Museu do Futebol / Mauro Munhoz Arquitetura

Museu do Futebol / Mauro Munhoz Arquitetura

O projeto envolveu o restauro do edifício frontal do Estádio do Pacaembu, inaugurado em 1940. © Nelson KonSuspensa por tirantes de aço, uma passarela de madeira instalada no pórtico monumental une as duas metades do percurso e promove um diálogo com o espaço externo, a Praça Charles Miller. © Nelson KonNo saguão de entrada, fica clara uma das maiores operações do projeto: a remoção de alvenarias, lajes, vigas e pilares para que a estrutura original do estádio ficasse visível. Assim, a arquitetura se tornou parte integrante da experiência museográfica. © Nelson KonAtividades independentes alocadas no limiar entre o edifício do Museu e a praça atraem novos frequentadores para o local, antes subutilizado apesar de seus 30 mil metros quadrados de área. © Nelson Kon+ 18

São Paulo, Brasil
  • Curadoria:Leonel Kaz
  • Museografia:Daniela Thomas, Felipe Tassara
  • Gerenciamento Da Obra:Engineering
  • Construção:Concrejato
  • Estrutura:Julio Timerman / Cel Engenharia
  • Fundações:Eliana Joppert / Infra Estrutura Engenharia
  • Climatização:Eduardo Kaiano / Thermoplan Engenharia Térmica
  • Acústica:Passeri & Associados
  • Automação E Cabeamento:Jugend Engenharia
  • Instalações:Nestor Caiuby (hidráulica, incêndio); Norberto Glawez (elétrica)
  • Luminotécnica:LD Studio
  • Esquadrias:DQ Projetos em Esquadrias
  • Passarelas De Madeira:Helio Olga / ITA Construtora
  • áudio E Vídeo :Loudness Projetos Especiais; KJPL Peter Lindquist
  • Acessibilidade:Bosco & Associados
  • Consultoria Em Restauro:Wallace Caldas
  • Comunicação Visual:Vinte Zero Um Comunicação
  • Cidade:São Paulo
  • País:Brasil
Mais informaçõesMenos informações
O projeto envolveu o restauro do edifício frontal do Estádio do Pacaembu, inaugurado em 1940. © Nelson Kon
O projeto envolveu o restauro do edifício frontal do Estádio do Pacaembu, inaugurado em 1940. © Nelson Kon

Descrição enviada pela equipe de projeto. Instalado sob a arquibancada norte do Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho – o Pacaembu, em São Paulo – o Museu do Futebol celebra o esporte que se tornou uma das mais conhecidas manifestações brasileiras. Arquitetura, museografia e curadoria integram-se para mostrar como o futebol ajudou a formar a identidade do país e, ao mesmo tempo, deixou-se influenciar e aprimorar pela cultura nacional. Inaugurado em setembro de 2008, o museu ocupa uma área de 6 900 metros quadrados de frente para a praça Charles Miller.

Suspensa por tirantes de aço, uma passarela de madeira instalada no pórtico monumental une as duas metades do percurso e promove um diálogo com o espaço externo, a Praça Charles Miller. © Nelson Kon
Suspensa por tirantes de aço, uma passarela de madeira instalada no pórtico monumental une as duas metades do percurso e promove um diálogo com o espaço externo, a Praça Charles Miller. © Nelson Kon

História

A relação entre esporte e cultura está presente no bairro do Pacaembu desde seu surgimento, nas primeiras décadas do século XX. Barry Parker, urbanista inglês contratado pela Cia City para projetar o bairro nos moldes de uma cidade-jardim, levou em conta as observações de seu colega francês Joseph Bouvard e sugeriu que a grota rebelde, inadequada para a ocupação com casas, fosse utilizada para abrigar um estádio, já que as proporções do vale eram tão perfeitas para isso – os taludes laterais pareciam feitos sob medida para abrigar as arquibancadas. 

Atividades independentes alocadas no limiar entre o edifício do Museu e a praça atraem novos frequentadores para o local, antes subutilizado apesar de seus 30 mil metros quadrados de área. © Nelson Kon
Atividades independentes alocadas no limiar entre o edifício do Museu e a praça atraem novos frequentadores para o local, antes subutilizado apesar de seus 30 mil metros quadrados de área. © Nelson Kon

O projeto do escritório Severo Villares para o estádio do Pacaembu, além de respeitar a topografia do terreno, sublinha a vocação daquele espaço para o uso coletivo. À frente do estádio, reservou um terreno de 30 mil metros quadrados para uma praça – que, com o passar dos anos e devido a políticas públicas que valorizaram o transporte individual em detrimento do coletivo, transformou-se num estacionamento. 

No saguão de entrada, fica clara uma das maiores operações do projeto: a remoção de alvenarias, lajes, vigas e pilares para que a estrutura original do estádio ficasse visível. Assim, a arquitetura se tornou parte integrante da experiência museográfica. © Nelson Kon
No saguão de entrada, fica clara uma das maiores operações do projeto: a remoção de alvenarias, lajes, vigas e pilares para que a estrutura original do estádio ficasse visível. Assim, a arquitetura se tornou parte integrante da experiência museográfica. © Nelson Kon

Ao propor a instalação do Museu do Futebol no edifício frontal do estádio, voltado para a praça, o projeto de arquitetura se conecta às intenções do projeto urbanístico feito no começo do século e resgata suas propriedades para o uso coletivo. Distribuídas no térreo do edifício, diversas atividades independentes do Museu, como um auditório, um bar e uma loja, dão novo sentido à monumental galeria porticada e convidam os visitantes a permanecer naquele espaço, apropriando-se dele. Dessa forma, o Museu torna-se um instrumento de revitalização do espaço público vizinho, na medida em que atrai as pessoas para ele. E essa qualidade provavelmente não seria possível se o atrativo não estivesse tão diretamente ligado a uma das mais poderosas manifestações culturais brasileiras, o futebol.

Corte
Corte

Em 2013, dentro do espaço do museu, foi aberto ao público o Centro de Referência do Futebol Brasileiro. Área responsável pela dinamização dos conteúdos do Museu do Futebol, com biblioteca e midiateca, o centro de referência também tem projeto arquitetônico da Mauro Munhoz Arquitetura.

Suspensa por tirantes de aço, uma passarela de madeira instalada no pórtico monumental une as duas metades do percurso e promove um diálogo com o espaço externo, a Praça Charles Miller. © Nelson Kon
Suspensa por tirantes de aço, uma passarela de madeira instalada no pórtico monumental une as duas metades do percurso e promove um diálogo com o espaço externo, a Praça Charles Miller. © Nelson Kon

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, São Paulo - São Paulo, 01234-010, Brasil

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Museu do Futebol / Mauro Munhoz Arquitetura" 19 Nov 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/757567/museu-do-futebol-mauro-munhoz-arquitetura> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.