O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Escola Secundária
  4. Portugal
  5. Atelier dos Remédios
  6. 2011
  7. Escola Secundária Rainha Dona Leonor / Atelier dos Remédios

Escola Secundária Rainha Dona Leonor / Atelier dos Remédios

Escola Secundária Rainha Dona Leonor / Atelier dos Remédios
Escola Secundária Rainha Dona Leonor / Atelier dos Remédios, © Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

© Fernando Guerra | FG+SG © Fernando Guerra | FG+SG © Fernando Guerra | FG+SG © Fernando Guerra | FG+SG + 46

  • Colaboradores

    André Vasques do Nascimento, Bernardo Nóbrega, Carolina Proença, Isabel Azevedo,Hugo Pinto, Joana Pinto, Margarida Sá Machado, Sofia Silva, Tiago Santos Matos, Vítor Mingacho
  • Maquetes

    Ana Pinheiro, Carlos Correia, Emanuel Diogo, Hugo Pinto
  • Estruturas

    ARA, Lda.
  • Instalações Técnicas

    Acribia, Lda.
  • Arquitetura Paisagista

    F│C - Arquitectura Paisagista, Lda
  • Software

    Atlantis
  • Cliente

    Parque Escolar
  • Mais informações Menos informações
© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Descrição enviada pela equipe de projeto. A Escola Secundária Rainha Dona Leonor situa-se no de Alvalade, num lote delimitado parcialmente a sul pelo Estádio 1º de Maio, a nascente pela rua António Ramalho e a norte pela rua Maria Amália Vaz de Carvalho, onde se encontra a sua entrada.

O conjunto dos edifícios dispostos originalmente em forma de “U”, implantados 4 metros acima da cota da rua, era volumetricamente descontínuo entre o bloco principal e o bloco dos ginásios, ligados somente por uma laje de ensombramento. A sua construção data do final dos anos 50, início dos 60 do séc. XX, sendo-lhe reconhecível uma clareza formal, com raiz no movimento moderno, que contrasta com a arquitetura residencial do bairro onde se insere.

A intervenção nesta escola visou a requalificação do conjunto, que se encontrava degradado pelo uso, a adequação da estrutura física construída ao programa de modernização proposto e, simultaneamente, a introdução de novos equipamentos, tais como um campo desportivo coberto e uma sala polivalente, de modo a abrir estes espaços à comunidade, dentro e fora do horário letivo.

O intervalo entre o corpo principal das salas de aulas e o corpo dos ginásios impôs-se como a escolha evidente para situar a nova construção.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
Corte
Corte

O bloco proposto, implantado desde a frente de rua até ao interior do recreio, potencia uma relação de continuidade física entre a cidade e o interior da escola e contém em si a gênese da solução volumétrica, formal e funcional pretendida.

Prolongou-se fisicamente a cota da rua para o interior do recinto da escola, no sentido norte-sul, desmontando o talude e escavando parcialmente a área do recreio. Converteu-se a antiga entrada de acesso ao ginásio na entrada principal, e gerou-se o vazio necessário para a instalação de um grande espaço a ser ocupado pelo novo edifício.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Este contém os três equipamentos de acesso público preferencial - biblioteca, sala polivalente e campo desportivo coberto - e permite reequacionar a lógica de acessos e distribuição da nova escola secundária.

O bloco, apoiado em pilotis, definiu uma grande praça coberta de entrada, de recepção aos utentes da escola e de ligação ao novo átrio de distribuição no seu interior; o espaço de celebração da nova escola é gerado por um vazio de quádruplo pé-direito interceptado por galerias aéreas de circulação.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
Planta Baixa
Planta Baixa

Apostou-se numa forte afirmação volumétrica do novo edifício para a rua Maria Amália Vaz de Carvalho, a norte, e na introdução dum plano de fachada maioritariamente cego, constituído por painéis prefabricados de concreto branco. Este plano contrasta com a linguagem mais permeável da fachada do edifício principal pré-existente e tem inscrito o nome da escola, reforçando o sentido da nova praça de entrada.

É na implantação do novo corpo, na relação com os diversos blocos originais, na descoberta do diálogo com o declive do terreno, no semienterrado e no arranjo do espaço exterior, que todo o conjunto se encerra sobre si mesmo, formando um todo revelado desde o exterior.

A proposta, nos edifícios pré-existentes, respeitou a linguagem arquitetônica original. Contudo, todos eles foram submetidos a fortes intervenções estruturais e construtivas, que visaram cumprir os regulamentos de contenção sísmica, de comportamento térmico, de acessibilidade plena e de segurança.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Escola Secundária Rainha Dona Leonor / Atelier dos Remédios" [Rainha Dona Leonor High School / Atelier dos Remédios] 02 Dez 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Delaqua, Victor) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/778122/escola-secundaria-rainha-dona-leonor-atelier-dos-remedios> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.