O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Eventos
  3. Encontros USINA 25: Arquitetura como prática política

Encontros USINA 25: Arquitetura como prática política

  • 18:00 - 15 Agosto, 2015
Encontros USINA 25: Arquitetura como prática política
Encontros USINA 25: Arquitetura como prática política, Cortesia de USINA CTAH
Cortesia de USINA CTAH

Realizado em parceira com a Casa do Povo, o quinto encontro do Projeto USINA 25 se propõe a pensar a dimensão política da atuação de arquitetos e urbanistas.

Levando em conta as questões colocadas por Sérgio Ferro no célebre ensaio "O canteiro e o desenho" (publicado em 1976), pretende-se problematizar as potencialidades e as contradições do exercício profissional da Arquitetura e do Urbanismo num tipo específico de canteiro: o mutirão autogerido.

Pela distância que tenta estabelecer em relação às formas de produção habituais, este tipo de canteiro permite a experimentação de relações de trabalho e formas arquitetônicas distintas na produção de habitação e espaços coletivos para os trabalhadores. Por outro lado, estas inovações são permanentemente tensionadas por circustâncias desfavoráveis que impõem a estas experiências uma série limites e contradições.

Participam da conversa a arquiteta Isadora Guerreiro e os arquitetos João Marcos de Almeida Lopes, Flávio Higuchi e Ícaro Vilaça (mediação).

Arquitetura como prática política Canteiro e desenho nos mutirões autogeridos

  • com João Marcos de Almeida Lopes, Isadora Guerreiro, Flávio Higuchi e Ícaro Vilaça (mediação)
  • Quarta-feira, 19/08 às 19h Casa do Povo.
  • Rua Três Rios, 252 – Bom Retiro. Próximo ao Metrô Tiradentes.
  • O evento é gratuito e não é necessário fazer inscrição

SOBRE O PROJETO USINA 25

Fundada em 1990 por profissionais de diversos campos de atuação como uma assessoria técnica a movimentos sociais, a USINA - Centro de Trabalhos para o Ambiente Habitado tem atuado no sentido de articular processos que envolvam a capacidade de planejar, projetar e construir pelos próprios trabalhadores, mobilizando fundos públicos em um contexto de luta pelas reforma urbana e agrária.

A equipe da USINA tem a intenção de superar a produção autoral e estritamente comercial da Arquitetura e do Urbanismo e busca, para tanto, integrar e engendrar processos alternativos à lógica do capital através de experiências sociais, espaciais, técnicas e estéticas contra-hegemônicas.

Em 2015, a USINA completou 25 anos de atuação. Visando preservar e ativar a memória dos principais processos desenvolvidos pela USINA nesse período, a atual equipe da assessoria deu início ao Projeto USINA 25 - Arquitetura como prática política.

Cortesia de USINA CTAH
Cortesia de USINA CTAH

Nesse contexto, alguns pesquisadores externos foram convidados a iniciarem um processo de pesquisa visando a criação de um documentário baseado no material de arquivo da assessoria e em entrevistas com técnicos, lideranças de movimentos sociais e mutirantes envolvidos nos principais processos desenvolvidos pela USINA.

Tendo como fio condutor a trajetória da USINA, este documentário visa situar a relevância histórica e as contribuições originais de arquitetos/as, cientistas sociais e profissionais de outros campos de atuação que se colocaram a serviço da efetivação do direito à moradia e do direito à cidade através de processos desenvolvidos junto a movimentos sociais – quer seja nos projetos desenvolvidos em conjunto com os futuros moradores, na inovação tecnológica e produtiva, nos processos de educação popular ou na organização do trabalho no canteiro de obras.

Por meio de exemplos concretos, pretende-se: 1) demonstrar que há espaço para o desenvolvimento de propostas com alta qualidade técnica e arquitetônica no âmbito da habitação de interesse social; 2) contar parte da história da luta por moradia e pela reforma urbana no Brasil e 3) abordar criticamente o papel das políticas públicas relacionadas à provisão habitacional no país.

Para tanto, a equipe envolvida na produção do documentário planeja abordar algumas das experiências mais significativas desenvolvidas pelos profissionais que passaram pela USINA, a exemplo do COPROMO, do Mutirão União da Juta e do Mutirão Paulo Freire – construídos em São Paulo (SP) –, do projeto da Cidade da Reforma Agrária – feito a convite do MST para o Assentamento Ireno Alves dos Santos, em Rio Bonito do Iguaçu (PR) – e do projeto de Reassentamento da Comunidade do Piquiá de Baixo – em Açailândia (MA).

Como parte deste processo, serão realizados diversos encontros públicos para tratar de temas que dizem respeito à atuação da USINA nos últimos 25 anos. Para acompanhar a programação, acesse a página do Projeto USINA 25 no Facebook. Para apoiar ajudar a viabilizar esse projeto acesse CATARSE.

SOBRE OS CONVIDADOS

JOÃO MARCOS DE ALMEIDA LOPES - É livre-docente pelo Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU USP). Professor do IAU USP e Pró-reitor Adjunto de Cultura da USP, João Marcos é um dos fundadores da USINA e até hoje participa – atuando agora como consultor – de atividades desenvolvidas pela assessoria junto aos movimentos sociais.

ISADORA GUERREIRO - Arquiteta e urbanista formada na FAUUSP, trabalhou junto aos movimentos populares de luta pela moradia em São Paulo desde seu ingresso na graduação. Ingressou na USINA CTAH em 2005, onde desenvolveu atividades de formação política ligada ao urbano como parte dos esforços dos moradores da Favela Jardim Panorama em resistir ao enfrentamento com o Shopping Cidade Jardim, vizinho à comunidade. Entre 2006 e 2012, acompanhou todo o processo de projeto, aprovação e execução de obra da Comuna Urbana Dom Hélder Câmara, primeiro empreendimento urbano do MST em Jandira (SP). Após este período fez parte da equipe de projeto para a Associação Piquiá de Baixo (em Açailândia - MA). Integrou a coordenação da USINA CTAH entre 2008 e 2013, primeiro como coordenadora financeira (2008-2011) e depois como coordenadora geral (2012-2013). Afastou-se das atividades cotidianas da assessoria em 2014, para se dedicar ao doutorado e ao ensino.

FLÁVIO HIGUCHI - Arquiteto e Urbanista formado pela Unicamp, mestre em Arquitetura e Urbanismo pela FAU USP. É membro do Conselho Municipal de Habitação de São Paulo. Entre junho de 2012 e setembro de 2013, integrou a missão do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) na Venezuela.

ÍCARO VILAÇA - Arquiteto e urbanista formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal da Bahia (FAU UFBA) e mestrando em História e Fundamentos Sociais da Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU USP). Desde 2013, tem atuado em diversos projetos culturais relacionados ao campo da Arquitetura e do Urbanismo, a exemplo do projeto WELTSTADT, cujo conteúdo integrou a contribuição da Alemanha para a X Bienal de Arquitetura de São Paulo.

  • Título

    Encontros USINA 25: Arquitetura como prática política
  • Website

  • Organizadores

  • De

    19 de Agosto de 2015, 19:00
  • Até

    19 de Agosto de 2015, 21:00
  • Onde

    Casa do Povo
  • Endereço

    Rua Três Rios, 252 - Bom Retiro, São Paulo - SP, Brasil
Sobre este autor
Cita: "Encontros USINA 25: Arquitetura como prática política" 15 Ago 2015. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/771881/encontros-usina-25-arquitetura-como-pratica-politica> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.