Linha Wehrhahn, Dusseldorf / netzwerkarchitekten

Linha Wehrhahn, Dusseldorf / netzwerkarchitekten
Estação Pempelforter Strasse: “Entorno”. Imagem © Jörg Hempel
Estação Pempelforter Strasse: “Entorno”. Imagem © Jörg Hempel

Estação Schadowstraße: “Torniquete”. Imagem © Jörg HempelEstação Graf Adolf Platz: “Achat”. Imagem © Jörg HempelEstação Pempelforter Strasse: “Entorno”. Imagem © Jörg HempelEstação Kirchplatz: “Track X” . Imagem © Jörg Hempel+ 49

  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2016
  • Fotógrafo Fotografias:  Jörg Hempel, Achim Kukulis
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Degen + Rogowski, Schwab-Stein, VHB Memmingen
  • Artista Da Estação Kirchplatz:Enne Haehnle
  • Artista Da Estação Graf Adolf Platz:Manuel Franke
  • Artista Da Estação Benrather Strasse:Thomas Stricker
  • Artista Da Estação Heinrich Heine Allee:Ralph Broeg
  • Artista Da Estação Schadowstraße:Ursula Damm
  • Artista Da Estação Pempelforter Strasse:Heike Klussmann
Mais informaçõesMenos informações
Estação Graf Adolf Platz: “Achat”. Imagem © Achim Kukulis
Estação Graf Adolf Platz: “Achat”. Imagem © Achim Kukulis

Descrição enviada pela equipe de projeto. A Linha Wehrhahn é o maior e mais sofisticado projeto de desenvolvimento urbano recente em Dusseldorf, concluído com sucesso neste fim de semana após 15 anos de construção e planejamento. Um destaque da rota é o projeto do novo túnel da U-Bahn e suas seis estações. Arquitetura e arte se unem, caracterizando cada espaço. Os artistas também contribuíram nas tomadas de decisão como parceiros igualmente importantes desde o início do planejamento e não permitiram a existência de qualquer espaço publicitário nas novas estações.

Estação Pempelforter Strasse: Modelo de “Entorno”
Estação Pempelforter Strasse: Modelo de “Entorno”

O projeto foi implementado pelo escritório netzwerkarchitekten de Darmstadt, juntamente com a artista Heike Klussmann, que juntos ganharam, em 2001, o concurso de arquitetura da União Europeia para as seis estações, concorrendo contra uma grande concorrência internacional. Juntos, eles desenvolveram o conceito geral do túnel da U-Bahn como um "subsolo contínuo", semelhante a uma cobra gigante que percorre a terra, tornando-se mais larga nas estações antes de continuar em seu caminho. Em contraste com os espaços coloridos do espaço público, ele possui uma estrutura leve, como um alívio. A menor unidade gráfica do projeto é um losango gerado pelas junções estruturais, constantemente variado, resultando em um desenho espacial. A estrutura sistematicamente encolhe ou expande resultando em um efeito espacial dinâmico.

Estação Heinrich Heine Allee: “Três Espaços Modelo” . Imagem © Jörg Hempel
Estação Heinrich Heine Allee: “Três Espaços Modelo” . Imagem © Jörg Hempel

As estações são conectadas através de aberturas para o espaço urbano, cada uma mantendo sua própria identidade e agindo, ao mesmo tempo, como uma conexão com a cidade acima. As orientações centrais para a concepção das estações foram amplas linhas de visão entre os níveis de plataforma e de entrada, clareza, fácil orientação, amplidão espacial, e o máximo de luz natural quanto possível nas estações. Durante o segundo concurso, em 2002, foram selecionados os artistas Ralf Brög, Ursula Damm, Manuel Franke, Enne Haehnle e Thomas Stricker. Junto com os arquitetos cada um desenvolveu um projeto específico para as áreas de acesso de estações específicas. Além disso, Heike Klussmann fez o projeto da Pempelforter Straße.

Estação Kirchplatz: “Track X” / Enne Haehnle

Estação Kirchplatz: “Track X” . Imagem © Jörg Hempel
Estação Kirchplatz: “Track X” . Imagem © Jörg Hempel

Estação Kirchplatz: “Track X” . Imagem © Jörg HempelEstação Kirchplatz: “Track X” . Imagem © Jörg HempelEstação Kirchplatz: “Track X” . Imagem © Jörg HempelEstação Kirchplatz: Axonométrica de “Track X”+ 49

Para a estação em Kirchplatz, Enne Haehnle escreveu textos poéticos e então deu-lhes vida escultural. As linhas de texto que conduzem os passageiros para o metrô começam nas três entradas, depois vão para baixo, na estação, e lá cruzam-se e acompanham os passageiros até os trilhos. Um quarto texto percorre a claraboia central. As linhas de escrita, forjadas com cabos de aço e cobertas com uma cor brilhante, só podem ser lidas a partir de determinados pontos devido as suas características tridimensionais. Desta forma, um jogo entre abstração e legibilidade acontece, dependendo da localização dos passageiros e do ângulo de visão.

Estação Graf Adolf Platz: “Achat” / Manuel Franke 

Estação Graf Adolf Platz: “Achat”. Imagem © Jörg Hempel
Estação Graf Adolf Platz: “Achat”. Imagem © Jörg Hempel

Estação Graf Adolf Platz: “Achat”. Imagem © Jörg HempelEstação Graf Adolf Platz: “Achat”. Imagem © Jörg HempelEstação Graf Adolf Platz: “Achat”. Imagem © Jörg HempelEstação Graf Adolf Platz: Axonométrica de “Achat”+ 49

Manuel Franke usou centenas de painéis de vidro verdes luminosos para criar um ambiente cromático imersivo, interrompido apenas por um poderoso fluxo de linhas que acompanham o passageiro da rua em direção ao pátio de entrada e até a plataforma. As delicadas subdivisões lineares alternam-se com rajadas explosivas de cor. Estas cores vibrantes foram conseguidas através de um processo analógico especialmente desenvolvido, realizado por uma intervenção artística durante a fabricação.

Estação Benrather Strasse: “Céu Acima, Céu Abaixo” / Thomas Stricker 

Estação Benrather Strasse: “Céu Acima, Céu Abaixo”. Imagem © Jörg Hempel
Estação Benrather Strasse: “Céu Acima, Céu Abaixo”. Imagem © Jörg Hempel

Estação Benrather Strasse: “Céu Acima, Céu Abaixo”. Imagem © Jörg HempelEstação Benrather Strasse: “Céu Acima, Céu Abaixo”. Imagem © Jörg HempelEstação Benrather Strasse: “Céu Acima, Céu Abaixo”. Imagem © Jörg HempelEstação Benrather Strasse: Axonométrica de “Céu Acima, Céu Abaixo”+ 49

Através de uma inversão conceitual do espaço em torno da arquitetura, Thomas Stricker trouxe o universo, com seus planetas e estrelas, sua tranquilidade e leveza para o mundo subterrâneo da estação de metrô. Em cooperação com netzwerkarchitekten, o design de interiores de uma nave espacial foi desenvolvido para a estação. Uma matriz de aço inoxidável em relevo cobre as paredes, interrompida por grandes janelas panorâmicas na forma de displays multimídia. Essas telas mostram animações em vídeo 3D do universo, dando aos passageiros uma janela com vista para o espaço sideral.

Estação Heinrich Heine Allee: “Três Espaços Modelo” / Ralph Broeg 

Estação Heinrich Heine Allee: “Três Espaços Modelo” . Imagem © Jörg Hempel
Estação Heinrich Heine Allee: “Três Espaços Modelo” . Imagem © Jörg Hempel

Estação Heinrich Heine Allee: “Três Espaços Modelo” . Imagem © Jörg HempelEstação Heinrich Heine Allee: “Três Espaços Modelo” . Imagem © Jörg HempelEstação Heinrich Heine Allee: Diagrama de “Três Espaços Modelo”Estação Heinrich Heine Allee: Axonométrica de “Três Espaços Modelo”+ 49

Ralf Brög concebeu as novas três entradas da estação Heinrich-Heine-Allee como locais visuais e acústicos para a realização de composições sonoras mutáveis - um "Auditório", um "Teatro" e um "Laboratório". Cada um dos três espaços modelo possui um sistema de som de alta qualidade, permitindo um grande número de intervenções acústicas possíveis; eles podem ser usados nos próximos anos para apresentar obras dos mais diversos compositores e músicos. Para a abertura, as contribuições do autor e diretor Kevin Rittberger (teatro), do compositor Stefan Schneider (laboratório) e do músico Kurt Dahlke e do artista Jörn Stoya (auditório) seriam apresentadas.

O "Laboratório" concentra-se no uso experimental de tons. As esculturas de som estão penduradas no espaço enquanto o "atlas da interferência", no lado oposto, visualiza fenômenos óticos.No "Teatro" uma cortina de teatro pode ser percebida sobre a superfície cerâmica. Mensagens e outros materiais sonoros são audíveis. Os espectadores se perguntam onde estão: são parte da peça ou fazem parte da público? O "Auditório" está equipado com 48 alto-falantes que podem ser controlados individualmente. Os elementos tridimensionais da parede permitem o propagação modular do som, otimizando assim as propriedades acústicas da sala. Este equipamento permite uma abordagem composicional e uma experiência de audição únicas.

Estação Schadowstraße: “Torniquete” / Ursula Damm 

Estação Schadowstraße: “Torniquete”. Imagem © Jörg Hempel
Estação Schadowstraße: “Torniquete”. Imagem © Jörg Hempel

Estação Schadowstraße: “Torniquete”. Imagem © Jörg HempelEstação Schadowstraße: “Torniquete”. Imagem © Jörg HempelEstação Schadowstraße: Esquema de “Torniquete”Estação Schadowstraße: Axonométrica de “Torniquete”+ 49

Ursula Damm criou uma instalação interativa envolvendo vários elementos. No centro está uma grande tela de LED que exibe os movimentos em tempo real dos transeuntes na superfície da cidade - transformados através de um programa de computador. As imagens resultantes das pequenas e virtuais formas de vida são criadas através da energia dinâmica em constante mudança dos transeuntes. Este conceito reaparece no vidro azul das paredes da estação. As vistas aéreas geometricamente interpretadas de Dusseldorf são apresentadas inteiras ou em partes.

Estação Pempelforter Strasse: “Entorno” / Heike Klussmann 

Estação Pempelforter Strasse: “Entorno”. Imagem © Jörg Hempel
Estação Pempelforter Strasse: “Entorno”. Imagem © Jörg Hempel

Estação Pempelforter Strasse: “Entorno”. Imagem © Jörg HempelEstação Pempelforter Strasse: “Entorno”. Imagem © Jörg HempelEstação Pempelforter Strasse: “Entorno”. Imagem © Achim KukulisEstação Pempelforter Strasse: Modelo de “Entorno”+ 49

Na Estação Pempelforter Strasse, Heike Klussmann trabalha com os efeitos 3D das geometrias específicas do espaço. Ela fez um levantamento da estação e transpôs as medidas para um modelo tridimensional. Ela tomou as direções de movimento de cada entrada, estendeu-as para a estação e colocou quatro faixas brancas, cada uma com as mesmas medidas das entradas, como uma escultura invertida sobre o chão, paredes e teto. As direções das faixas do espaço foram gravadas de modo que pudessem quebrar e processar a geometria da sala. A estrutura da faixa tem uma existência independente depois de romper com a geometria do espaço e, como uma escultura invertida, atravessa os perímetros dos espaços da estação. O efeito tridimensional resultante deste jogo com as dimensões de superfícies e espaços é surpreendente. Parece que os limites reais da estação de metrô se dissolveram.

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos
Sobre este escritório
Cita: "Linha Wehrhahn, Dusseldorf / netzwerkarchitekten" [Wehrhahn-Line Düsseldorf / netzwerkarchitekten] 04 Mar 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/805824/linha-wehrhahn-dusseldorf-netzwerkarchitekten> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.