O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Casas
  4. Portugal
  5. extrastudio
  6. 2016
  7. Casa Vermelha / extrastudio

Casa Vermelha / extrastudio

  • 09:00 - 14 Setembro, 2017
Casa Vermelha / extrastudio
Casa Vermelha  / extrastudio, © Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

© Fernando Guerra |  FG+SG © Fernando Guerra |  FG+SG © Fernando Guerra |  FG+SG © Fernando Guerra |  FG+SG + 33

  • Equipe

    João Caldeira Ferrão, João Costa Ribeiro, Madalena Atouguia, Daniela Freire, Maria João Oliveira, Sónia Oliveira, Tiago Pinhal, Rita Rodrigues
  • Consultores

    PRPC Engenheiros lda (fundações e estruturas, águas e esgotos, gás, térmica e acústica), Mário Andrade (instalações eléctricas e telecomunicações), Gonçalo de Meirelles (Gás)
  • Paisagismo

    Oficina dos Jardins
  • Construção

    Sequeira e Serra lda
  • Mais informações Menos informações
© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Descrição enviada pela equipe de projeto. A casa vermelha parte da transformação de uma construção existente, uma adega pertencente aos avós dos proprietários em Azeitão, a sul de Lisboa. O lote conforma um pequeno oásis, com um pomar de laranjeiras, recuado em relação à rua principal da aldeia e rodeado por outras propriedades, acedido através de um beco.

© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Preservar este pomar determinou todo o projecto. Manter as árvores pressupôs manter a construção e a volumetria existente, fazendo sobretudo um trabalho de reabilitação e de transformação, e aceitar que duas fachadas não teriam janelas, uma vez que o edifício faz fronteira com as propriedades vizinhas.

© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Ao edifício existente são feitas apenas duas operações. Na fachada poente em confronto com o pomar, é rasgada uma janela com 14 metros, transformando o interior e o exterior num único elemento e no canto em contacto com os vizinhos é inserido um pátio, permitindo entrar luz nas áreas mais escuras da casa.

© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Assumindo o volume existente como limite, as áreas públicas da casa condensam-se no piso térreo, ocupando-o integralmente. Os espaços mais privados desenrolam-se nas zonas do piso superior junto às fachadas, gerando uma sequência de vazios que se distribuem sobre zonas específicas do piso térreo sob a forma de pés-direitos duplos e triplos com uma escala invulgar, que recordam o uso anterior.

© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Manter as paredes existentes obrigou também a ser-se confrontado com um universo construtivo mediterrânico primordial, anterior à industrialização dos materiais. Durante a obra todos os materiais encontrados foram preservados, as telhas reutilizadas, as pedras transformadas em soleiras, a estrutura de madeira da cobertura transformou-se num deck exterior.

© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Para compatibilizar argamassas foi utilizado um reboco em cal-área pigmentado, desenvolvido por uma empresa local que trabalha apenas com este tipo de materiais, recorrendo a técnicas milenares, juntando cal pura com pozolanas. Em contacto com o ar vai petrificando lentamente, transformando-se numa rocha.

Axonométrica
Axonométrica

Para reforçar o peso da construção a este material juntou-se um pigmento vermelho natural que permitirá á construção envelhecer gradualmente e mudar de tonalidade sem nunca ter de ser pintado. Ao longo dos dias e dos meses a cor da casa muda, mais clara ou mais escura em função do nível de humidade do ar, assumindo um tom quase negro quando chove.

© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Para acentuar o caracter mediterrânico da casa, introduziu-se no jardim um espelho de água que reflecte o céu, uma piscina negra levantada do chão. Não sendo possível distinguir limites ou arestas, nadar aqui é um ato primordial, o corpo sobre a água flutua no vazio absoluto. 

Em Maio, quando o perfume das laranjeiras surge à noite o aroma é intoxicante.

© Fernando Guerra |  FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Ver a galeria completa

Cita: "Casa Vermelha / extrastudio" 14 Set 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/879529/casa-vermelha-extrastudio> ISSN 0719-8906