O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Centro De Artes Visuais
  4. Portugal
  5. Pitagoras Group
  6. 2012
  7. Centro Internacional para as Artes José de Guimarães / Pitagoras Group

Centro Internacional para as Artes José de Guimarães / Pitagoras Group

Centro Internacional para as Artes José de Guimarães / Pitagoras Group
Centro Internacional para as Artes José de Guimarães / Pitagoras Group, © José Campos
© José Campos

© José Campos © José Campos © José Campos © José Campos + 47

  • Arquitetos

  • Localização

    Guimarães, Portugal
  • Equipe de Disenho

    Fernando Sá, Raul Roque, Alexandre Lima, Manuel Roque
  • Ano do projeto

    2012
  • Fotografias

Descrição enviada pela equipe de projeto. Os edifícios que compõem o Mercado Municipal e o espaço definido por eles são comumente conhecidos como "a praça", um nome herdado da praça do mercado e são, enquanto unidade, elementos característicos da paisagem urbana da cidade de Guimarães. O térreo do antigo mercado municipal enalteceu uma localização privilegiada e bastante central com acessos excelentes, bem próximos à Praça Toural e o centro histórico.

© José Campos
© José Campos

Com este projeto, a transformação do espaço de mercado e um espaço multifuncional dedicado às atividades artísticas, econômicas, culturais e sociais dentro do escopo da Capital Europeia da Cultura de 2012, permitiram uma reintegração física e funcional no tecido urbano, e ao fazer isso, recuperaram uma área chave do espaço urbano. Além disto, a operação se estendeu aos terrenos adjacentes, permitindo a regeneração do espaço interno da quadra, espaço este que estava completamente descaracterizado, resultado de sua ocupação prévia de uma indústria de processamento de mármore.

© José Campos
© José Campos

O programa proporcionou um conceito básico e definiu os objetivos para serem alcançados com esta infraestrutura, listando uma série de habilidades e de espaços que constituem o programa funcional para os edifícios antigos e também os novos, assim como os terrenos adjacentes. Para este propósito, três grandes áreas programáticas foram definidas:

© José Campos
© José Campos

  • Centro de Artes, que abriga uma coleção permanente (neste caso a Coleção José Guimarães);  uma área de exposições temporárias; um espaço multiuso para atividades adicionais, performances e shows, além de uma série de serviços complementares;
  • Laboratórios Criativos para a recepção e instalação de atividades relacionadas à indústria criativa, permitindo o desenvolvimento de projetos de negócios;
  • Oficinas para Apoiar a Criatividade Emergente, consistindo de espaços de trabalho e vocação criativa para jovens criadores de várias áreas, esperando desenvolver projetos periodicamente.

© José Campos
© José Campos

Por último, a intenção de recuperar o edifício existente na lateral leste, tentando promover a instalação de atividades comerciais adicionais que poderiam incentivar a criação de um espaço dentro de um amplo escopo de atividades culturais multidisciplinares.

© José Campos
© José Campos

Toda a estrutura, de acordo com o programa, iria complementar os equipamentos existentes na cidade, assim como aqueles que estavam em desenvolvimento para a Capital Europeia da Cultura.

© José Campos
© José Campos

Ao interpretar o programa, queríamos permitir a possibilidade de cada um de seus componentes de funcionar simultânea e independentemente, criando acessos às várias áreas de serviços e apoio, assim como a praça externa e o jardim. Optamos por uma metodologia de intervenção que envolve a reabilitação do edifício existente à leste, mantendo os materiais e texturas, mas com os interiores completamente reformados no nível térreo. Para o edifício ao norte, e por razões já mencionadas, as fachadas em relação à Avenida - que caracteriza o edifício - é restaurada, mas seus interiores e fachada que dá para a praça foram completamente redesenhados. Apesar do desejo de manter a escala e relações formais existentes, propomos uma nova solução para o edifício que promove uma forte relação com a praça e enfatiza a relação de sua estrutura com o espaço externo.

© José Campos
© José Campos

O novo edifício assume uma linguagem radicalmente diferente, em contraste com seu entorno, ambos do ponto de vista de sua linguagem e imagem - discreta e repetitiva - assim como a sucessão de volumes, com cheios e vazios, marcados pela justaposição de superfícies contrastantes. Os revestimentos, uma grade de perfis metálicos e superfícies de vidro e metal cromado em fachadas ventiladas, acentua uma variedade de texturas que se destina expor, mais densa e opaca na maioria das faces no caso de a estrutura de metal, e transparente quando se trata de superfícies de vidro a esconder intencionalmente as poucas aberturas que o edifício compreende. Esta série de volumes e elementos dissonantes, que resultam da decomposição do volume inicial, foi originada pela necessidade de criar uma variedade de diferentes espaços na área de exposição, criando uma tensão evidente no volume do edifício e da relação com o espaço da praça, tornando-se a principal característica de seu desenho.

© José Campos
© José Campos

Para a praça, formulamos a proposta com um desenho significativamente mais asséptico e um revestimento com grandes lajes de concreto, como uma contrapartida aos edifícios do entorno, caracterizados como áreas de grande recepção e de encontro multifuncional, traduzidas em uma plataforma física, resumindo sua vocação como espaço público por natureza. Esta será uma área propositalmente dimensionada para este fim, com a preservação de grandes árvores ao leste e introduzindo alguns elementos de vegetação ao longo do edifício norte, mas deixando a maioria do espaço livre para permitir o desenvolvimento de numerosas atividades espontâneas ou organizadas. O mobiliário urbano utilizado na praça compreende elementos móveis, permitindo um uso mais versátil.

Planta Baixa
Planta Baixa

Fachada Norte
Fachada Norte

Corte
Corte

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Pitagoras Group
Escritório
Cita: "Centro Internacional para as Artes José de Guimarães / Pitagoras Group" [Centro Internacional para las Artes Jose de Guimarães / Pitagoras Group] 09 Mar 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Santiago Pedrotti, Gabriel) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/783282/centro-internacional-para-as-artes-jose-de-guimaraes-pitagoras-group> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.