O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Pequena Escala
  4. Espanha
  5. Gaztelu Jerez Arquitectos
  6. 2016
  7. Pavilhões de Vigilância para Bens de Interesse Cultural / Gaztelu Jerez Arquitectos

Pavilhões de Vigilância para Bens de Interesse Cultural / Gaztelu Jerez Arquitectos

  • 21:00 - 17 Fevereiro, 2018
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Pavilhões de Vigilância para Bens de Interesse Cultural / Gaztelu Jerez Arquitectos
Pavilhões de Vigilância para Bens de Interesse Cultural / Gaztelu Jerez Arquitectos, © Javier Bravo Jabato
© Javier Bravo Jabato

© Javier Bravo Jabato © Javier Bravo Jabato © Javier Bravo Jabato © Koldo Fdez. Gaztelu + 46

  • Colaboradores

    Catarina Isabel Faustino Mota, Alicia Maraña Diez, alterMATERIA, Segovia
  • Técnico

    Iván Poncelas Ramón
  • Construtora

    Arte y Construcción SL, Burgos
  • Carpintaria

    Arte y Construcción SL, Burgos
  • Mobiliário

    Biolan, Fritz Hansen
  • Cliente

    Junta de Castilla y León, Consejería de Cultura y Turismo, Dirección General de Patrimonio Cultural
  • Orçamento

    16.329,65 € (PEM Projeto Execução)
  • Mais informações Menos informações
© Javier Bravo Jabato
© Javier Bravo Jabato

Descrição enviada pela equipe de projeto. Castile e León (Espanha) é uma das regiões do mundo com mais patrimônios culturais e naturais, frutos tanto da sua história como da sua extensão territorial. Muitos dos seus Bens de Interesse Cultural (BIC) encontram-se em entornos naturais e rurais, com a conseguinte demanda de vigilância, assim como de atenção às pessoas que os visitam. Nos últimos anos, a Prefeitura de Castilla e Léon vem detectando a necessidade de substituir as atuais cabines presentes junto a alguns desses BIC, afim de dignificá-las de acordo com os monumentos e lugares que prestam serviço. 

Axonométrica Explodida
Axonométrica Explodida

Esses dois pavilhões supõem um projeto piloto que poderia ser facilmente exportável a outros BIC da Comunidade Autônoma. O primeiro deles está localizado próximo a Quintanilla de las Viñas (Burgos), um dos exemplos dessa arquitetura conservado na Península Ibérica, e que foi declarado Monumento Nacional em 1929. O segundo situa-se no nascimento arqueológico de Arrabalde (Zamora), que antigamente foi uma fortificação pré-romana, declarado BIC em 2006. Ao visitar o Museu de Zamora, obra de Tuñón y Mansilla que tanto admiramos, descobrimos com surpresa que entre suas peças mais valiosas está o "Tesoro de Arrabalde”, para o qual os arquitetos desenharam expressamente uma vitrine, que simultaneamente é um cofre, dentro do grande cofre que é o próprio edifício.

© Javier Bravo Jabato
© Javier Bravo Jabato

Os pavilhões poderia ser definidos como uma caixa de madeira levemente elevada do solo e situada sob um plano horizontal de aço. Compactados ao máximo para diminuir sua presença e aumentar sua eficiência, protegem os guardas das inclemências do tempo, ao mesmo tempo em que possibilitam a conexão visual com a paisagem exterior. Como se fosse um móvel, é construído exclusivamente com madeira e aço, de maneira industrializada e, portanto, facilmente reproduzível. Nessas situações, construir no ateliê com apenas dois profissionais (carpinteiro e ferreiro) reduz notavelmente os custos, o que gerou uma das nossas principais preocupações. Os pavilhões abrem ou fecham segundo as necessidades. Quando estão em "estado de latência", se manifestam externamente como um cofre totalmente fechado e protegido. Seu revestimento exterior é de madeira negra colocada verticalmente enquanto o interior é estruturado em painel laminado de madeira, que fica totalmente a vista, trazendo uma sensação mais cálida. 

© Javier Bravo Jabato
© Javier Bravo Jabato

Economia, sustentabilidade e reversibilidade têm sido os 3 princípios básicos ao projetar essas pequenas edificações, que afirmam não deixar vestígios nos locais onde estão localizadas. A base é madeira tratada. A fachada de madeira é protegida com a tradicional técnica japonesa Shou Sugi Ban, baseada na carbonização. A cobertura é resolvida com chapa de aço embutida e é coberta por um elemento fino de aço preto natural, com ligeira inclinação em direção a suas bordas para escoar a água naturalmente, bem como proteger do sol. O consumo de energia é quase zero graças ao grande isolamento térmico das fibras de madeira e ao uso de energias tradicionais, recicláveis ​​e limpas: aquecimento através de um pequeno fogão a lenha, lavatório de pedal e WC ecológico que garante um ciclo fechado.

© Koldo Fdez. Gaztelu
© Koldo Fdez. Gaztelu

Em resumo, buscamos um projeto simples, lacônico, sensível e de acordo com as necessidades. Um desempenho essencial, lógico e discreto. Sem nada de acessórios ou caprichos. Eloquente, mas não loquaz. Respeitando as condições pré-existentes, a paisagem e o meio ambiente. Dado seu tamanho pequeno e sua leveza, os pavilhões serão construídos inteiramente na oficina e depois transportados para cada um dos locais para inserção precisa.

© Javier Bravo Jabato
© Javier Bravo Jabato

Ver a galeria completa

Localização do Projeto

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Pavilhões de Vigilância para Bens de Interesse Cultural / Gaztelu Jerez Arquitectos" [Vigilance Pavilions for Heritage of Cultural Interest in Castile and León / Gaztelu Jerez Arquitectos] 17 Fev 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/888810/pavilhoes-de-vigilancia-para-bens-de-interesse-cultural-gaztelu-jerez-arquitectos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.