O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Edifícios Institucionais
  4. Uruguai
  5. BVO ARQ
  6. 2015
  7. Edifício Corporativo Grupo Santander Montevidéu / BVO ARQ

Edifício Corporativo Grupo Santander Montevidéu / BVO ARQ

  • 21:00 - 4 Novembro, 2016
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Edifício Corporativo Grupo Santander Montevidéu / BVO ARQ
Edifício Corporativo Grupo Santander Montevidéu / BVO ARQ, © Marcos Guiponi
© Marcos Guiponi

© Marcos Guiponi © Marcos Guiponi © Marcos Guiponi © Marcos Guiponi + 23

  • Arquitetos

  • Localização

    Parque Batlle, 11600 Montevidéu, Departamento de Montevidéu, Uruguai
  • Área

    1070.0 m2
  • Ano do projeto

    2015
  • Fotografias

  • Arquitetos

    Martín Boga e Gustavo Vera Ocampo
  • Colaboradores

    Julia Pereda, César Reisch e Carla Ribas, arquitetos
  • Estrutura

    Eng. Marella & Pedoja
  • Instalações Sanitárias

    Alejandro Curcio
  • Iluminação

    Soledad Suanes
  • Instalações Elétricas

    Nytro S.A.
  • Acondicionamento Térmico

    Dobarro & Pichel
  • Construtora

    Alpha Construcciones (Gonzalo Simeone e Juan Tiscornia, arquitetos)
  • Mais informações Menos informações
© Marcos Guiponi
© Marcos Guiponi

Descrição enviada pela equipe de projeto. O deslocamento do centro urbano de Montevidéu e sua reconfiguração em novas centralidades começou a se manifestar no último quarto do século XX, e se converteu em uma realidade provavelmente irreversível na última década. Cada vez mais afastado de um equilíbrio social-urbano, além de não conservar a hierarquia da centralidade original, o processo acabou degradando-a.

© Marcos Guiponi
© Marcos Guiponi

Neste contexto, não é estranha a multiplicidade de programas que foram abandonando a cidade do século XIX ou estabelecendo-se radialmente em relação ao traçado original.

Planta - Térreo
Planta - Térreo

As novas possibilidades tecnológicas tiveram um papel determinante na sua materialização ao modificar os modos de trabalho, as dependências físicas e as necessidades de vinculação ou proximidades. Programas administrativos, financeiros, comerciais e inclusive governamentais (descentralização municipal), assumiram estas mudanças que se dispersaram na trama menos densa, sem significar crescimento.

© Marcos Guiponi
© Marcos Guiponi

Neste caso, uma empresa que funcionava no centro da cidade nova, segundo o traçado do século XIX, decide deslocar-se para a área patrimonial do Parque Battle, um espaço central de morfologia quase suburbana. O novo edifício está localizado em uma esquina sobre a atual Av. Dr. Francisco Soca a alguns metros do parque.

Corte/Fachada
Corte/Fachada

O entorno se caracteriza por um conjunto consolidado de moradias de dois e três pavimentos de singular valor urbanístico e com amplos jardins, que mistura as cores cálidas das telhas e tijolos, com o verde da exuberante variedade florestal do Parque Batlle. Este parque foi criado no começo do século XX, a partir de desenhos de Carlos Thays, no limite exterior da nova cidade como pulmão urbano e continuação da sua avenida principal.

© Marcos Guiponi
© Marcos Guiponi

O edifício é um volume simples, que se desenvolve em três níveis e é acessado por um generoso espaço coberto na esquina. Uma folie no parque, uma envolvente urbana multicolorida que cumpre funcional e tecnologicamente com um programa tipológico atual, desejando não alterar semanticamente as características do lugar. 

O edifício singular - como um pavilhão - que por cima de sua iconicidade, procura camuflar-se a partir da interação destas paletas de cores que definem hoje a área patrimonial do Parque Batlle e acentua sua horizontalidade. 

© Marcos Guiponi
© Marcos Guiponi

Foi desenhada uma parede de alumínio que, graduando sua permeabilidade, controla a insolação e permite um comportamento eficientemente energético. Para isso, foram incorporadas proteções para mais de mil termo-painéis desenhados na fachada. Foram definidos dez tipos de vidros, um sistema flexível que permite soluções diversas em função de orientações, cores, serigrafado. Os termo-painéis transparentes, por sua vez, possuem venezianas para controlar luminosidade direta interior. 

© Marcos Guiponi
© Marcos Guiponi

A estrutura de concreto aparente, levemente afastada da fachada, permite a todo o momento, perceber a fluidez do espaço paralelo à envolvente e a continuidade de cada local como parte do volume multicolor que se faz explícito nos pilares e vigas de altura tripla.

Esta envolvente cria uma imagem muito caraterizada tanto do bairro como do seu interior, conferindo a sensação de pertencimento, identificando cada espaço com o objeto como um todo.

Plantas
Plantas

As duas paletas cromáticas se misturam nas vistas para o exterior e interior do edifício. O edifício - pavilhão foi desenhado como um todo; que admite ser visto desde o parque e desde seu interior. 

Quanto a construção, a simplicidade da estrutura e o estudo detalhado de cada parte permitiram cumprir pontualmente com os estritos prazos do cliente. A execução se desenvolveu sem imprevistos em onze meses sem acarretar em custos adicionais.

© Marcos Guiponi
© Marcos Guiponi

Ver a galeria completa

Localização do Projeto

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Escritório
Cita: "Edifício Corporativo Grupo Santander Montevidéu / BVO ARQ" [Grupo Santander Montevideo Headquarters / BVO ARQ] 04 Nov 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/798464/edificio-corporativo-grupo-santander-montevideu-bvo-arq> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.