O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Centro De Diagnóstico
  4. Austrália
  5. BVN Donovan Hill
  6. 2013
  7. Centro de Ciências e Pesquisa Australiano Plantbank / BVN Donovan Hill

Centro de Ciências e Pesquisa Australiano Plantbank / BVN Donovan Hill

Centro de Ciências e Pesquisa Australiano Plantbank / BVN Donovan Hill
©  John Gollings
© John Gollings
  • Arquitetos

  • Localização

    Mount Annan NSW 2567, Austrália
  • Arquiteto Responsável

    Alex Chaston
  • Diretor de Projeto

    Peter Titmuss
  • Coordenador do Projeto

    James Grose
  • Ano do projeto

    2013

©  John Gollings ©  John Gollings ©  John Gollings ©  John Gollings + 46

  • Equipe de Projeto

    Daniel Londono, Anton Kouzmin, Shane Leyden, Louise Lovmand, Kim Humphries
  • Gerenciamento da Empreiteira

    Hansen Yuncken
  • Gerente de Projeto

    Thinc Projects
  • Consultor de Serviços, Estrutural, e Tráfego, Civil e Acústica

    AECOM
  • Paisagismo

    360 Degrees
  • Consultor de Acessibilidade

    Morris Goding Access Consulting
  • Consultor Ambiental

    Eco Logical Australia
  • Consultor de Conformidade do Edifício e Certificação

    Blackett Maguire + Goldsmith
  • Consultor de Planejamento

    Urbis
  • Escritor de Especificações

    Kim Humphries
  • Design de Interação

    X Squared
  • Inspetor de Quantidade

    MBMpl
©  John Gollings
© John Gollings

Descrição enviada pela equipe de projeto. O Australiano PlantBank no Monte Annan, é um centro de ciências e pesquisa do Jardim Botânico Real e do Domínio Fiduciário. 

©  John Gollings
© John Gollings

A planta se derivou como uma resposta ao pedido e ao forte contexto natural. O pedido solicitava um edifício de dupla função - em primeiro lugar, um local onde se levava a cabo a pesquisa de sementes indígenas da Austrália e onde se abriga um depósito de sementes, e no segundo lugar um centro de pesquisa que se revela através da interpretação pública e atividades de exposição.

©  John Gollings
© John Gollings

O entorno natural influenciou na forma em como o edifício abraça o perigo remanescente do bosque Cumberland ao norte; assim como o caráter natural das transições do bosque para a cultivada paisagem do "abraçado" pátio do edifício que reflete literalmente como estas paisagens se fundem. O diálogo entre a paisagem de transição e o edifício é uma metáfora da terra mediada e cultivada da Austrália.

©  John Gollings
© John Gollings

A paisagem é proeminente na experiência do "lugar" e com a primazia desta relação entre o participante e a paisagem na mente, a entrada do edifício se converte no compromisso com a paisagem. Caminhando sob a ala leste do edifício - nominalmente passando por baixo da terra - o edifício se curva para o norte e se une com a terra para o bosque existente. caminhando para a porta de entrada o visitante se acopla à tela interpretativa que conecta o pátio com a pesquisa interna...

Corte
Corte

A entrada ao "domínio" do Banco Vegetal sob a ala leste começa a fusão das formas construídas e naturais - o reflexivo teto da entrada reflete a rota terrestre, o jardim de liquens utiliza blocos de arenito remanescentes recuperados de edifícios demolidos de Sydney, para celebrar as exóticas colônias de líquens -  uma volta simbólica à pedra de arenito urbana para o seu estado natural (ainda que artificial) com uma compostura simbólica.

©  John Gollings
© John Gollings

A narrativa da paisagem construída faz alusão a uma cultura socializada de "aproveitamento" - o padrão diminui a medida que o pátio se funde visualmente no bosque natural ao norte.

©  John Gollings
© John Gollings

A expressão do edifício se deriva desta relação visceral entre a forma construída e a terra - o concreto se baseia nominalmente na terra extraída; os painéis de aço inoxidável polido se diluem e tornam ambígua a relação entre os entornos naturais e construídos; as persianas se abrem permitindo a ventilação em modo misto, selada por uma malha de aço inoxidável contra incêndios florestais; e a forma do edifício tanto em planta como expressão é respeitosa com o seu entorno natural.

©  John Gollings
© John Gollings

Dentro do edifício, o visitante caminha ao lado dos laboratórios envidraçados transparentes centrando-se nas atividades no interior dos laboratórios. A conclusão da vista é o vértice da planta, onde uma sala de usos múltiplos permite seminários e eventos.

©  John Gollings
© John Gollings

O lugar de trabalho dos pesquisadores e da equipe se encontra em um entorno de modo misto. Os acabamento interiores foram escolhidos para articular os diferentes personagens da construção -  os laboratórios e áreas de interpretação que possuem maior nitidez visual com os lugares de trabalho projetados com madeira e um ambiente de trabalho mais suave.

©  John Gollings
© John Gollings

Vinculados aos Passeios de Gerações através do bosque, os visitantes do Banco Vegetal podem submergir no agradável entorno do jardim.

©  John Gollings
© John Gollings

Sustentabilidade

A sustentabilidade no Banco Vegetal continua a contratação da construção e administração do domínio com seu entorno natural. Os arcos do projeto ao norte permitem a maior quantidade de sol na fachada de visitantes, que logo é moderado por uma parede profunda que permite a proteção solar. A profundidade da parede também facilita toda a operação do tempo das esquadrias de vidro nas zonas comuns e no lugar de trabalho. No lugar de trabalho, com um plano aberto que atravessa de leste a oeste, a ventilação cruzada está assegurada durante uma parte considerável do ano. O modo misto facilita uma menor dependência da planta mecânica que resulta no consumo de energia reduzido significativamente.

©  John Gollings
© John Gollings

Um labirinto térmico foi instalado sob a ala leste, reduzindo a carga de climatização e a ventilação natural se estende, principalmente durante o verão, quando o ar fresco pré-resfriado circula e reforça, durante a noite, o ar quente. O sistema está projetado para reduzir os picos e vales de clima ambiental extremo mediante a captura, seja do calor do dia ou do frio da noite, e mantendo-a no concreto, a terra e a rocha que rodeiam o labirinto construído. A previsão para o aquecimento ou resfriamento assistido do edifício é de até 7,5 graus centígrados.

©  John Gollings
© John Gollings

O sombreamento passivo está presente em todas as superfícies de sol frontal e o piso de concreto das áreas públicas garante o aproveitamento do efeito do sol de inverno. Materiais de baixa combustão foram utilizados para ativar a proteção de incêndios florestais, além de utilizar recursos renováveis de origem local.

Ver a galeria completa

Localização do Projeto

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Centro de Ciências e Pesquisa Australiano Plantbank / BVN Donovan Hill" [Australian Plant Bank / BVN Donovan Hill] 26 Set 2014. ArchDaily Brasil. (Trad. Márquez, Leonardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/627690/centro-de-ciencias-e-pesquisa-australiano-plantbank-bvn-donovan-hill> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.