O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Arquitetura Cultural
  4. Brasil
  5. Shieh Arquitetos Associados
  6. 1977
  7. Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jabaquara / Shieh Arquitetos Associados

Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jabaquara / Shieh Arquitetos Associados

Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jabaquara / Shieh Arquitetos Associados
Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jabaquara / Shieh Arquitetos Associados, © Fernando Stankuns
© Fernando Stankuns

© Fernando Stankuns © Fernando Stankuns Cortesia de Shieh Arquitetos Associados Cortesia de Shieh Arquitetos Associados + 60

Por Shieh Shueh Yau e Gustavo Neves da Rocha Filho

O objetivo do projeto era valorizar a Casa-Sede do Sítio da Ressaca. Assim, restaurado o edifício histórico e recomposta a micro-paisagem, o novo espaço é constituído por um edifício cuja implantação se fez conforme princípios de visibilidade e de valorização do monumento.

A locação do novo edifício proporcionou uma diferenciação fácil de acessos e tratamentos das áreas em relação à Casa-Sede, deixando esta numa posição de relativo isolamento, proporcionado pelo afastamento, pela pequena e artificial movimentação do terreno e pela maior naturalidade de tratamento dos pisos e da vegetação no seu entorno.

© Fernando Stankuns
© Fernando Stankuns

O Centro Cultural do Jabaquara desenvolve, além das atividades próprias de uma biblioteca pública, outras de cunho didático e informativo, tais como palestras e exposições, artes cênicas e música, bem como cursos livres de artesanato e culinária para a comunidade.

Memorial de Projeto [1]

Cortesia de Shieh Arquitetos Associados
Cortesia de Shieh Arquitetos Associados

Construída no início do séc. XVIII, a Casa-Sede do Sítio Ressaca possui certas características do partido usualmente adotado nas residências rurais da sociedade paulista vinculada às atividades bandeiristas dos séculos XVI e XVII.

Cortesia de Shieh Arquitetos Associados
Cortesia de Shieh Arquitetos Associados

Trata-se de uma construção de taipa de pilão, de 1719, ano que se lê, entre outros sinais, na verga da porta principal e que despertou o interesse dos historiadores desde a década de 1930, quando se intensificou a ideia da necessidade da preservação do nosso patrimônio histórico e artístico.

Afonso de Escragnole Taunay, Amador Florence, Aguirra, Nuto Sant’Ana, Mario de Andrade, entre outros, o próprio Departamento de Cultura da Prefeitura Municipal, depois Sebastião Pagano, José Leite Cordeiro e Tito Lívio Ferreira, sempre defenderam a sua preservação. Foi incluída nos estudos específicos de arquitetura colonial paulista feito pelos arquitetos Luis Saia, em 1941, e Júlio Roberto Katinsky, em 1972. Finalmente, foi tombada pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado) em 19 de outubro de 1972.

© Fernando Stankuns
© Fernando Stankuns

Integrado no Projeto CURA/ Jabaquara, a revitalização do monumento histórico constituiu a criação de espaços abertos e fechados para a implantação no local das diferentes atividades culturais da Secretaria Municipal de Cultura, representada pelos seus cinco departamentos: o Departamento de Bibliotecas Infanto-Juvenis, o Departamento de Bibliotecas Públicas, o Departamento do Patrimônio Histórico, o Departamento de Informação e Documentação Artística e o Departamento de Teatros.

Cortesia de Shieh Arquitetos Associados
Cortesia de Shieh Arquitetos Associados

O Centro Cultural do Jabaquara desenvolve, assim, além das atividades próprias de uma biblioteca pública, outras de cunho didático e informativo, tais como palestras e exposições, as ligadas às artes cênicas, à musica, ao teatro de bonecos, à projeção de filmes e slides, às ligadas ao ensino das artes plásticas e à fotografia, bem como cursos de culinária, artesanato e outros dedicados à comunidade de bairro.

© Fernando Stankuns
© Fernando Stankuns

Foi, pois, objetivo do projeto a valorização da Casa-Sede do Sítio da Ressaca dentro dos seguintes enfoques concomitantes:

© Fernando Stankuns
© Fernando Stankuns

  • o primeiro, visando o restauro do edifício histórico, no intuito de restituir-lhe seu valor arquitetônico camuflado por sucessivas reformas;
  • o segundo, propondo o tratamento adequado da área envoltória;
  • o terceiro, criando um espaço novo para as diferentes atividades culturais da Secretaria Municipal de Cultura junto à comunidade.

Na formulação da proposta, foi fundamental a análise dos seguintes aspectos: as exíguas dimensões do edifício histórico, a topografia acidentada do terreno, a escassez de equipamentos ligados à cultura na região, o alcance limitado de um pequeno museu histórico e a possibilidade de se criar uma futura identificação cultural na paisagem urbana local.

Cortesia de Shieh Arquitetos Associados
Cortesia de Shieh Arquitetos Associados

Restaurando o edifício histórico segundo os princípios da Carta de Atenas e recomposta a micro-paisagem, com o reaterro parcial da colina onde se implantou a casa bandeirista, o espaço novo é constituído por um edifício com as seguintes características: sua implantação se fez conforme princípios de visibilidade e de valorização do monumento. A sua locação proporcionou uma diferenciação fácil de acessos e tratamentos das áreas em relação à Casa-Sede, deixando esta numa posição de relativo isolamento, proporcionado pelo afastamento, pela pequena e artificial movimentação do terreno e pela maior naturalidade de tratamento dos pisos e da vegetação no seu entorno.

Sendo a cota do piso principal aproximadamente igual à do piso da casa monumental e a cota da cobertura do edifício aproximadamente igual à da cumeeira da casa, foi evitado com confronto entre os dois edifícios.

Esta implantação atende, ainda, a uma das premissas iniciais de se obter uma implantação análoga à do monumento: à meia encosta, dominando visualmente o vale e com a vantagem de incluir em seu domínio visual o próprio monumento.

Finalmente, topografia desta parte do terreno mostrou-se bastante adequada para que o pavimento superior, o da biblioteca, tivesse também ampla ligação com o terreno.

© Fernando Stankuns
© Fernando Stankuns

Apesar da área resultante das existências do programa, o fato de uma parte do pavimento térreo ser subterrâneo permitiu que o prédio pareça ter apenas um pavimento, evitando um confronto com as modestas dimensões da Casa-Sede. Na verdade, o edifício terá três pisos úteis, se contarmos o terraço sobre a laje da cobertura.

Cortesia de Shieh Arquitetos Associados
Cortesia de Shieh Arquitetos Associados

As vistas do centro cultural sobre a Casa-Sede tornam-se muito importantes, considerando que se propõe entre os diversos usos do centro cultural o estudo do monumento e da sua época.

O edifício permite três alternativas de acesso, ou seja, é possível atingi-lo por qualquer dos três pisos. O primeiro que podemos considerar como principal, é o do pavimento térreo, onde fica a portaria. O segundo entra-se no nível do pavimento do superior. Neste pavimento, o hall da biblioteca prolonga-se por um terraço longitudinal externo, paralelo à biblioteca e que está ligado ao terreno a mesma cota do monumento.

Finalmente, é possível atingir o edifício pelo terraço da cobertura. Este terraço é ligado ao terreno a montante por uma passarela. Este acesso destina-se a receber o visitante metropolitano. Por esse motivo, este pavimento enfatiza suas funções de mirante, proporcionando amplas visuais sobre o monumento.

Cortesia de Shieh Arquitetos Associados
Cortesia de Shieh Arquitetos Associados

Os três pisos são interligados por uma escada externa que os integra e que permite que o edifício seja usado como ligação para o indivíduo que venha da Avenida do Contorno em direção ao fundo do vale, através da Rua 1. [2]

Servindo como circulação, sendo dotado de jardins, bancos, áreas de lazer e mirante, o terreno sobre a cobertura faz com que o edifício devolva ao terreno a área que ocupa.

Notas:

[1] Memorial justificativo elaborado pelos arquitetos à época do projeto, publicado originalmente na revista Módulo
[2] Nomes da rua à epoca

  • Arquitetos

  • Localização

    R. Arsênio Tavolieri, 45 - Jardim Oriental, São Paulo - SP, 04321-030, Brasil
  • Arquitetos Principais

    Shieh Shueh Yau (Shieh Arquitetos Associados) em parceria com arq. Gustavo Neves da Rocha Filho
  • Paisagismo

    Rosa Kliass
  • Ano do projeto

    1977
  • Fotografias

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: Shieh Shueh Yau e Gustavo Neves da Rocha Filho. "Clássicos da Arquitetura: Centro Cultural Jabaquara / Shieh Arquitetos Associados" 01 Mai 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/870322/classicos-da-arquitetura-centro-cultural-jabaquara-shieh-arquitetos-associados> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.