O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Centro De Diagnóstico
  4. México
  5. Augusto Quijano Arquitectos
  6. 2014
  7. Instituto de Biotecnología TecniA / Augusto Quijano Arquitectos

Instituto de Biotecnología TecniA / Augusto Quijano Arquitectos

Instituto de Biotecnología TecniA / Augusto Quijano Arquitectos
Instituto de Biotecnología TecniA / Augusto Quijano Arquitectos, © Roberto Cárdenas Cabello
© Roberto Cárdenas Cabello

© Tamara Uribe © Tamara Uribe © Tamara Uribe © Tamara Uribe + 43

© Tamara Uribe
© Tamara Uribe

Descrição enviada pela equipe de projeto. O edifício de Biotecnologia implanta-se no campus da Universidade Anáhuac Mayab, para a pesquisa e desenvolvimento de empresas que buscam alternativas para projetos de energias renováveis.Pelas condições de vento e radiação solar particularmente boas na Península de Yucatán, a região apresenta necessidades muito específicas de investigação, dentro de um marco internacional muito dinâmico de inovação e desenvolvimento.

A primeira etapa realiza-se atualmente abrigando laboratórios e espaços para empresas que se apoiam nas pesquisas que desenvolve a Universidade de Mayab.

Emplazamiento
Emplazamiento

Planta 1er Nivel Fachadas Planta 2do Nivel Planta Conjunto + 43

O conjunto

Localizado no extremo oeste do Campus, num terreno determinado para contar com crescimento futuro, o edifício busca impactar o menos possível no espaço. É uma edificação linear, delgada, orientada norte-sul, para aproveitar melhor a iluminação e ventilação. A ordem e a geometria buscam recuperar o traço marcado pelo Plano Diretor e relacionar o espaço aberto e os caminhos com o novo edifício, que será a continuação desses.

© Tamara Uribe
© Tamara Uribe

A composição que se consegue com dois únicos elementos, os laboratórios e os espaços de trabalho como um volume central, e as circulações perimetrais que permitirão conexões futuras com outras edificações, resultam num ambiente totalmente fresco e ventilado.

As circulações horizontais não somente articulam os elementos da composição, mas resolvem uma série de continuidades com o conjunto da universidade. Organizam as perspectivas e ordenam o espaço, tanto o aberto exterior, como o interior.

Planta Baixa - Térreo
Planta Baixa - Térreo

O novo edifício é implantado na ponta do conjunto, gerando uma nova fachada que continua do trajeto existente marcado pelos caminhos dos edifícios do campus. A articulação com o resto do conjunto é conseguida através das circulações. Lê-se o edifício como pequeno de longe. Ele é permeável às visuais e se insere no conjunto de maneira leve.

O partido arquitetônico

O Instituto de Biotecnologia continua esse mesmo princípio de edifícios lineares orientados corretamente onde busca-se capturar a luz uniforme do norte e cortar e proteger-se do isolamento do sul. O novo edifício é desenvolvido em três níveis. O esquema surge ao diferenciar as atividades do programa arquitetônico.

© Tamara Uribe
© Tamara Uribe

As circulações horizontais perimetrais enlaçam as diferentes partes do programa e permitem futuros ajustes e mudanças na organização sem perder a ordem planejada. A escada principal articula todos os níveis e localiza-se na parte central do edifício.

Em planta baixa localizam-se os laboratórios, os escritórios da direção e serviços de apoio como a cafeteria e espaços de reunião, como um auditório subdivisível. No primeiro nível encontram-se os espaços para as empresas pequenas, e no último, localizam-se as maiores.

Cortes
Cortes

A organização interna dos edifícios surge da análise das atividades. Vai desde o mais público ao menos. Do exterior ao interior, do aberto ao fechado.

O tratamento formal

Em relação ao tratamento formal, as fachadas representam a organização que, sem perder a unidade arquitetônica, busca destacar suas diferentes funções. Uma só linguagem: 

© Tamara Uribe
© Tamara Uribe

© Roberto Cárdenas Cabello © Tamara Uribe Cortesía de Augusto Quijano Arquitectos © Tamara Uribe + 43

A linguagem formal se dá por meio de brises perpendiculares à vista conseguindo uma leitura de massa e permitindo total ventilação e iluminação. O tratamento formal faz com que o conjunto seja percebido como muito leve, permitindo que se suba de maneira natural, acentuando seu caráter público. Sua leitura em perspectiva é percebida como uma pirâmide que está configurada por meio de duas paredes inclinadas, em alusão à arquitetura pré-hispânica. 

As paredes inclinadas correspondem à área de escritórios e espaços de apoio, Com os brises salientes em sentido contrário e verticais à zona de pesquisa. Essa leitura dupla define claramente o programa arquitetônico e é um gesto de receber e responder ao Campus.

No extremo oeste da planta baixa está localizado o auditório, fechado e com um tratamento a base de um par de brises inclinados, refletindo dessa maneira o tratamento formal do programa arquitetônico.

Fachadas
Fachadas

A inclinação da fachada leste produz um espaço de jardim que serve para proteger do sol, conformando um ambiente fresco e ventilado no interior. Aproveita os ventos dominantes do leste e os direciona às circulações. Os níveis são recuados gerando terraços jardins que se abrem ao campus, contidos por treliças pré-fabricadas de concreto que acentuam a geometria.

A fachada norte se desenvolve de igual modo, através de brises a cada 7,20 m, somente no sentido vertical. Na fachada sul os brises estão a cada 3,60 m. A estrutura é a linguagem formal do conjunto conseguindo unidade arquitetônica e construtiva.

A intenção básica no aspecto construtivo foi resolver o projeto de forma modulada, permitindo uma racionalização do processo construtivo, o que se reflete numa economia dos recursos empregados para a edificação.

© Tamara Uribe
© Tamara Uribe

Propôs-se  o uso do concreto aparente por sua baixa manutenção, desenvolvido por meio de elementos pré-fabricados que proporcionam rapidez na execução e menor armazenagem de materiais para evitar transtornos à vida diária da Universidade.

A solução estrutural está vinculada diretamente à composição geral do edifício. Esta integração é estabelecida mediante a modulação rigorosa do projeto com módulos a cada 90 cm. Com isso, alcançam-se módulos estruturais de 7,20 m x 10,80 m.

Materiais

Para a seleção dos materiais e acabamentos, levou-se em consideração as características do entorno existente, de tal modo que seja mais uma qualidade que permita a integração do edifício com o restante do campus.

Escantillones
Escantillones

O critério para o emprego de materiais é utilizá-los de forma contemporânea, a partir do concreto aparente como elemento expressivo principal, e que configuram o tratamento formal do edifício, mesmo que estejam relacionados através do módulo compositivo que se expressa nas fachadas por meio dos brises que ordenam o tratamento. O módulo governa todos os elementos tanto da fachada como da planta.

A imagem parte da mesma ideia de representar a arquitetura do Campus, com atitude e linguagem contemporâneas, 30 anos após a construção do primeiro edifício de salas de aula da Universidade de Mayab.

© Roberto Cárdenas Cabello
© Roberto Cárdenas Cabello

Ver a galeria completa

Localização do Projeto

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Instituto de Biotecnología TecniA / Augusto Quijano Arquitectos" [TecniA Instituto de Biotecnología / Augusto Quijano Arquitectos] 09 Set 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/773234/instituto-de-biotecnologia-tecnia-augusto-quijano-arquitectos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.