Casa de Máquinas / Cumulus Studio

Casa de Máquinas / Cumulus Studio

© Adam Gibson© Adam Gibson© Adam Gibson© Adam Gibson+ 35

Lake Saint Clair, Austrália
  • Arquitetos: Cumulus Studio
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  1035
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2014
  • Fotógrafo Fotografias:  Stuart Gibson, Adam Gibson, Sharyn Cairns
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Bradford
  • Civil:Gandy & Roberts Engineers
  • Hidráulica:Gandy & Roberts Engineers
  • Estrutural:Gandy & Roberts Engineers
  • Elétrico:TBS Engineering
  • Mecânica:TBS Engineering
  • Engenharia Combate A Incêndio:Castellan Consulting
  • Acústica:Vipac
  • Gestão De Obras:Green Building Surveyors
  • Ambiental:Red Sustainably
  • Construção:Mead Con
  • Cidade:Lake Saint Clair
Mais informaçõesMenos informações
© Adam Gibson
© Adam Gibson

Descrição enviada pela equipe de projeto. Localizada dentro da Área de Patrimônio Mundial de Proteção da Vida Selvagem da Tasmânia, a Casa de Máquinas foi originalmente construída como parte do esquema hidroelétrico do país e estava há 20 anos sem uso antes de sua remodelação.

© Adam Gibson
© Adam Gibson

A reforma, que já se tornou ícone para o turismo da Tasmânia envolveu o reuso e reforma adaptativa e de dois edifícios art-decó existentes tombados - A Casa de Máquinas e a Casa da Orla, em um refúgio da vida selvagem.

Corte
Corte

A casa de máquinas, um edifício de três pavimentos construído em 1940 para abrigar as turbinas e motores de bombeamento, está no lago Santa Clara no final de um píer de concreto, sua única conexão com a terra. A Casa da Orla, localizada no começo do píer na borda do lago foi erguida na mesma época e abrigava escritórios e uma oficina de manutenção para as turbinas. Dezoito novos quartos de hóspedes foram inseridos dentro das envoltórias de concreto dos edifícios - doze delas estão na Casa de Máquinas e as seis restantes estão na Casa da Orla, que também abriga uma cozinha e um grande lounge comunal, além da sala de jantar.

© Adam Gibson
© Adam Gibson

Foram realizados apenas pequenas intervenções no exterior dos edifícios, como uma resposta na manutenção do alto valor de patrimônio dos edifícios existentes e para enfatizar o contraste entre os novos interiores e exterior - um contraponto ao ambiente hostil que estão inseridos.

Planta Primeiro Pavimento
Planta Primeiro Pavimento

A abordagem do edifício da Casa de Máquinas, envolto por água e montanhas sublinha a antecipação e sentimento de chegada. Os hóspedes passam por portas metálicas maciças para entrar no foyer - uma zona intermediária que os convidados são gentilmente conduzidos para o conforto de seus quartos escapando do caráter selvagem e rústico do exterior. Os doze apartamentos possuem tamanhos de estúdios, e percorrem o comprimento do edifício, deixando o núcleo central devoto às áreas do lounge comunal em cada pavimento, aberto em ambas as extremidades para que se mantenha a linha de visão que começa no exterior e continua no comprimento do edifício.

© Adam Gibson
© Adam Gibson

Uma paleta simples e neutra de materiais foi utilizada para caracterizar a simplicidade e conforto descomplicado que os hóspedes descansam. A madeira não tratada e as tubulações aparentes da entrada e espaços comuns cedem lugar á painéis de madeira tasmaniana e encanamentos em cobre aparente dentro das suítes. Esses itens também fazem alusão à história do lugar - o trabalho com madeira e da água que estava sendo bombeada através do núcleo do edifício.

© Sharyn Cairns
© Sharyn Cairns

O projeto foi realizado com orçamento extremamente limitado em uma localização remota que necessitava de uma grande quantidade de serviços in loco e infraestrutura. Técnicas de construção simples foram utilizadas e oportunidades de padronização e pré-fabricação foram utilizadas em todo o edifício. Trabalhar com os fechamentos existentes que foram originalmente projetados para muitas funções diferentes, uma grande quantidade de esforço foi empregado na manipulação dos espaços internos no equilíbrio dos espaços comuns e privados, além do esforço para garantir soluções estruturais eficientes que trabalharam com a alta performance acústica necessária para as suítes dos hóspedes.

© Adam Gibson
© Adam Gibson

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos
Sobre este escritório
Cita: "Casa de Máquinas / Cumulus Studio" [Pumphouse Point / Cumulus Studio] 31 Jul 2015. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/771072/hospedagem-casa-de-maquinas-cumulus-studio> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.