O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Infraestrutura
  4. Espanha
  5. Ecosistema Urbano
  6. 2007
  7. Eco Boulevard em Vallecas / Ecosistema Urbano

Eco Boulevard em Vallecas / Ecosistema Urbano

  • 19:00 - 2 Janeiro, 2015
  • Traduzido por Arthur Stofella
Eco Boulevard em Vallecas / Ecosistema Urbano
Eco Boulevard em Vallecas / Ecosistema Urbano

Eco Boulevard em Vallecas / Ecosistema Urbano Eco Boulevard em Vallecas / Ecosistema Urbano Eco Boulevard em Vallecas / Ecosistema Urbano Eco Boulevard em Vallecas / Ecosistema Urbano + 51

  • Arquitetos

    Ecosistema Urbano - blog - Belinda Tato, Jose Luis Vallejo, Diego García-Setién
  • Localização

    Madri, Espanha
  • Colaboradores

    Ignacio Prieto, Maria Eugenia Lacarra, David Delgado, David Benito, Jaime Eizaguirre, Patricia Lucas, Ana López, Asier Barredo, Laura Casas, Fabricio Pepe, Michael Moradiellos
  • Estrutura

    Tectum Ingeniería, S.L. (Constantino Hurtado)
  • Serviços

    IP Ingeniería
  • Cliente

    Land and Housing Municipal Company, Madrid Council, Directorate of Residential Projects Innovation
  • Botânica

    Ignacio López
  • Inspetor de Construção

    Belinda Tato, Jose Luiz Vallejo, Diego García-Setién
  • Empreiteiro

    Grupo Entorno, S.A.
  • Ano do projeto

    2007

Descrição enviada pela equipe de projeto. Toda a proposta do eco-boulevard em Vallecas pode ser definida como uma operação de reciclagem urbana que consiste nas seguintes ações: a inserção de uma árvore social de ar dinamizadora, sobre uma área urbanizada existente, a densificação de um arranjo de árvores e a redução e disposição assimétrica de circulação de tráfego sobre rodas. Intervenções superficiais que reconfiguram a urbanização existente (perfurações, preenchimentos, pintura, etc.) que desfiguram o desenvolvimento executado.

RECICLANDO A NÃO-CIDADE

O Desenvolvimento Suburbano de Vallecas tinha todas as características paupérrimas típicas de desenvolvimentos suburbanos. Então, o concurso para o projeto do Eco-boulevard foi organizado com dois objetivos, um de natureza social, visando gerar atividade e outro de natureza ambiental, a adaptação bioclimática de um espaço exterior.

Espaços públicos pertencem a todos e devem agir como suporte para uma série de atividades e eventos, além do que pode ser planejado, espaços onde os cidadãos podem agir com liberdade e espontaneamente. Nossa proposta é uma tentativa de compensar a falta total de atividade devido ao planejamento irresponsável, e ela se origina no interesse em encontrar uma solução para o problema desde o início. Estamos conscientes de que a melhor adaptação de um espaço público é o que envolve árvores frondosas e sólidas, um material que não pode ser contado em até que 15 ou 20 anos se passem. Portanto, era necessário ter uma ação de "emergência", que pudesse operar como uma madeira que, no futuro. Assim, a estratégia que se optou foi uma de concentração que atua e se adapta a áreas específicas, fornecendo-lhes maior conforto climático e servindo, assim, como a semente de um processo de regeneração do espaço público. Nós não pensamos que um edifício é necessário, mas um lugar para as pessoas cuja forma é definida pela própria atividade desenvolvida nele em um determinado momento.

Três pavilhões, ou árvores de ar trabalham como suportes abertos para múltiplas atividades escolhidas pelos usuários. Instalada na não-cidade com próteses temporárias, eles serão usados somente até que o problema da inatividade e adaptação climática seja corrigido. Uma vez que o tempo necessário passe, estes dispositivos serão retirados e os antigos locals devem permanecer como clareiras na floresta.

A árvore de ar é uma estrutura leve que é auto-suficiente em termos de energia e pode ser desmontada. Ela consome somente o que produz através de um sistema de coletores fotovoltaicos de energia solar. Ao vender esta energia para a rede elétrica gera-se um superavit no balanço anual e este é reinvestido na manutenção da própria estrutura. Este é apenas um modelo para a gestão de recursos em um projeto com o passar do tempo.

O uso da tecnologia tem um papel crucial e decisivo neste projeto, conforme se adapta para um contexto específico e autêntico. O potencial arquitetônico da tecnologia está em sua reprogramação e combinação com outros elementos, para que a verdadeira arquitetura ready-made seja configurada. Neste caso, técnicas de adaptação climáticas normalmente empregadas na indústria agrícola foram utilizadas.

A autonomia desfrutada pelas árvores de ar significa que são objetos de uma natureza exportável, então podem ser reinstaladas em locais similares ou em outras situações que requerem uma atividade de processo urbano regenarativo (novo subúrbio, desenvolvimentos, parques degradados, praças).

O objetivo deste projeto é o de criar uma atmosfera que convida e promove a atividade em um espaço público urbano que está "doente" devido ao "mal planejamento".

O sistema de adaptação climática instalado nas árvores de ar são de evapotranspiração, que são, muitas vezes, utilizados em estufas. Esta prática aerotécnica ou adaptação artificial não é parte de uma estratégia comercial. Pelo contrário, ele tenta desfazer o lazer - binomial de consumo e reativar o espaço público através da criação de ambientes climaticamente adaptados (8ºC ~ 10ºC mais frias do que o resto da rua no verão) onde os cidadãos poderão ser, mais uma vez, os participantes ativos em espaços públicos.

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Eco Boulevard em Vallecas / Ecosistema Urbano" [Eco Boulevard in Vallecas / Ecosistema Urbano] 02 Jan 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Stofella, Arthur) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/759501/eco-boulevard-em-vallecas-ecosistema-urbano> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.