O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Parque
  4. Holanda
  5. Studio Marco Vermeulen
  6. 2015
  7. Ilha do Museu Biesbosch / Studio Marco Vermeulen

Ilha do Museu Biesbosch / Studio Marco Vermeulen

  • 11:00 - 7 Fevereiro, 2016
  • Traduzido por Maria Julia Martins
Ilha do Museu Biesbosch / Studio Marco Vermeulen
Ilha do Museu Biesbosch / Studio Marco Vermeulen, © Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

© Ronald Tilleman © Ronald Tilleman © Ronald Tilleman © Ronald Tilleman + 44

  • Gerenciamento do Projeto

    Edion Bouw en Management, Driebergen
  • Estrutura

    Raadgevend Ingenieursburo van Nunen, Rosmalen e W5A Structures, Waalre
  • Instalações Prediais

    Overdevest Adviseurs, Den Haag
  • Projeto de Prevenção de Incêndios

    moBius Consult, Driebergen
  • Consultoria de Acessibilidade

    Zet
  • Construção

    Staton Bouw, Werkendam
  • Consultoria Projeto Elétrico

    Drabbe, Werkendam
  • Sistemas de Climatização

    WVI, Werkendam
  • Telhado Verde e Paisagismo

    Van Helvoirt, Berkel-Enschot
  • Design de Interiores

    Verberne, Asten and Xylos, Roterdã
  • Mais informações Menos informações
© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

Descrição enviada pela equipe de projeto. Depois de uma reforma de oito meses, o Museu Biesbosch reabriu ao público neste ano. O museu foi completamente transformado e ampliado com uma nova ala que se abre para os belos cenários ao redor e abriga um restaurante e espaço de exposições temporárias de arte contemporânea. A exposição permanente que explica o desenvolvimento histórico da região também foi totalmente renovada. Um parque de água doce foi planejado também para a Ilha do Museu. O edifício, seu interior e o parque de água doce foram projetados pelo Studio Marco Vermeulen, e a exposição foi desenhada pelo Studio Joyce Langezaal.

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

Motivos para a reforma

A preservação da água foi a razão fundamental para a criação da ilha do Museu Biesbosch. Como parte de um programa nacional de preservação da água, o terreno de 4450 hectares, em Noordwaard, foi transformado em uma área de retenção de água. Ambos os lados do terreno onde fica o Museu Biesbosch foram escavados para criar uma nova ilha.

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

Para a maioria dos visitantes, o Museu Biesbosch é o ponto de partida para explorar o Parque Nacional Biesbosch. O museu, no entanto, não estava antes equipado para acomodar o números de visitantes em crescimento. Além disso, a apresentação da coleção necessitava uma revisão. Em 2012, cerca de 35.000 pessoas visitaram o museu, enquanto que nos primeiros três meses desde a reabertura, 30.000 pessoas já visitaram o complexo.

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

O edifício do museu

Para evitar qualquer desperdício de material ou energia, a estrutura hexagonal dos pavilhões originais do Museu Biesbosch foi mantida, e uma nova ala de 1000 metros quadrados foi adicionada no lado sudoeste do edifício. Dispondo de extensas áreas de fenestração, a asa se abre para o jardim da ilha. A extensão abriga um restaurante orgânico que oferece vista para a água e paisagem adjacentes, além de espaço para exposições temporárias.

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

O edifício existente abriga a exposição permanente, uma biblioteca, um teatro multiuso e a área de entrada com recepção e loja do museu. Os visitantes podem obter informações turísticas sobre o Parque Nacional Biesbosch, comprar bilhetes para o museu e para passeios de barcos elétricos. A cobertura, com grandes aberturas, também serve de espaço para os escritórios do museu, da Comissão Florestal Holandesa e da administração do parque.

Planta Baixa
Planta Baixa

Os edifícios, novo e antigo, foram cercados por obras de terraplanagem e cobertos com um telhado de grama e ervas. O telhado acrescenta valor ecológico, criando um objeto escultural que tem a arte da terra e, ao mesmo tempo, manifesta-se na paisagem circundante. Uma dobra no teto dá lugar a uma trilha de aventura e um posto de vigia.

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

Exposição

A nova exposição permanente oferece uma rica visão geral da história do Biesbosch, da cultura e da coleção do museu. A história original do Biesbosch é apresentada em sete pavilhões, desde 1421 até hoje, como uma área de lazer. Os moradores, a economia, o artesanato e a natureza são exibidos em espaços multimídia que estimulam todos os sentidos. O material original dos filmes, das fotografias e das entrevistas apresentam de uma forma pessoal e viva a região e seus moradores.

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

Energia

Tanto a nova ala quanto o volume existente foram projetados para minimizar o consumo de energia. O vidro frontal é resistente ao calor e elimina a necessidade de cortinas. As obras de terraplanagem do lado noroeste e o telhado verde servem como isolantes de calor. Em dias frios, um aquecedor que utiliza biomassa mantém o edifício na temperatura certa, aquecendo os pisos. Em dias quentes, a água do rio flui através da mesma tubulação para resfriar o edifício.

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

Filtros de Salgueiro

O esgoto sanitário é purificado através de um filtro natural de Salgueiro: o primeiro na Holanda e um reconhecimento da cultura de sustentabilidade do Biesbosch. Os salgueiros absorvem a água residual e as substâncias que ela contém, como nitrogênio e fosfato. Estas substâncias atuam como nutrientes e ajudam o salgueiro a crescer. A água purificada é descarregado no zona úmida adjacente e e são direcionadas para o rio. Uma vez que os salgueiros são serrados e secos, a madeira pode ser usada como combustível no aquecedor de biomassa no museu ou para outros fins.

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

Específico ao Biesbosch

O museu utiliza muitos recursos disponíveis na área, não só para o seu fornecimento de energia e tratamento de água, mas também para o menu do restaurante e microcervejaria. Além disso, o museu pode contar com o compromisso de dezenas de voluntários, muitos dos quais trabalharam no Biesbosch no passado. A maioria dos trabalhadores envolvidos na construção também são locais.

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

O Biesbosch tem uma história rica em produzir e processar materiais naturais e é avançado em relação à tecnologia de biomateriais. O museu proporciona espaço para a arte, de preferência feitos de materiais naturais do próprio Biesbosch, na nova ala e na ilha.

Corte
Corte

No meio do século passado, algumas espécies, como o salmão, desapareceram das águas do Biesbosch. Com a abertura das comportas do açude de Haringvliet e com a água mais limpa no rio, a probabilidade de um retorno destas espécies aumentou. A lagoa coberta do restaurante aposta no regresso do salmão.

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

Parque de marés de água doce

A ilha do museu, que será finalizada em meados deste ano, é um parque de água doce que recebe água do rio através de um canal recém cavado. As marés e as variações sazonais nos níveis de água podem ser claramente experimentadas graças à ligeira inclinação dos bancos ao longo do riacho. As pistas também criam uma rica diversidade de flora e fauna, de modo que cada visita à ilha seja diferente. Um caminho sinuoso dá acesso à ilha, que muda continuamente na aparência por causa da mudança dos níveis de água.

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

A experiência Biesbosch

A 'Experiência Biesbosch' será realizada na ilha, na primavera de 2016. Esta maquete do Biesbosch explica a função da gestão da água e a importância da área quando os níveis de água estão elevados. Dentro de um ciclo de 30 minutos, o nível da água vai de "extremamente baixo" para "extremamente alto". As crianças e os adultos são capazes de alterar o curso da água através da operação de vários tipos de fechaduras.

Diagrama
Diagrama

O museu ao ar livre De Pannekoek

O museu ao ar livre do outro lado do rio apresenta uma mata de salgueiros onde os visitantes podem aproveitar a natureza, além de um viveiro de patos e de castores.

Ver a galeria completa

Localização do Projeto

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Ilha do Museu Biesbosch / Studio Marco Vermeulen" [Biesbosch Museum Island / Studio Marco Vermeulen] 07 Fev 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Martins, Maria Julia) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/781682/biesbosch-museum-island-studio-marco-vermeulen> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.