectos + Termifrio + Campo de Água + ETU
  • Supervisão De Construção:Joaquim Ferreira (engineer) | Pórtico – Gabinete de Engenharia
  • Construtor:FERROVIAL – AGROMAN
  • Equipe Técnico Do Construtor:David Capela (engineer – construction director) | Hugo Coelho | José Manuel Almeida | Victor Pífaro
  • Cliente:ATL – Associação de Turismo de Lisboa
  • Despesas:€ 4.950.000
  • Gestor De Projeto:José Costa Nunes (engineer) | Infraestruturas de Portugal
  • Cidade:Lisboa
  • País:Portugal
Mais informaçõesMenos informações

Descrição enviada pela equipe de projeto
O projeto bridge experience, promove uma série de experiencias físicas, sensoriais e intelectuais, associadas à visita de uma infraestrutura singular na cidade de Lisboa e na Europa - a Ponte 25 de Abril. A Ponte assegura a travessia do rio Tejo, entre Lisboa e Almada, afirmando uma presença destacada no território, incontornável sob o ponto de vista visual e físico quando se vive, se visita, ou simplesmente se passa pela cidade de Lisboa. Fazem parte desta infraestrutura, um conjunto de elementos construtivos em betão e aço - pilares, maciços, cabos de amarração, partes integrantes da estrutura técnica da Ponte que resultam em “peças” construídas de expressão formal, plástica e cênica únicas.

© João Paulo Frade
© João Paulo Frade
Planta - Geral
Planta - Geral

O conceito do projeto consiste na conciliação da vivência destas pré-existências, conjunto de “lugares técnicos”, com a implantação de construções pré-fabricadas e um elevador, onde será associada a comunicação do conhecimento histórico, técnico e cultural da Ponte 25 de Abril. Na base do desenvolvimento conceitual, temos a repetição de um elemento vertical, em compósito de madeira ou alumínio, de cor cinza em contraste com a cor da estrutura metálica da ponte, em que o seu conjunto define uma textura, presente em todos os elementos a construir, estabelecendo-se assim uma coerência formal na presente intervenção.

© João Paulo Frade
© João Paulo Frade

O desenvolvimento formal e funcional começou por ser desenhada a marcação de um percurso-viagem através do conjunto de espaços exteriores e interiores que compõem a “amarração Norte”, pontuado por algumas construções de apoio logístico e por essa razão de expressão formal efémera, perdendo-se estas, intencionalmente, na proximidade de uma estrutura com a expressão construída da Ponte. A primeira construção tem uma matriz de recepção, onde estão disponíveis balcões de informações e bilheteira, venda de merchandising, instalações sanitárias e controlo de acessos.

© João Paulo Frade
© João Paulo Frade

Os percursos exteriores são marcados ao nível do pavimento pela escolha de diferentes tipos de inertes que permitem manter a permeabilidade do solo. O conjunto dos três volumes de betão, composto por um maciço central e dois maciços laterais, simétricos, separados por espaços de largura e altura desproporcionadas, resulta em percursos originais em que a diferença de escalas nos planos horizontal e vertical, confere aos espaços percorridos características monumentais. Estes percursos são pontuados estrategicamente, por grandes superfícies em aço corten inseridas no pavimento, com informação técnica a cerca da Ponte e dos seus princípios estruturais.

© João Paulo Frade
© João Paulo Frade
Elevação do Primeiro Edifício
Elevação do Primeiro Edifício

Ao nível dos espaços interiores visitáveis, existentes nos três maciços de amarração, a diversidade de escalas nas proporções dos planos horizontais e verticais, conjugadas com as diferenças claro-escuro, resultantes dos grandes espaços interiores em betão, quase sempre com uma única e exígua abertura para o exterior, conferem a estes “lugares técnicos” um valor cênico especialmente vocacionado para a exposição e performance de atividades de expressão artística e cultural. Estes espaços ao serem visitados, revelam simultaneamente pormenores construtivos da infraestrutura, através da presença de vários troços de cabos de aço, de expressão formal e plástica únicas a uma escala monumental.

© João Paulo Frade
© João Paulo Frade

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Av. da Índia, 1300-299 Lisboa, Portugal

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Ponte 25 de Abril | Experiência Pilar 7 / António Borges + Infraestruturas de Portugal + IP Património" 02 Fev 2019. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/909961/ponte-25-de-abril-experiencia-pilar-7-antonio-borges-plus-infraestruturas-de-portugal-plus-ip-patrimonio> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.