Torres do Futuro / MVRDV

Torres do Futuro / MVRDV

© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode+ 40

  • Arquitetos: MVRDV
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  140000
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2018
  • Fotógrafo Fotografias:  Ossip van Duivenbode
  • Chefe De Departamento:Stefan de Koning
  • Equipe De Projeto:Oana Rades, Saimon Idiakez, Doris Strauch, Maria Lopez Calleja, Akshey Venkatesh, Wenhua Deng, Nacho Velasco, Pepijn Bakker, Kate Van Heusen, Ignacio Zabalo, Silke Volkert, Sara Bjelke, Nuray Karakurt e Ivo Hoppers
  • Negociação Projeto:Inger Kammeraat
  • Pmc:Northcroft com Narenda Bhagwat, Nikita Oak, Satin Walla
  • Co Arquitetos:Equipe do cliente
  • C&S:J+W com Umesh Joshi
  • Instalações:Equipe do cliente
  • Programa:Uso misto, habitação, espaço comercial e instalações públicas.
  • Cidade:Pune
  • País:Índia
Mais informaçõesMenos informações
© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

Descrição enviada pela equipe de projeto. Localizado em Pune, a 8ª maior cidade da Índia e uma das que mais crescem no país, o projeto oferece 1.068 apartamentos para uma seção diversificada da população em rápida expansão, uma verdadeira vila vertical que abrigará cerca de 5.000 pessoas em um prédio.

© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

As "Torres do Futuro" fazem parte da Amanora Park Town, uma comunidade criada em 2007 graças à legislação aprovada em 2005 pelo estado de Maharashtra para incentivar o desenvolvimento de “townships” residenciais perto de suas cidades. Em Pune, esses municípios ajudam a abrigar os jovens profissionais atraídos para a cidade por seus setores de produção e tecnologia mas, assim como grande parte do rápido desenvolvimento em toda a Índia, muitos dos novos edifícios nos arredores de Pune são torres residenciais genéricas e repetitivas. Em apenas 11 anos, Amanora Park Town cresceu para mais de 25.000 habitantes, concentrando-se em uma mistura diversificada e de alta qualidade de arranha-céus ao lado de moradias de baixa densidade. Mas a pressão para expandir mais rapidamente com mais habitações de alta densidade e baixa individualidade esteve sempre presente.

© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

O projeto do MVRDV para as "Torres do Futuro" visava oferecer uma alternativa a esse padrão, ao mesmo tempo em que ofereceria apartamentos a um preço baixo (já que a competição por novos moradores entre diferentes conjuntos habitacionais é feroz). Em vez de um conjunto de prédios independentes, a resposta do MVRDV foi uma estrutura montanhosa singular com picos e vales, sob a qual 1.068 apartamentos são unificados em um prédio. No entanto, apesar de sua aparência expressiva o projeto, na verdade, deriva de uma série de decisões metódicas baseadas na pesquisa do MVRDV sobre as moradias na Índia.

© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

Um desvio crítico da norma foi convencer o cliente de que todo o empreendimento seria mais vibrante com uma mistura de unidades diferentes. Dessa forma, o prédio garantiria que todos os usuários de toda a classe média da Índia surgissem - incluindo profissionais jovens e temporários que são novos na cidade; residentes mais velhos e estabelecidos; e famílias grandes e pequenas. Apartamentos de 45 a 450 metros quadrados são misturados, uma diversidade possibilitada pela forma montanhosa do edifício e pelas plantas que mudam.

© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

“Na Ásia, as cidades estão crescendo tão rapidamente, e as torres residenciais uniformes e repetitivas são a norma”, diz Jacob van Rijs, diretor e co-fundador do MVRDV. “Com o nosso design, estamos nos esforçando para oferecer mais variedade e reunir pessoas de diferentes origens. No plano diretor original, foram planejadas 16 torres separadas, todas com mais ou menos o mesmo tipo de apartamentos. A equipe do MVRDV pesquisou exaustivamente as modernas casas indianas e criou um sistema para gerar uma mistura de diferentes tipos de apartamentos dentro de um único edifício. Este projeto irá atrair os residentes com uma variedade de rendas, algo que irá beneficiar a diversidade da Amanora Park Town. Graças à disposição do cliente em experimentar algo novo, a eficiência necessária para o alojamento em massa foi alcançada sem reduzir o conforto dos moradores”.

© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

Como os custos de construção são baixos na Índia e os elevadores são comparativamente caros, a economia geralmente aplicada ao projeto residencial pode ser invertida; assim, um número reduzido de núcleos de sustentação combinados com corredores era, neste caso, economicamente mais desejável do que ter muitas torres, cada uma com seu próprio núcleo e menos corredores. Como resultado desse cálculo, o projeto do MVRDV apresenta 9 alas de alojamento que variam de 17 a 30 andares, dispostas em torno de apenas 4 núcleos de circulação.

© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode
Planta
Planta
© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

As lajes formam uma grade hexagonal, que permite vistas amplas dos apartamentos e deixa grandes pátios públicos abertos ao nível do solo. Os "picos" permitem condições de luz solar otimizadas e os telhados inclinados resultantes permitem uma série de terraços exteriores, tanto privados quanto comunitários. As varandas embutidas nas fachadas principais das próprias lajes residenciais indicam a diversidade das casas por trás, com uma mistura de tamanho normal, altura dupla, largura dupla e até algumas varandas em forma de L. A forte aparência gráfica criada pelas varandas é acentuada por grandes aberturas de cores vivas conhecidas como "conchas" que perfuram a fachada do edifício para se conectar com o corredor central, proporcionando espaços para reuniões públicas e ventilação cruzada em todas as áreas comuns no processo. Esses espaços - que surgem da necessidade de fornecer lugares de refúgio para atender aos requisitos do código de incêndio para longos corredores - ajudam a dar uma sensação de “identidade de vizinhança” a diferentes partes do edifício, com cada ambiente designado para uma atividade diferente (como ioga ou minigolfe) ou para um tipo diferente de residentes (como adolescentes ou crianças pequenas).

© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

Os pátios abaixo são interligados por portões triangulares criando uma caminhada de 500 metros de comprimento, e também apresentam diferentes usos, alguns designados para brincar e outros para esportes, espaços de jardim e muito mais. Esta impressionante lista de equipamentos foi possível graças à escala do empreendimento: com tantos apartamentos em um projeto, recursos de luxo como uma piscina de 50 metros apenas adicionam uma fração ao custo total.

© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

Embora grande parte da abordagem do MVRDV tenha se concentrado em repensar a habitação indiana, o projeto também reconhece quais características devem ser herdadas dos empreendimentos habitacionais típicos. Um sistema de ventilação natural simples, mas eficaz, que resfria os apartamentos e pode ajudar a extrair ar das cozinhas, ajuda a tornar as unidades de condicionamento de ar pessoais opcionais para os residentes. As plantas também incorporam os princípios do Vastu Shastra, o sistema tradicional de arquitetura (frequentemente descrito como a resposta da Índia ao Feng Shui) que há muito se espera de novos empreendimentos na Índia.

© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

O edifício concluído é apenas a primeira fase do projeto maior na Amanora Park Town, que compreende 3 fases e cerca de 3500 habitações no total. O MVRDV está atualmente trabalhando na segunda fase do projeto.

© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

Embora “contexto-sensível”, “diversidade” e “comunidade” possam não ser os primeiros termos que vêm à mente quando se imagina um edifício que abriga mais de 5.000 pessoas, as "Torres do Futuro" do MVRDV são uma tentativa de reverter essas percepções. É um edifício que entende as demandas da habitação local e as expectativas da cultura indiana, e usa o contexto de um novo bairro para reimaginar como eles podem ser combinados de uma maneira que seja melhor tanto para os residentes quanto para as cidades em geral.

© Ossip van Duivenbode
© Ossip van Duivenbode

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Amanora Park Town, Hadapsar, Pune, Maharashtra, Índia

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Escritório
Cita: "Torres do Futuro / MVRDV" [Future Towers / MVRDV] 10 Dez 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/907246/torres-do-futuro-mvrdv> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.